Home Colunas Chapa2 Só se fala de outra coisa

Só se fala de outra coisa

por S. M. Hermes

Anteontem, famoso domingão, comecei a assistir Wild Wild Country. Talvez por ainda não ter visto a série, tinha a impressão de que ela havia sido lançada antes do ano passado, sei lá (risos). De fato não sabia nada sobre a historia do Bhagwan e dos Rajneesh, e ainda não sei muito — olhei uns dois episódios e meio até então. E mais uma vez, com a honra e glória, a capacidade humana de criar realidades que superam até as mais ousadas e insanas ficções nos serve uma refeição completa.

Quem não viu no Osho um vilão de um filme como Indiana Jones, ou 007?! O cara só usava umas roupas de ninja estilo Mortal Kombat, ficava uma cara sem falar nada, e dirigia 40 Rolls Royces diferentes pelo rolê. O resto é spolier. Mas o mais doido mesmo é que a galera em Rajneeshpuram não usavam drogas, imagina só, participar de todo esse teto não podendo dar se quer um tapinha na pantera. Fiquei triste pelos sannyasins, e como não ficar?

***

Mesmo não simpatizando com o Eduardo Bueno, tô lendo A Coroa, A Cruz e A Espada (2006). É o segundo livro dele que leio. Acredito que com esse tipo de leitura seja justo que eu releve opiniões pessoais, não sei, enfim. Conforme aprendemos mais afundo como se deu o açoite da Europa sob a América durante e após os “descobrimentos”, torna-se ainda mais claro o porquê da existência de vários problemas sociais que perduram até hoje.

Nada é por acaso, muito menos estruturas sociais visando a desigualdade e estabelecidas através dos séculos — e isso é fato constatado. A humanidade tem dessas, as vezes ela nos alegra, as vezes ela nos entristece, mas toda vez é uma surpresa nova. E não são poucas as peculiaridades possíveis de se observar na selva de pedra e seus bilhões de habitantes.

***

Quando me pego acreditando que tenho trabalhado demais, ou que tenho tido tempo de menos, logo lembro dos camaradas que já se aventuram pela intensa experiência que a paternidade deve ser — julgo eu que deve. Como diria o velho drogado, “O tempo é relativo”, tudo depende do nosso parâmetro de medida. Imaginem esse parâmetro ser um filhote humano em desenvolvimento e sob sua responsabilidade, no mínimo intenso, não?!

Plantar Cannabis é outra experiência interessante nesse quesito. Torna-se possível sentir o tempo conforme o ciclo natural em que a semente se desenvolve. Faz um mês e meio desde que comecei as atividades pra uma nova safra (minha segunda) de camarões homemade. Comprei umas sementes que, pra minha total tristeza, não deram em nada. No fim das contas, foram duas sementes de prensado que acabaram brotando e tem crescido bem. Oremos!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

De saúde ao mundo dos negócios, a maconha é uma fábrica de notícias

Falamos da cannabis abordando diferentes aspectos: saúde, economia, segurança pública, cultura, história, esportes… por João Henriques / Ilustração: Felipe Navarro Antes de começar a leitura deste...

Nelson Motta revela que fuma maconha todos os dias há 55 anos

Jornalista, que está com 74 anos, falou com naturalidade sobre seu hábito diário de consumir cannabis e ainda atestou: "Tenho uma memória incrível" Sem tabus...

Governo age para brecar liberação da maconha medicinal

Projeto de Lei que regulamenta venda de remédios e uso está parado na Câmara, enquanto Anvisa adiou votação de regulamentação do plantio revista para esta...

Pesquisadora defende regulamentação da Cannabis Medicinal: ‘Temos de saber o que o paciente está tomando’

Akemi alerta para o risco do uso do medicamento sem orientação Na próxima terça-feira, quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) julgar se regulamenta...

Pedidos para maconha medicinal triplicam nos tribunais mineiros

O uso da maconha medicinal no tratamento de epilepsias, esclerose múltipla, dor neuropática e paralisia cerebral tem ganhado cada vez  mais força em Minas....