Strain Hunters perde Franco: “Cannabis é minha paixão, meu pão, minha casa”

Chapa2

hempadao 3 janeiro, 2017

Imagina você começar a trabalhar num dos maiores bancos de semente do mundo, de repente, ganhar a confiança do criador e virar sócio, braço direito, parte da marca! De repente, entre prêmios e milhas e milhas de viagens, você tá lá, apresentando um programa sobre expedições em busca de strains enraizados nos quatro cantos do planeta. Entre entrevistas e muitos, muitos, muitos baseadões, 42 anos poderia ser pouco pra tanta marola e fumaça. Mas foi assim que viver Franco Loja. E aqui fica nossa homenagem a um cara que viveu e amou a cultura canábica até a última ponta:

Nas palavras do perfil StrainsHunters:

Franco é um ícone que ajudou a mudar muitas vidas. Ele será lembrado profundamente como um irmão, pai, filho e muito mais. “Cannabis é minha paixão, o meu pão, minha casa. Eu sinto que é como um dever assegurar que esta planta maravilhosa seja preservada e apreciada. Sou um fumante, um cultivador, breeder e Strain Hunter. Para sempre.”

Em entrevista recente ao camarada Sérgio Vidal, ele apostou que o Brasil deve ser, lógico, no futuro, o maior mercado da maconha na América. Vale muito a pena conferir o papo, relembrar o maconheiro poliglota que dava aula de simpatia:

O motivo da morte divulgado seria a contração de Malária, doença contra a qual ele mesmo estaria ajudando a combater, no Congo. Franco estava trabalhando na construção de um abrigo que serviria para tratamento de pacientes com o mal que acabou o levando.

É triste demais. Mas é preciso lembrar que a lembrança será eterna. Não só em homenagens, entrevistas, placas e strains, mas na história da cultura canábica mundial.

Em 2013 nosso camarada Victor Eiji, em cobertura da Cannabis Cup em Amsterdam, fez uma entrevista com a dupla (foto, capa). Você pode assistir clicando AQUI.

Quando eu pensei em criar um blog de maconha, evidentemente não imaginei que tivesse nunca que escrever um obituário. É triste. Demais. Mas a missão não pode parar, é isso que ele mesmo nos diria (e nos diz), como exemplo. Então o jeito é acender uma vela e emanar boas energias, fazer fumaça para homenagear essa história e, no mais, dar continuidade a essa roda viva da militância mundial. Seria ainda mais triste se não fosse lembrado por tudo que fez, mas isso não vamos deixar acontecer.



3 respostas para “Strain Hunters perde Franco: “Cannabis é minha paixão, meu pão, minha casa””

  1. THCombo Head Shop disse:

    Sei que não gostariam de escrever esse texto, mais fizeram com a maestria que merece o Franco. Como vocês disseram, essa militância mundial tem que acontecer diariamente e levar junto o legado do Franco.

  2. RAFAEL EVANGELISTA LADEIRA disse:

    “Vou ascender vela pra ele, eu vou fazer uma oração.
    Vou ascender vela pra ele, eu vou fazer uma oração
    Eu vou fazer pra Deus um pedido em minha meditação
    Pra que ele faça boa viagem nessa passagem!”

  3. RAFAEL EVANGELISTA LADEIRA disse:

    Terminar o projeto que ele estava desenvolvendo! Vamos ajudar. Paz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Raiz Biobizz
Papelito