Home Notícias Opinião VEJA lança blog sobre Maconha: CannabiZ

VEJA lança blog sobre Maconha: CannabiZ

O blog pretende “se debruçar sobre os desafios diante do novo status da planta na sociedade, no mercado e na ciência”

Este é o primeiro espaço regular na grande imprensa brasileira dedicado exclusivamente ao debate sobre o mercado internacional da cannabis legal, seja para uso medicinal ou recreativo. É uma honra voltar a colaborar com VEJA, revista na qual trabalhei por um ano, ali na virada do século, como subeditor de Internacional. Naquele já distante ano 2000, a Califórnia, primeiro estado americano a regular o uso terapêutico da planta, comemorava quatro anos da iniciativa, aprovada em 1996. Levou exatos vinte anos para que o Estado finalmente legalizasse a cannabis, liberando a produção, o comércio e o uso recreativo para maiores de 21 anos.

Nessas duas décadas, muita coisa mudou. O Colorado liberou a planta em 2012. O Uruguai fez o mesmo, em 2014. O Canadá, no ano passado. Atualmente onze estados americanos, além de DC, onde fica a capital Washington, permitem o consumo recreativo de maconha por adultos e outros 36 mantêm algum tipo de programa medicinal, assim como várias nações europeias, africanas e asiáticas (o cenário global será tema de um próximo post). Ou seja, o mercado da cannabis legal já é uma realidade que deve movimentar algo em torno de 17 bilhões de dólares globalmente em 2019, crescimento de 38% sobre 2018, segundo projeções da Arcview Market Research e da BDS Analytics, consultorias especializadas no segmento. Pelos mesmos prognósticos, o mercado deve atingir um valor superior aos 31 bilhões de dólares em 2022 (CAGR de 26,7% nos cinco anos de 2017 até lá). Para seus entusiastas, a pergunta não é mais “se” a maconha voltará a ser legal no mundo, mas “quando” isso vai acontecer.

Não é difícil imaginar por que será este o destino da planta, basta observar os fatos. As recentes descobertas sobre o sistema endocanabinoide e a comprovada eficácia da cannabis no tratamento de diversas doenças, tendo à frente os quadros graves de epilepsia, são argumentos científicos e sanitários difíceis de ignorar. Mas o fator mais importante a apontar para um futuro no qual a cannabis será novamente aceita como remédio e droga recreativa é mesmo o econômico. A volta da cannabis ao mercado, cerca de oitenta anos depois de sua proibição, tem o potencial de provocar abalos significativos (disrupção, no jargão corporativo da moda) em três indústrias multibilionárias: a farmacêutica, a do tabaco e a de bebidas alcoólicas. Juntos, esses três setores registraram receitas de quase quatro trilhões de dólares em 2018. É claro que a cannabis não traz de volta todo esse dinheiro para a mesa, mas apenas uma fração disso é suficiente para despertar o chamado instinto animal de empreendedores e investidores. Algo que já está acontecendo, inclusive no Brasil.

Por aqui, a Anvisa já reconhece as propriedades medicinais de produtos feitos com os princípios ativos da erva. A importação é permitida para pacientes, desde que cumprida uma série de procedimentos burocráticos (voltarei em breve ao tema). No mês passado a agência abriu uma consulta pública para embasar sua nova regulamentação sobre o setor e a expectativa é que sejam liberadas a produção, a pesquisa científica e a comercialização de produtos à base de cannabis medicinal no Brasil. De acordo com a New Frontier Data, outra consultoria dedicada exclusivamente ao setor da cannabis, o mercado potencial brasileiro é de 3,4 milhões de pacientes por ano, que poderiam movimentar algo em torno de R$ 4,7 bilhões na economia.

Entrem e fiquem à vontade, o espaço não é meu, é de todos que nos preocupamos em construir um mundo mais justo, mais inclusivo, mais diverso e mais informado, em nome das evidências científicas, do acesso à saúde e da livre iniciativa.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...