Home Notícias Ciência Uso pediátrico do Canabidiol

Uso pediátrico do Canabidiol

Diante das especulações sobre os estudos usando os derivados da Cannabis sativa (maconha) em pacientes pediátricos, a Sociedade Brasileira de Pediatria divulgou, em junho deste ano, um documento científico orientando médicos e familiares sobre seu uso

Primeiramente é importante salientar que o canabidiol não possui efeitos psicoativos ou euforizantes, diferentemente da planta in natura (maconha), que é uma droga ilícita com efeitos alucinógenos.

por Carolina Monteiro
no PedMed

Uso da Canabis sativa

O uso dos derivados da Canabis sativa (maconha), como os canabinoides, vem sendo estudados para fins medicinais desde o século XIX. Seus efeitos são bem descritos no tratamento de dores crônicas, constipação intestinal, convulsões e outras desordens do SNC.

Com o aprimoramentos dos estudos usando o canabidiol, o Conselho Federal de Medicina (CFM), regularizou o uso deste ativo para casos de epilepsia refratário aos tratamentos convencionais em crianças e adolescentes. Cabe ressaltar novamente que o CFM não esta se referindo ao uso in natura da Canabis sativa mas sim de um dos seus derivados, o canabidiol.

Após inúmeras discussões e revisões bibliográficas, o CFM conclui que ainda não há evidências da segurança e eficácia do uso do canabidiol, portanto seu uso deve ser restrito para os pacientes com epilepsia que não responderam efetivamente ao tratamento convencional. O principal benefício desta medicação seria em pacientes com síndromes epiléticas de difícil controle como: Síndrome de Dravet, encefalopatia de Lennoxgastaut e Síndrome de Doose.

Canabidiol no tratamento de crises epiléticas

Em um estudo publicado em 2016, por Lauren e colaboradores, cerca de 24% dos pacientes responderam de forma satisfatória com o uso do canabidiol nas crises epiléticas de difícil controle. Devemos lembrar que esta medicação não é a primeira linha de escolha para o tratamento de nenhum caso de epilepsia e nunca deve ser utilizada como monoterapia. Por fim, o estudo conclui que os efeitos desta medicação a longo prazo ainda não estão estabelecidos e que seu uso deve ser feito com cautela.

Considerações Finais

O uso do canabidiol para outras desordens como: dores crônicas, Síndrome de Tourette, ansiedade, esquizofrenias, TDAH e transtorno do espectro autista, ainda não esta bem estabelecido e necessita de mais estudos.

Por fim, devemos ressaltar que, até a presente data, o uso do canabidiol apenas está indicado nos casos de epilepsia de difícil controle que não respondem satisfatoriamente ao tratamento convencional. Portanto, o seu uso no meio pediátrico deve ser feito de forma consciente e com embasamento científico importante.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...