Home Cultura Técnico fica chapado de LSD ao tentar consertar sintetizador antigo

Técnico fica chapado de LSD ao tentar consertar sintetizador antigo

LSD resiste a pelo menos cinco décadas e faz efeito inesperado em técnico de som

Ah… os bons e velhos tempos hippies da década de 60 do século passado. Era ácido pra todo lado. Parte dele até pode ter se perdido, entre tralhas e equipamentos.

Quem se deu bem (ou mal?) foi Eliot Curtis, técnico da estação de TV norte-americana KPIX. Ele ficou encarregado de fazer o conserto de um sintetizador Buchla Model 100, localizado na Universidade Estadual da Califórnia de East Bay.

Enquanto trabalhava no aparelho, Curtis percebeu que tinha uma substância meio cristalizada em um dos painéis. Aí sabe como é, né? Primeiro você passa o dedo, depois esfrega a unha, aí acaba passando uma goma… nisso, meu camarada, a substância foi fazendo seu efeito, através da pele.

Até ele ter a ideia de passar um solvente para limpar de vez o painel, a onda já estava por bater. E pior (ou melhor), demorou nove horas para passar.

Don Buchla, criador do aparelho

Como pode?!

Você deve estar se perguntando se isso é possível, e mais, como isso pode ter acontecido? Acontece que, o criador do aparelho, Don Buchla, era muito amigo de Owsley Stanley, o famoso engenheiro de som da banda Gratefull Dead, conhecido também por fabricar LSD.

E o aparelho em questão foi utilizado, por diversas vezes, por Stanley e pela banda, o que ajuda a explicar a presença da droga. Afinal, não era pouco coisa… aí uma gotinha ou outra acabou pingando, já viu…

O LSD pode manter sua potência durante décadas, se for bem armazenado. Nesse caso não foi, mas a qualidade e quantidade garantiram a trip bacana, mesmo quase 60 anos depois de sua fabricação. Essa história pode entrar pro livro dos recordes.

Abraço, Leary

Por falar em LSD, hoje completam 23 anos desde a morte do maior promotor da cultura lisérgica nos EUA, o investigador, psicólogo, cientista, ativista e ícone da contracultura, Timothy Leary!

Sim… ele faleceu no dia 31 de maio de 1996, aos 75 anos, em decorrência de um câncer de próstata. Sua partida se deu na sua própria cama, rodeado por amigos.

MILLBROOK, NY – CIRCA 1966: Timothy Leary photographed at his home circa 1966 in Millbrook, New York. (Photo by PL Gould/IMAGES/Getty Images)

E pra se ter ideia de tamanha importância do professor, que deu aula em Harvard, para o panorama científico norte-americano, basta dizer que suas cinzas foram transportadas e liberadas no espaço pela nava espacial Pegasus, juntamente com as de outras personalidades da ciência, além das do criador de Jornada das Estrelas, Gene Roddenberry.

Se você nunca ouviu falar sobre psicoterapia psicodélica e as ideias de Timothy, esse é o dia, e a hora é essa. Pode começar tentando deglutir essas informações, reprogramando seu cérebro. Nem precisa tocar no sintetizador pra chapar. Essa meia hora de alucinação relativa proporciona chapação pra sempre. Saca só:

Parte II

Parte III

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Must Read

Black Alien, Cancela o Apocalipse [BotumSom #01]

Playlist de canções e participações de Black Alien junta Marcelinho da Lua, Pedro Ratão, Sabotage, Rael, Shawlin e até Herbert Viana Hoje o Hempa tá...

Qual o país que mais fuma maconha no mundo?

De acordo com um novo relatório divulgado pela empresa de análise sobre cannabis, New Frontier Data, a nação mais maconheira do mundo é a......

PMs do DF acusados de tortura e sumiço de 50 kg de maconha

De acordo com as investigações, 14 policiais teriam cometido uma série de irregularidades durante operação contra o tráfico de drogas oliciais militares foram denunciados pelo...

Produtora de maconha medicinal lança ações na bolsa de Londres

A previsão de estreia da Freyherr no mercado de ações está marvada para o dia 30. Empresa produz concentrados e extratos derivados de cannabis. A...

Stand up sobre Maconha com Nando Viana e Patrick Maia

"Quarta às 20: Um show de entendedores" conta com Nando Viana, Patrick Maia e outros flagrantes do humor nacional Parece que o Clube do Minhoca...