Home Ativismo Só digo uma coisa: não digo nada

Só digo uma coisa: não digo nada

E digo mais: só digo isso. Em termos de comédia, realmente tem sido bastante complicado concorrer com a realidade, vide 50 mil anos atrás. Mas como já dizia o profeta: “quem tá na chuva é pra se queimar”.

Infelizmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária não foi favorável ao plantio de Cannabis para fins medicinais. A votação que ocorreu no último dia 3 de dezembro, apenas comprova e atesta que o Brasil ainda não tem maturidade suficiente pra tornar nosso sonho mais próximo da realidade — ou seja, legalizar por completo a mais querida planta entre tantas outras.

Isso, pra que possamos desfrutá-la enquanto medicina, terapia ou recreação. E, obviamente, quem necessita da Cannabis enquanto remédio tem toda a preferência nessa longa fila de espera. Porém, a autorização concedida pela Anvisa é somente aos grandes grupos farmacêuticos. Associações e cooperativas, quem de fato merece esse salvo-conduto, foram deixadas de fora.

E conforme foi eleito o atual desgoverno Bolsonaro, as possibilidades de mudanças positivas nas políticas de drogas ficam ainda mais intangíveis. Alguns ministros, como Osmar Terra, já deixaram bem clara sua posição sobre o tema, que é de completa e total falta de sentido e conexão com a realidade, seguindo cegamento no compasso do mais que falido proibicionismo.

“Eu vi o rumo que as coisas estavam tomando, muito tempo atrás. Eu não disse nada. Sou um dos inocentes que poderiam ter elevado a voz quando ninguém atentava para os “culpados”, mas não falei e, com isso, eu mesmo me tornei um dos culpados.” – Ray Bradbury, em Fahrenheit 451 (1953).

Explained

Na série Explicando, da Netflix, o décimo segundo episódio trata sobre maconha. Um dos especialistas presentes é o neurocientista norte-americano Carl Hart, autor do livro Um preço muito alto (2013). Atualmente um dos grandes cientistas no campo das drogas e dos vícios. Após assistido todo o episódio, é possível ter uma bela ideia de como será o futuro da Cannabis.

Pico da Neblina

No começo desse novembro passado, foi anuciada a reabertura do Parque Nacional do Pico da Neblina, que fica em Santa Isabel do Rio Negro, no Amazonas. O lugar é sagrado na cultura dos Yanomami, considerado “poderoso e abrigadouro de espíritos sublimes”. São vários os objetivos com esse projeto, e um deles é o etnoturismo, que tem “o propósito de valorizar também a cultura indígena local”. Enfim, baita pico, nome mais do que sugestivo.

Fontes:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-11/recanto-sagrado-dos-yanomami-pico-da-neblina-deve-ser-reaberto
https://hempadao.com/anvisa-rejeita-cultivo-de-maconha-para-fins-medicinais-no-brasil/
https://www.smokebuddies.com.br/pacientes-maes-associacoes-e-advogados-falam-sobre-decisao-da-anvisa/

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

LegaLive #01 – Dudu Ribeiro: Racismo e Proibição das Drogas

Demorou! Mas o Hempa enfim mergulhou no mundo das Lives! E inauguramos o quadro em grande estilo, com o historiador e ativista Dudu Ribeiro,...

“Maconha.doc – Salvando Brisas e Vidas”, documentário feito por Lucas Maciel

O youtuber e comunicador Lucas Maciel preparou um documentário sobre maconha gravado lá no Uruguai. Desde 31 de maio está sendo upado na conta...

52% dos jovens usam psicoativos para lidar com a pandemia no Brasil

A pandemia causada pelo novo coronavírus impactou os hábitos dos brasileiros de maneira profunda — inclusive na relação com as substâncias psicoativas. Estudo inédito aponta que...

Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias

Fitofármaco derivado da maconha pode ter diversas aplicações terapêuticas. Produto foi criado em parceria com uma indústria farmacêutica do Paraná O primeiro extrato de canabidiol...

Quarentena canábica

Todas as fragilidades da nossa sociedade vem à tona em momentos como o atual, em que vivemos em meio a uma pandemia de coronavírus....