Home Medicinal Sintomas do autismo melhoram com o uso da maconha medicinal

Sintomas do autismo melhoram com o uso da maconha medicinal

Pesquisa brasileira constatou benefícios no sono, na interação e na hiperatividade em grupo de 15 pacientes

Fazia mais de oito anos que a professora Clara Mont’Alverne, 52, não tinha uma noite bem-dormida, o que a fazia sentir-se à beira de uma ruptura emocional. Sua filha, Rebeca Mont’Alverne, hoje com 13 anos, tem diagnóstico de autismo desde os 3, e um dos sintomas mais graves era um distúrbio do sono que fazia com que a menina dormisse apenas meia hora em algumas noites, apesar da sonolência.

por Gabriel Rodrigues
em O Tempo

Ela já havia tentado remédios à base de melatonina (o “hormônio do sono”), entre outros, mas foi só o extrato da Cannabis (a maconha), que surtiu efeito – e, agora, é o único medicamento que Rebeca utiliza. “Hoje, minha filha dorme no quarto dela e eu durmo no meu quarto o sono dos justos”, diz Clara. “Antes, ela aproveitava muito pouco das terapias (como fonoaudiologia), porque estava com sono”, lembra.

Outros casos como o de Rebeca são objetos de estudo em uma pesquisa brasileira, publicada no final de outubro no periódico “Frontiers in Neurology”. O trabalho acompanhou o uso de medicamento à base de maconha por 15 pacientes de 7 a 18 anos, durante seis a nove meses. Entre eles, 14 tiveram melhoras nos sintomas.

“Redução de hiperatividade e de déficit de atenção, melhora na interação, diminuição de ataques de nervosismo e melhora no sono foram os aspectos mais observados”, diz o neurocientista Renato Malcher, um dos autores do levantamento.

Os pais dos pacientes preencheram mensalmente uma avaliação sobre a melhora notada em oito sintomas – pelo menos um foi amenizado em mais de 30% em nove dos pacientes. No caso dos que também tinham diagnóstico de epilepsia (comorbidade comum em autistas), a evolução foi ainda melhor.

O resultado corrobora outras pesquisas já publicadas. Em 2018, um estudo com 60 pacientes, publicado na “Neurology”, mostrou melhora nos sintomas em 61% deles.

O autismo é a segunda doença mais frequente nos laudos médicos de solicitação de importação de remédios à base de maconha na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No terceiro semestre de 2019, foram feitos quase 2.800 mil novos pedidos de importação.

Modo de usar

O cérebro de pessoas que apresentam autismo e epilepsia sofre uma espécie de agitação excessiva. Uma das hipóteses é a deficiência de endocanabinoides – sistema de enzimas e receptores que regulam as reações da pessoa ao ambiente externo. É aí que entra a Cannabis: ela também tem canabinoides, que teoricamente podem suprir a falta no organismo.

Os mais conhecidos são o CBD e o THC. Quando se fala em remédios, o CBD é o mais citado, enquanto o THC é associado ao “barato” da maconha. Malcher explica que o CBD puro não é o bastante para amenizar sintomas do autismo – o THC também é usado, mas em proporção menor e insuficiente para “dar onda”. O estudo utilizou um medicamento norte-americano com proporção de uma parte de CBD para cada 75 de THC.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...