Sem lógica, com nexo – e vice-versa!

Chapa2

hempadao 9 maio, 2019

Tudo é possível, nada é por acaso. O caminhar da humanidade através dos séculos não foge disso, pelo contrário

por S. M. Hermes

Sabe aquele possível século XXI previsto em diversas teorias elaboradas por nossos antepassados, com a humanidade liberta de trabalhos manuais, ligados a indústria, comércio e aquela coisa toda? Com cidades 100% funcionais, de fato pensadas e construídas para o bem-estar e desenvolvimento coletivo, em sintonia com a natureza, com meios de transporte ecológica e socialmente corretos, etc. e tal? Com certeza de algumas formas já chegamos lá, mas infelizmente, de várias outras ainda não estamos nem perto desse utópico e distante futuro.

“Por que, afinal de contas, o que é uma rua como Ellesmere Road? Exatamente uma prisão, com as suas celas postas em fileira. Apenas uma linha de câmaras de tortura semi-separadas, onde o podre diabo cinco-a-dez-libras-por-semana tirita e estremece — todos eles com os patrões a torce-lhes os rabos, esposas a cavalgá-los e crianças a chupar-lhes o vigor como sanguessugas.” – George Orwell, em Um Pouco de Ar, Por Favor! (1939).

O futuro a Deus pertence, oremos

Já faz algum tempo, quiçá um par de décadas, que é possível imprimir uma miscelânea de coisas em 3D, inclusive órgãos. Devido aos diversos interesses gerados pela ganância do lucro, a disponibilização das tecnologias pra grande massa se dá lentamente — logo, a estagnação social só é benéfica ao próprio Big Brother. Essa é uma das principais lógicas do sistema: mesmo existindo possibilidades melhores, antes é necessário extrair o máximo possível de tudo, como por exemplo, o caso dos combustíveis fósseis.

A industria agropecuária é outro exemplo. Conforme criar gado é algo extremamente lucrativo, quaisquer que sejam os prejuízos (principalmente ambientais) gerados por essa atividade serão ignorados, enquanto possível, independentemente de sua gravidade. Imaginem alguma geração futura, aprendendo a história dos seus antepassados que industrializaram a criação de animais pros mais inimagináveis fins. Essa realidade, onde a humanidade consuma apenas carnes não provenientes de abate animal, é algo tristemente distante. Uma pena.

Azar de principiante

Sei que não á primeira vez que falo isso: iniciar esse ciclo de plantio canábico tem sido peculiarmente penoso e complicado. Mesmo provido de uma bela gama de acessórios e apetrechos, como um timer, lâmpadas de vapor, cool tube, exaustor, climatizador, medidor de temperatura e umidade, uma tendinha de um metro e oitenta de altura por sessenta centímetros de largura, fertilizantes, substrato específico, entre outros — não tá rolando, não tem jeito de vingar uma plantinha. Mas segue o jogo, seguimos tentando. Hoje mesmo, coloquei mais algumas sementes pra germinar, e vamo que vamo.

“Parece-me por bem dizer a Vossa Alteza o quão perdida está essa terra e o quão atrasada, do muito amparada e bem guardada que estava em tempo de Tomé de Sousa, e tudo por causa de muitas demandas que nela há, causadas pela muita cobiça que aqui reina.” – Francisco Portocarrero, em A Coroa, A Cruz e A Espada (2006), do Eduardo Bueno.

Fontes:
https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2019/03/20/carne-artificial-os-cientistas-britanicos-que-estao-criando-bacon-em-laboratorio.ghtml



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




[pro_ad_display_adzone id=17608]
[pro_ad_display_adzone id=17609]