Home Lugares Brasil "Se houver legalização, teremos a Ambev da maconha, a Maconhabras", diz o...

“Se houver legalização, teremos a Ambev da maconha, a Maconhabras”, diz o ministro da Cidadania em entrevista

Ministro remanescente do governo de Michel Temer, Osmar Terra (MDB) é um dos homens-fortes do presidente da República, Jair Bolsonaro

Médico por formação e deputado federal licenciado, ele está numa verdadeira luta contra quaisquer tipos de liberação às drogas conduzindo o Ministério da Cidadania. Recentemente, atacou a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) que publicaria um estudo em que dizia que não existia uma “epidemia de drogas” no país. Alegando “ideologização” no órgão, mandou engavetar o estudo que custou R$ 7 milhões pagos pelo governo e durou 3 anos para ser desenvolvido: 16 mil entrevistas ao longo deste tempo.

Fonte: Diário de Goiás

Em entrevista à Veja desta sexta-feira (02/08), Terra disse que discorda do estudo. Existe sim, uma epidemia de drogas no Brasil, segundo o ministro. Porque? “Epidemia é quando a incidência de uma doença aumenta muito além do usual num curto espaço de tempo”, define a etimologia da palavra. Mas ele dá um exemplo: “Há um grupo de estudiosos que pesquisa indícios de drogas em amostras de esgoto. Descobriu-se que, em Brasília, consomem-se entre 8 e 10 toneladas de cocaína por ano. É quarenta vezes mais que Chicago”.

O ministro não cita a origem da pesquisa nem qual instituto, mas para endossar os números ele apela para o Datafolha. “Além disso, pesquisa do Datafolha afirma que um em cada quatro brasileiros tem um familiar com problema grave de dependência química. Até 2006 o álcool sempre foi o pivô das solicitações de auxílio-doença do INSS por dependência química. Em 2013, já era quatro vezes maior o número de pedidos de auxílio por causa do consumo de drogas em comparação ao total dos que decorrem do uso de álcool. Se isso não é epidemia, não sei mais o que é”, mencionou Terra.

Sobre a descriminalização da maconha? “Radicalmente contra”, afirma o ministro. “Não há meio-termo: A primeira coisa que a gente tem de considerar é que as drogas provocam uma doença no cérebro. O cérebro adoece para sempre. Temos 30 milhões de dependentes químicos do álcool e do tabaco e 8 milhões de dependentes de outras drogas. Se houver a legalização, a facilitação do acesso às drogas, esses 8 milhões vão passar dos 30 milhões em pouco tempo”, ele concluiu dizendo que com a liberação, o Brasil chegará aos 50 milhões de dependentes químicos. “Será uma tragédia”.

Ele pede para que o Supremo não decida nada com relação ao assunto e que acha que no momento é um “confronto totalmente desnecessário”.

Quando questionado sobre um modelo de país ideal com relação às drogas ele cita a Suécia que tinha o consumo liberado até o final dos anos 60 quando veio a proibição, levando a super-lotação nas prisões, mas “a epidemia acabou”. Osmar lembra que com a redução a oferta de drogas na rua, acaba o problema. “Há vinte anos, era nesse país que estava a juventude que mais consumia droga na Europa, e hoje é a que consome menos. Lá, ninguém fica ocioso no contra-turno da escola e, depois das 22 horas, há um toque de recolher para adolescentes. Também tiraram a bebida alcoólica das prateleiras.”

E com relação à uma proibição do álcool no Brasil? “É difícil proibir o álcool depois que se criou uma indústria gigantesca e que envolve milhões de empregos. Por isso, temos de ficar atentos a essas propostas de liberação.”

Terra ainda faz uma alusão da indústria das drogas tidas como ilícitas e à industria do álcool. “Hoje, a maior empresa do Brasil é a Ambev. Se houver a legalização, teremos a Ambev da maconha, a Maconhabras. Imagina a quantidade de gente que vai adoecer?”, fazendo alusão a estatal brasileira, Petrobrás.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...