Home Blog REeDUcaÇÃO REeDUcaÇÃO #26 – De frente com o Almanaque das Drogas!

REeDUcaÇÃO #26 – De frente com o Almanaque das Drogas!

por Guilherme Storti

Salve hempada brasileira!!

almanaque tarspEssa semana eu tive o imenso prazer de estar acompanhando parte da passagem do Tarso Araújo por Salvador. Para aqueles que não o conhecem, Tarso Araújo é um jornalista que já passou por inúmeros veículos de comunicação e ultimamente estava fazendo parte da equipe da Revista Galileu. Ele, inclusive, foi quem produziu a última reportagem capa da Galileu, sobre maconha.

Mas além da grande prestação de serviços como jornalista, o Tarso resolveu ir mais longe e tomou a decisão de escrever um livro, o Almanaque das Drogas.

Em bate papo com o Tarso, durante dois dias, pude conferir um pouco sobre como pensa o escritor do grande Almanaque acerca das nossas políticas de drogas e quais foram as suas motivações para dar inicio a essa grande e valiosa obra, que segundo ele, é um livro baseado nos princípios da redução de danos.

 

Ao decorrer da sua carreira como jornalista, o Tarso Araújo começou a perceber o quão as pessoas estavam desinformadas acerca do delicado assunto das “drogas” e o quanto essas pessoas não tinham acesso a um material de confiabilidade e que as preparassem para um debate racional, tendo em vista a grande quantidade de informações falsas que chegavam às grandes mídias. O Almanaque surge então como uma válvula que facilita muito a compreensão
do leitor em torno deste assunto polêmico que é o mundo das drogas.

Dividido e setorizado por cores e assuntos, o livro traz uma forma muito interessante de dinâmica de consulta, dando possibilidade ao leitor de localizar o assunto de maior interesse sem ter a necessidade de vasculhar o livro inteiro (embora seja altamente recomendável ler o Almanaque folha por folha). Dividido em seis tópicos importantes a serem analisados pelos leitores que procuram informações sobre drogas o livro é uma grande chamada para a
consulta pontual e uma ótima ferramenta de redução de danos, pois além de ser dinâmico ele é bem ilustrativo (possui várias imagens) e de leitura simples, ou seja, acessível para todos os públicos e níveis educacionais, visto que não é um livro de linguagem científica.

Bem dividido, bem ilustrado, bem pensado e muito bem executado o Almanaque se torna o mais novo livro de consulta para os pais “caretas” entenderem um pouco mais sobre o assunto que tanto nos mobiliza e causa polêmicas. Sem contar na grande importância social, pois é um assunto não só direcionado aos pais e sim para a toda sociedade conservadora que a todo o momento vem criticar os usuários de drogas e as suas problemáticas sem ao menos conhecerem os aspectos mais relevantes do debate.

Outro elemento que motivou bastante o Tarso para criar esse livro foi a grande quantidade de informações suspeitas que são disponíveis na internet, pois ele acredita que um dos problemas que rodeia nossa política de drogas é a informação desencontrada, sem confiabilidade e que acaba municiando a crítica negativa sobre o tema. Inclusive foi um ponto em que chegamos numa certa divergência, pois na própria internet encontramos os dois lados da moeda. Assim como temos informações desencontradas e falsas, também temos muitas informações valiosas e que cada vez mais estão chegando à população via militância na web, como é o caso do próprio Hempadão. Defendo que a Internet seja um instrumento de redução de danos justamente pela facilidade de se ter acesso a um vasto conteúdo, porém, bem pontuado que seja muito perigoso boa parte desse conteúdo em termos de confiabilidade, mas que aos poucos, e com pessoas extremamente dedicadas à causa, vamos quebrando essas informações desencontradas e levando cada vez mais conteúdo confiável para o leitor se deliciar com o incrível mundo das substâncias psicoativas e todas as suas soluções inteligentes e divergências científicas.

Enfim, o que vocês acham do papel da internet na formação de opiniões em relação a temática das drogas??? Esse debate necessita da opinião de [email protected] vocês!!! Participem!! Salve, salve!!

Ps: conheçam o blog do almanaque: www.almanaquedasdrogas.com

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias

Fitofármaco derivado da maconha pode ter diversas aplicações terapêuticas. Produto foi criado em parceria com uma indústria farmacêutica do Paraná O primeiro extrato de canabidiol...

Quarentena canábica

Todas as fragilidades da nossa sociedade vem à tona em momentos como o atual, em que vivemos em meio a uma pandemia de coronavírus....

Maconha em tempos de pandemia é o tema da live da Folha nesta quarta

Nesta quarta-feira (29), o Ao Vivo em Casa, série de lives da Folha, fala sobre a indústria da maconha em tempos de Covid-19 e...

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...