Home Colunas Portas da Percepção Psicodélicos e redução de danos na roda no Rio de Janeiro

Psicodélicos e redução de danos na roda no Rio de Janeiro

por Fernando Beserra

cartc3a3o-apb

No Rio de Janeiro o debate sobre psicodélicos está rolando pesado e agora durante o período eleitoral não poderia deixar de ocorrer. No dia 25 de setembro de 2018, às 19 horas, vai rolar o debate: “Psicodélicos e redução de danos na roda” no Comitê da candidata a deputada federal, Luciana Boiteux. O debate terá a presença do delegado e candidato a deputado estadual, Orlando Zaccone, além dos integrantes da Associação Psicodélica do Brasil (APB), Fernando Beserra (este que vos escreve), Júlia Castro (coordena o Projeto Brisa de redução de danos em contexto de festa da APB) e Sandro Rodrigues (doutor em psicologia e coordenador da equipe clínica da APB).

O evento será uma oportunidade única para conversarmos sobre redução de danos e psicodélicos; além de debater o tema psicodélicos e política de drogas. No Rio de Janeiro, desde 2014 a Marcha da Maconha conta com uma Ala Psicodélica que tem defendido uma mudança estratégica no debate, isto é, que não se deve caminhar para a legalização da maconha abandonando, concomitantemente, o debate sobre a legalização de outras drogas, dentre as quais as substâncias psicodélicas. A mudança da opinião pública sobre a maconha não anda lado a lado com a opinião acerca do LSD ou do MDMA, por exemplo, e apenas fomentando este debate na sociedade que poderemos reverter o estigma e repensar nossa política de drogas, construindo um antiproibicionismo cada vez mais amplo e consistente.

No campo do consumo dos psicodélicos sintéticos há uma situação grave, em termos de saúde pública, que se refere a adulteração de distintas substâncias. Os resultados como mortes e overdoses tem sido objeto de debate no movimento psiconautico e psicodélico, além de tema de preocupação dos usuários e mesmo de alguns produtores de festas cuidadosos. Ações de grande importância, como as testagens de drogas, tem se aliado nas festas a ações de compartilhamento de informações e fornecimento de suporte psicológico aos frequentadores de algumas festas no Brasil e no mundo. Algumas matérias mostram bem estes cenários, como recente reportagem da New York Times em espanhol (LINK1), além da antiga reportagem da VICE Brasil (LINK2).

Portanto, é importante que participemos e divulguemos iniciativas como esta, pois não são simples ou triviais. Interessados no tema sabem bem a dificuldade que temos de criar espaços para realizar este debate. Convidem as(os) amigas(os) e chega mais!

LINK 1 = https://www.nytimes.com/es/2018/09/14/testeo-drogas-adulteradas-duque/?rref=collection%2Fsectioncollection%2Fnyt-es&action=click&contentCollection=guillermo-garat&region=stream&module=stream_unit&version=latest&contentPlacement=1&pgtype=undefined

LINK 2 = https://www.vice.com/pt_br/article/jpyxyx/jovens-brasileiros-tomam-drogas-desconhecidas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias

Fitofármaco derivado da maconha pode ter diversas aplicações terapêuticas. Produto foi criado em parceria com uma indústria farmacêutica do Paraná O primeiro extrato de canabidiol...

Quarentena canábica

Todas as fragilidades da nossa sociedade vem à tona em momentos como o atual, em que vivemos em meio a uma pandemia de coronavírus....

Maconha em tempos de pandemia é o tema da live da Folha nesta quarta

Nesta quarta-feira (29), o Ao Vivo em Casa, série de lives da Folha, fala sobre a indústria da maconha em tempos de Covid-19 e...

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...