Home Lugares Canadá Projeto piloto adere ao blockchain para rastrear maconha medicinal

Projeto piloto adere ao blockchain para rastrear maconha medicinal

Uma das maiores redes de farmácias do Canadá é parceira da TruTrace, que desenvolveu uma plataforma específica para rastrear maconha medicinal

O uso da tecnologia blockchain com finalidades diversas por um amplo leque de setores e cadeias produtivas apresenta mais um interessante case, no Canadá. A Shoppers Drug Mart, uma das maiores redes de farmácias do país, com por volta de 1300 unidades, está participando de um projeto piloto que usa o suporte da tecnologia blockchain para rastrear maconha medicinal, identificando, rastreando e verificando a origem e a genética da cannabis usada para fins medicinais.

Fonte: Webitcoin

O desenvolvimento tecnológico da iniciativa conta com a parceria da TruTrace Technologies Inc, empresa responsável pelo desenvolvimento de uma plataforma blockchain específica  para registro e verificação de propriedade intelectual da cannabis. A ferramenta fornecida pela player de tecnologia oferece testes obrigatórios, validação de produtos com base em DNA e soluções de proteção de propriedade intelectual.

Um salto para o uso

A ideia é aumentar a credibilidade e o alcance dos tratamentos que utilizam a maconha medicinal, que são totalmente legais no Canadá, desde 2001, mas ainda pouco utilizados. Em matéria publicada pelo portal The Star, o vice-presidente de desenvolvimento e iniciativas de negócios farmacêuticos da Shoppers, atribui a baixa adesão à falta de  dados e informações precisas sobre medicamentos à base de cannabis, que tragam segurança aos médicos e potencilalizem a indústria.

A visão do representante da rede farmacêutica que está aderindo ao piloto de implantação da plataforma de rastreamento é compartilhada pelo diretor executivo da TruTrace. “Atualmente, há ceticismo do setor médico e estamos tentando ajudar a violar isso. Tudo se resume a informações. Informação é poder, dados são poder. Francamente, os médicos precisam de mais informações e mais dados sobre os medicamentos em que estão prescrevendo aos seus pacientes.”, afirmou Robert Galarza, em entrevista concedida durante a recente edição do World Cannabis Congress.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Osmar Terra defende realização de plebiscito sobre legalização da maconha

Ministro da Cidadania diz que sociedade "tem de ser ouvida" O ministro da Cidadania, Osmar Terra, defendeu neste sábado (7), em Porto Alegre, a realização de um...

Anvisa rejeita cultivo de maconha para fins medicinais no Brasil

Por 3 votos a 1, proposta foi arquivada pela agência reguladora. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) rejeitou nesta terça-feira (3) o cultivo de...

Verdinha de Ludmilla faz sucesso na Web!

Mais de 3 milhões de plays em quatro dias de publicação: Verdinha de Mc Ludmilla faz sucesso no YouTube A Mc do funk Ludmilla lançou...

Mercedes Ponce fala sobre ExpoCannabis 2019 ao Hempa

Está chegando mais uma edição da ExpoCannabis 2019! Confira a entrevista com a organizadora do evento Este é o terceiro ano seguido do Hempadão na...

Maconha vira queridinha no mundo dos negócios

Com a legalização ganhando terreno, o cenário mudou: negócios canábicos já servem de lastro para fundos de investimentos negociados em bolsa por João Henriques /...