Home Notícias Economia Os desafios e as oportunidades do mercado de cannabis no Brasil e...

Os desafios e as oportunidades do mercado de cannabis no Brasil e no exterior

Para executivos, algumas estratégias podem tornar caminho até a liberação do uso medicinal menos complexo. Projeção é de que mercado poderia atingir valor de R$ 45 bilhões

alar sobre maconha ainda é um tabu no Brasil e em grande parte do mundo. Quando o assunto é canabidiol, porém, o tom é um pouco diferente. Embora ainda enfrente resistências, a substância, um dos princípios ativos da cannabis, têm sido amplamente estudada por seus potenciais usos medicinais. É principalmente neles que alguns empreendedores brasileiros têm apostado lá fora – e com expectativas de entrar no mercado daqui o mais breve possível.

Fonte: Época

O potencial e as estratégias do mercado da cannabis foram tema de um bate-papo no evento LATAM Retail Show, realizado em São Paulo (SP) entre os dias 27 e 29 de agosto. A conversa foi mediada pela jornalista Valéria França e abordou exemplos internacionais e possíveis estratégias para estimular a liberação da substância no Brasil. Os mercados potenciais, aliás, não se limitam às indústrias farmacêuticas e de cosméticos.

Caminho mais curto

Para José Bacelar, presidente da VerdeMed, “descolar” o canabidiol (ou CBD) do que se conhece como maconha pode ser um passo efetivo para tornar a discussão mais favorável. Nos EUA, explica ele, um caminho encontrado pela agência de regulação federal foi retirar apenas ele da lista de substâncias proibidas.

A partir da medida, o Congresso pôde propor um tratado que autoriza o cultivo do cânhamo, uma variação da cannabis que possui CBD, mas que apresenta baixos níveis de THC (responsável pelos efeitos psicotrópicos). “A separação entre o uso medicinal e o recreativo é um dos grandes desafios para desmistificar a planta. Não precisamos discutir sobre maconha agora para encontrar um caminho que avance”, diz ele.

Bacelar foi um dos brasileiros que apostou no patamar mais avançado de outros países para explorar o mercado. A VerdeMed, empresa comandada por ele, tem sede no Canadá e trabalha no desenvolvimento de dois medicamentos à base de CBD. Enquanto o mercado brasileiro não se abre, uma unidade de negócios baseada no EUA pretende exportar os remédios para pacientes brasileiros com indicação médica – o modelo permitido hoje.

Confiabilidade

Já a aposta da cientista e empreendedora Gabriela Cezar, CEO da Panarea Partner Inc., foi no Uruguai. A empresa comandada por ela mantém uma planta de 2,7 mil metros quadrados e trabalha na construção de outra, de 19 mil, com laboratórios. A proposta é englobar toda a cadeia, das pesquisas à exportação, atendendo inclusive outras empresas interessadas no nicho.

Lado a lado com o Canadá no quesito liberação, o Uruguai, segundo ela, leva outra vantagem: uma política de zona franca que zera o imposto para equipamentos. Em relação ao Brasil, a proximidade e a ligação ao Mercosul também seriam vantagens.

Para ela, o grande desafio dessa indústria tem a ver com o controle de qualidade. Para trabalhar com o uso da cannabis em medicamentos e até em cosméticos, as empresas precisam desenvolver pesquisas profundas e rigorosos testes de qualidade. “Existe uma variabilidade entre as plantas. É preciso conhecer desde a concentração das moléculas até sua caracterização genética.”

A executiva relembra uma consulta pública realizada recentemente pela Anvisa para avaliar a possibilidade de permitir o cultivo da planta no Brasil. Os resultados estão previstos para ser publicados em novembro. Segundo ela, a liberação estimularia um mercado com muito potencial.

Um mercado bilionário

André Steiner, fundador e CEO da White Cloud Mountain Quantum Cannabis Jamaica, tem uma visão semelhante. Com sede no país do Caribe, a empresa mantém uma parceria com uma empresa americana para basear a aplicação de canabinoides ao perfil genético de cada pessoa. O negócio, por outro lado, mantém uma visão menos conservadora em relação aos efeitos de substâncias como o THC.

“Em 2025, a previsão é que o mercado da cannabis chegue a 200 bilhões de dólares em vendas. Eu acredito que será ainda mais, pois, além da medicina, ela invadiu mercados como os de cosméticos, bebidas e alimentos”, diz ele.

As possibilidades, segundo Vinnicius Vieira, sócio da Hiria, vão ainda mais longe. Segundo ele, o potencial do mercado têm estimulado até nichos como o das fintechs. “Como algumas instituições não podem investir nessas iniciativas por questões como compliance, essas startups têm buscado entender como podem suportar iniciativas que envolvem o CBD”, diz ele.

Os mercados de construção e vestuário são outros nichos pouco óbvio. Nesses caso, a planta pode ter sua fibra utilizada no lugar de materiais tradicionalmente adotados. “Se o Brasil tivesse a mesma regulação que países que já permitem a exportação, a projeção é de que teríamos um mercado possível de R$ 45 bilhões”.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos Posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...