Home China Objetos arqueológicos sugerem uso religioso de Maconha há 2,5 mil anos

Objetos arqueológicos sugerem uso religioso de Maconha há 2,5 mil anos

Cientistas publicaram estudo na ‘Science Advances’ anunciando o encontro de compostos da planta em objetos retirados de escavações arqueológicas na China

Objetos recolhidos em escavações arqueológicas são a nova pista para entender quando os humanos passaram a usar a cannabis em encontros sociais. Cientistas extraíram compostos da planta em vasos milenares na China. O estudo foi publicado na “Science Advances” nesta quarta-feira (12) e aponta para a queima das folhas em rituais religiosos há 2,5 mil anos.

Fonte: G1

Os dez objetos foram retirados em uma escavação dos túmulos arqueológicos do cemitério Jirzankal, na cordilheira de Pamir, na China. Uma análise química mostrou evidências do uso da planta durante os encontros – compostos da cannabis usada na época foram encontrados nos fragmentos de madeira e pedras queimadas.

Escavação no túmulo onde alguns dos objetos foram encontrados — Foto: Xinhua Wu
Escavação no túmulo onde alguns dos objetos foram encontrados — Foto: Xinhua Wu

Segundo os pesquisadores, uma alta quantidade de THC foi detectada, componente da maconha e agente psicoativo mais potente. Até então, a maioria das evidências do uso da droga por povos antigos estava em registros escritos, com veracidade questionada pelos cientistas.

O estudo avança com relação ao uso da droga devido às suas propriedades psicoativas e medicinais – já é confirmado, por exemplo, o cultivo da planta por sua semente e fibra há 4 mil anos na Ásia. A novidade é comprovar o uso consciente dos seres humanos devido às propriedades da maconha.

De acordo com o artigo, o material encontrado no local da escavação aponta para o fato de que os povos antigos fumavam a planta durante cerimônias de passagem dos mortos das comunidades, uma tentativa de se comunicar com espíritos passados.

“A descoberta apoia a suspeita de que as plantas de cannabis foram usadas pela primeira vez devido a seus compostos psicoativos nas regiões montanhosas do leste da Ásia, e depois se espalharam para outras regiões do mundo” – Nicole Boivin, do Instituto Max Planck para a História da Ciência.

Os pesquisadores acreditam que a droga tenha sido levada para outros países com a chamada “Rota da Seda”, caminho do comércio da seda entre o Oriente e a Europa. A região da cordilheira de Pamir é isolada, mas fazia parte do trajeto.

Cannabis selvagem encontrada na base das montanhas da Eurásia — Foto: Robert Spengler
Cannabis selvagem encontrada na base das montanhas da Eurásia — Foto: Robert Spengler

“Este estudo do antigo uso da cannabis ajuda a entender as primeiras práticas culturais dos humanos e fala sobre a nossa consciência intuitiva dos fotoquímicos naturais das plantas”, diz o pesquisador Yimin Yang, da Academia Chinesa de Ciências, em Pequim.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

De saúde ao mundo dos negócios, a maconha é uma fábrica de notícias

Falamos da cannabis abordando diferentes aspectos: saúde, economia, segurança pública, cultura, história, esportes… por João Henriques / Ilustração: Felipe Navarro Antes de começar a leitura deste...

Nelson Motta revela que fuma maconha todos os dias há 55 anos

Jornalista, que está com 74 anos, falou com naturalidade sobre seu hábito diário de consumir cannabis e ainda atestou: "Tenho uma memória incrível" Sem tabus...

Governo age para brecar liberação da maconha medicinal

Projeto de Lei que regulamenta venda de remédios e uso está parado na Câmara, enquanto Anvisa adiou votação de regulamentação do plantio revista para esta...

Pesquisadora defende regulamentação da Cannabis Medicinal: ‘Temos de saber o que o paciente está tomando’

Akemi alerta para o risco do uso do medicamento sem orientação Na próxima terça-feira, quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) julgar se regulamenta...

Pedidos para maconha medicinal triplicam nos tribunais mineiros

O uso da maconha medicinal no tratamento de epilepsias, esclerose múltipla, dor neuropática e paralisia cerebral tem ganhado cada vez  mais força em Minas....