Home Mais Entrevista Especialista em sexualidade canábica explica: "O prazer pela Maconha"

Especialista em sexualidade canábica explica: “O prazer pela Maconha”

A sexóloga Ashley Manta ensina, por meio de workshops, como a Cannabis pode ajudar a aumentar o tesão e facilitar o orgasmo

Quando falamos de sexo e Cannabis —  sim, as duas coisas juntas —, Ashley Manta, 34 anos, é uma voz a ser ouvida. Formada em filosofia e com experiência de 12 anos no tema, a sexóloga americana criou, em 2014, o CannaSexual, projeto em que ensina, por meio de workshops, diversos usos da maconha para aumentar o prazer sexual. Segundo Ashley, suas oficinas não são sobre “ficar doida e se jogar na cama”, mas conhecer o próprio corpo e novas descobertas no campo da sexualidade.

Fonte: TRIP

Embora a americana aborde o tema com leveza, ela própria tem uma história carregada de traumas: foi vítima de abuso sexual e estupro. Ahsley, que viveu os episódios em diferentes épocas, sofreu estresse pós-traumático mais velha, o que refletiu em suas relações sexuais —  ela não conseguia mais sentir prazer, apenas dor.

Ao se mudar para a Califórnia, cansada dos tratamentos tradicionais, teve acesso ao uso medicinal da cannabis, o que foi um marco na vida dela. Descobriu também óleos e bombas de banho que relaxam antes e durante a transa, e decidiu pesquisar o tema mais a fundo. À Tpm, Ashley, que já palestrou em eventos no South by Southwest e participa das principais feiras de cannabis medicinal, fala mais sobre o projeto:

Tpm. Como você descobriu que cannabis e sexo rendiam uma boa combinação?
Ashley Manta. Quando me mudei da Pensilvânia para a Califórnia, em 2013, e tive acesso à maconha para uso medicinal. Comecei, então, a perceber que havia um grande potencial na erva para ajudar as pessoas sexualmente. A Cannabis me auxiliou com minhas próprias questões e, quando comecei a estudar e a compartilhar minhas vivências, descobri que muitas pessoas tiveram experiências semelhantes às minhas.

Você foi vítima de violência sexual e, hoje, diz que a maconha te trouxe felicidade no sexo. Como foi essa mudança? Sou uma sobrevivente de múltiplos traumas sexuais: na infância, na adolescência e na faculdade. Não gosto de dar detalhes, mas fui abusada quando pequena e estuprada quando mais velha. Depois disso, fui diagnosticada com estresse pós-traumático. Comecei, então, a ter dor durante a penetração, não conseguia relaxar. Experimentei pomadas anestésicas indicadas pelo ginecologista, mas não funcionou para mim. Então, fui buscar alternativas por conta própria. Passei a usar um óleo sexual com THC para penetração, que me tirou o desconforto. A cannabis medicinal me permitiu gerenciar sintomas como dor e ansiedade.

Quais foram suas descobertas mais interessantes? Foi um processo que começou com o uso de óleos e bombas de banho [esferas efervescentes] de cannabis. A massagem com o óleo na vulva proporciona um relaxamento para a penetração. O banho também ajuda a relaxar o corpo todo. Isso me ajudou a não sentir mais dor durante o sexo. Conhecer meu namorado também foi fundamental, faz toda diferença estar com uma pessoa que me respeita, me dá autoconfiança e amor. No começo, quando eu tinha dor, ele parava na hora, e conversávamos muito, sempre. Então, é um conjunto de fatores. Mas, para quem sente dor quando transa, peço para que se trate com algum profissional da saúde, seja ginecologista ou psicólogo. Cannabis é uma ferramenta que ajuda no processo, não a solução para a dor no sexo, por exemplo. Também é importante dizer que não se trata de fumar e pular na cama e, sim, sentir como a maconha pode te ajudar, entender seus efeitos e escolher o melhor jeito de usá-la.

Como surgiu o CannaSexual? Comecei a dar palestras e oficinas relacionadas a sexo, primeiro para prevenção da violência sexual, em seguida, para a confiança corporal. Sempre abordei assuntos como autoconhecimento, masturbação, uso de lubrificantes, sex toys e dirty talk. Em 2014, passei a falar sobre minha experiência de maconha e sexo com mais prazer e surgiu o projeto. Nos workshops que dou para mulheres e homens, começo sempre com uma introdução à anatomia, baseada no prazer, e dou uma visão geral sobre comunicação na cama e consentimento. Depois, falo da cannabis, métodos de consumo e melhores práticas. Essas oficinas são presenciais, mas também dou o treinamento via Skype, em inglês, para casais ou individualmente.

Qual é a diferença entre o sexo com e sem cannabis? Varia de pessoa para pessoa, e também depende de como a maconha é consumida, o quanto, qual tipo. Em termos gerais, estudos têm sugerido que o uso de cannabis pode levar a maior excitação, possibilidade maior de orgasmo, aumento da lubrificação, redução de dor e de ansiedade. Na minha experiência, a cannabis aumenta as sensações que te levam ao orgasmo, te deixa mais conectada ao parceiro. É como se o caminho para o orgasmo se tornasse mais acessível.

Na sua opinião, além da cannabis, o que pode ajudar nessa busca pelo prazer, já que nem todo mundo curte fumar maconha ou pode não se interessar pelos produtos? A cannabis é apenas uma ferramenta em uma caixa enorme, que guarda muitas formas de prazer. Todas nós precisamos conhecer nossos próprios corpos, sermos capazes de dizer o que queremos e defendermos nossas necessidades, independentemente de consumir maconha ou usar os produtos. Masturbação, por exemplo, é crucial para saber como você sente prazer e poder falar isso para o seu parceiro. Brinquedos sexuais também são legais. Sempre uso vibrador para me masturbar. Tem quem goste de dildos, grampos nos mamilos, plugs anais… Encorajo as pessoas a explorarem, experimentarem e descobrirem o que tem mais a ver com elas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...