Home Colunas Portas da Percepção Metilona: que onda é essa?!

Metilona: que onda é essa?! [Portas da Percepção 422#]

Um dos grandes problemas no consumo de balas/ecstasy e MD no Brasil é a adulteração destas substâncias, que alcança índices acima de 50%. Em um festival que participei das ações de redução de danos pela Associação Psicodélica do Brasil (https://www.facebook.com/associacaopsicodelica/?fref=ts), observamos que 40% das amostras não continha MDxx, mas indicavam a presença de anfetamina e metilona/butilona. Em levantamento, realizado entre 2011 e 2012, a Superintendência da Polícia Técnico-Científica de São Paulo, em parceria com a Fapesp, demonstrou, por meio de cromatografia gasosa e espectrometria de massa (GC-MS), que apenas 44,7% dos comprimidos de ecstasy apreendidos continham MDMA (MORRIS, 2012; TOGNI e outros, 2014). Neste estudo, os maiores adulterantes foram a metanfetamina, em 22% das amostras de ecstasy, e a cafeína (TOGNI e outros, 2014).

por Fernando Beserra

O nome “metilona” já caiu na boca da galera e muitos estão cientes de que esta droga, conhecida como um bath salt nos EUA, é uma das drogas vendidas como MD ou ecstasy. Seu nome é 3,4-metilenodioximetacatinona e pertence à família das catinonas sintéticas e das fenetilaminas. O nome sais de banho (Bath salts) refere-se às catinonas (2-amino-1-phenyl propanon) sintéticas, isto é, substâncias inicialmente derivadas das folhas do estimulante africano e da península arábica conhecido como kaht (Catha edulis), mas, no caso das sintéticas, são produzidas em laboratório (PEARSON e outros, 2012). Trata-se de substâncias com o perfil estimulante; a catinona, inclusive, é bastante semelhante quimicamente às anfetaminas (IVERSEN, 2010) e possuí substâncias atualmente comercializadas como medicamentos, a exemplo do antidepressivo atípico bupropiona (Zyban; Bup; Wellbutrin). Dentre as catinonas sintéticas pode-se citar a metilona (bk-MDMA[1]), mas também a mefedrona e o MDPV, por exemplo. A metilona foi criada apenas em 1994 pelo famoso químico Alexander Shulgin, autor de Phikal e Thikal, livros clássicos da ciência psicodélica, em conjunto com o químico Peyton Jacob III (AZARIUS, s/d). De acordo com Boulanger-Gobeil e outros (2012) a metilona teria sido sintetizada em 1996; no entanto, ao que parece, a mesma foi patenteada neste ano, como antidepressivo e antiparkinsoniano.

A substância possuí propriedades estimulantes e acelera o organismo de forma geral. A metilona chegou a ser comercializada nas smartshops e outras lojas, em países como Holanda e Japão, com o nome de Explosão (explosion) até sua venda ser proibida em diversos países, inclusive no Brasil. Alexander Shulgin e Ann Shulgin (s/d), relataram que a metilona tem quase a mesma potência do MDMA e embora produza efeitos antidepressivos e positivos, de forma semelhante ao primeiro, não teria a sua magia. A substância aumenta a concentração de dopamina, de serotonina, bem como de norepinefrina em determinadas fendas sinápticas, por meio da inibição de transportadores da reabsorção destas monoaminas (BOULANGER-GOBEIL e outros, 2012).

Os efeitos da metilona iniciam após cerca de 20 a 30 minutos do uso, podendo demorar até 1 hora e 15 minutos para iniciarem; sua duração é de cerca de 2 a 3,5 horas e parte importante dos usuários consideram que a duração é um pouco menor que a do MDMA. Já de acordo com o site Azarius (s/d) o efeito chega a ser, ao menos, duas vezes mais curto do que o do MDMA. Entre seus efeitos, os usuários relatam:

Efeitos positivos Efeitos neutros Efeitos negativos
Aumento da autoestima Ausência de apetite Taquicardia
Prazer Estado de alerta Palpitações
Sentimentos de amor e empatia[2] Midríase Agitação
Aumento da apreciação da música Mudança na percepção do tempo Ansiedade
Maior disposição para se comunicar Convulsões
Amaciamento do ego Hipertermia e hiperpirexia
Desejo de abraçar e beijar Alucinações
Redução do medo Náusea e vômitos
Espasmos musculares
Arritmia

Fontes: Pearson e outros, 2012; EROWID, s/d. (nota: não foram inseridos todos os elementos descritos nas referências, mas escolhidos pelo autor do texto)

Com a adulteração de substâncias no mercado desregulado pelo proibicionismo, muitos usuários passaram a usar, inadvertidamente, a metilona ao invés do MDMA (na bala ou no MD). Em 2011, a American Association of Poison Control Centers reportou, nos EUA, 6.072 chamados para atendimentos relativos a sais de banho, comparados a apenas 303 em 2010. Além dos riscos principais da metilona envolveram, tais como os do MDMA, a hipertermia e a hiperpirexia maligna, que pode gerar a falência dos órgãos, outro risco continua sendo a hiponatremia, devido a retenção de líquidos/urina, o que leva a problemas se houver ingestão de líquidos rápida e excessiva (daí as ações de redução de danos que informam: beba água, mas aos poucos e sem excesso). Ao usuário que pretende utilizar o MDMA nas balas ou MDs uma alternativa rápida e presuntiva é o uso de reagentes colorimétricos como o Marquis, o Simon e o Chen que podem ajudar a identificar as catinonas ou, por outro lado, identificar a presença de MDMA.

Acerca das doses, embora com importantes variações individuais, o Erowid (s/d) estabelece o seguinte quadro:

Doses de metilona via oral
Limiar (dose psicoativa mínima) 60 – 120 mg
Leve 100 – 150 mg
Comum 100 – 250 mg
Forte 160 – 270 mg
Pesada + 250 mg

Fonte: Erowid

Sobre a metilona, dentre os maiores absurdos que já foram ditos, há o mito de que a substância provocaria canibalismo. Se tal mito fosse verdade, o carnaval brasileiro e as festas de música eletrônica, para início de conversa, seriam promotores de cenas dignas de filme terror. Não é o que acontece. Para quem quiser saber um pouco mais sobre este absurdo, pode assistir ao vídeo do Bruno Logan sobre o assunto (https://www.youtube.com/watch?v=ACKBu6_HQqc).

Referências:

AZARIUS. Metilona – enciclopedia. Disponível em: <https://azarius.es/encyclopedia/83/Metilona/>.

BOULANGER-GOBEIL, C.; ST-ONGE, M.; LALIBERTÉ, M.; AUGER, P. L. Seizures and hyponatremia related to ethcathinone and mathylone poisoning. Journal of Medical Toxicology. 2012 (8). p.59-61. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3550214/pdf/13181_2011_Article_159.pdf>.

EROWID. Metilone – Effects. 2005. Erowid. Disponível em: <https://erowid.org/chemicals/mdma/mdma_info9.shtml>.

IVERSEN, L. Consideration of the cathinones. Advisory Council on the Misuse of Drug, 2010. Disponível em: <https://erowid.org/chemicals/4_methylmethcathinone/4_methylmethcathinone_article1.pdf>.

LOGAN, B. Droga do canibalismo, cloud nine e outras balelas – #3. Vídeo. RD com Logan. 2016. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ACKBu6_HQqc>.

MORRIS, K. Ecstasy consumido em São Paulo não é ecstasy. Folha de São Paulo. 2012. Disponível em: <http://coletivodar.org/ecstasy-consumido-em-sao-paulo-nao-e-ecstasy/>.

PEARSON, J. M.; HARGRAVES, T. L.; HAIR, L. S.; MASSUCCI, C. J.; FRAZEE, C. C.; GARG, U.; PIETAK, B. R. Three fatal intoxications due to methylone. Journal of Analytical Toxicology, 2012, nº 36 (6), 15 mai. 2012. p. 444-451. Disponível em: <https://academic.oup.com/jat/article-lookup/doi/10.1093/jat/bks043>.

SHULGIN, A.; SHULGIN, A. # 110 MDMC / EDMA Em: PHIKAL: a chemical love story. s/d. Disponível em: <https://erowid.org/library/books_online/pihkal/pihkal110.shtml>.

TOGNI, L. R.; LANARO, R.; RESENDE, R. R.; COSTA, J. L. The variability of ecstasy tablets composition in Brazil. Journal of forensic sciences, v. 60, n. 1, p. 147-151, 2015.

[1] – O bk que antecede o MDMA, quando se fala sobre a metilona, se refere a presença do grupo β-keta. Desta forma, o acrônimo anfetamínico é antecedido pelo prefixo bk pare referir-se a presença do análogo catinônico. P.ex: bk-MDMA (metilona); bk-MBDB (butilona); bk-PMMA (metedrona) (IVERSEN, 2010).

[2] – Há controvérsias. Muitos usuários consideram que a metilona, diferente do MDMA, não é capaz de promover este efeito.

5 COMMENTS

  1. Alguém poderia me dizer que outro uso poderia ser “metilona”, mas não como um estimulante semelhante à MDMA. Saudações

  2. Na verdade, a droga diretamente associada de form errada a um caso de canibalismo nos EUA foi o alpha-PVP, que é a droga conhecida como Flakka (procure no Youtube, é punk). Ela também é vendida por lá como se fosse sal de banho, pra tentar driblar a fiscalização, daí a confusão.

  3. Excelente texto! Hempadão sempre nos proporcionando conhecimento de uma forma clara e direta, sejam nos vídeos no canal ou nos textos informativos no site. Parabéns galera! =)

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Must Read

Atriz de ‘Game of Thrones” mostra caneta de maconha em vídeo ao vivo

Sophie Turner fazia uma live de boa, arrumando o cabelo, quando percebeu que seu objeto paloso estava em cena! A atriz Sophie Turner, de 23...

A Origem: de onde vem a Cannabis?

Cientistas encontram os indícios mais longínquos do local que deve ser considerado a origem da planta da cannabis Sempre se desconfiou que a maconha tenha...

“Se der um bong ao urso”, um livro (quase) infantil para adultos!

 “If you give a bear a bong” é inspirado em tradicionais livros infantis, mas é feito para adultos  As coisas na gringa estão sempre mais...

Estados Unidos tentam conter comércio de brindes de maconha

Lei permite transferir mas não vender droga, que é negociada junto com itens superfaturados Trinta minutos depois de eu ter feito a compra pela internet,...

Alexandre Garcia analisa decisão do STF sobre Sementes e lei de Drogas

O que fazer quando nossos formadores de opinião não sabem bem o que estão opinando? Acredito até que o Alexandre Garcia esteja do nosso lado...