Home Mais Carta Capital Maconha pode ser protagonista de uma forma de vida menos predatória

Maconha pode ser protagonista de uma forma de vida menos predatória

O cânhamo, feito com as fibras da cannabis, é uma excelente matéria-prima para fabricação de tecidos, papel e pode substituir até o concreto

por João Henriques

O colapso ambiental deixou de ser um problema para o futuro. Esta geração e nossos filhos vão sentir, nas próximas décadas, as consequências de um modelo de desenvolvimento predatório. A adoção de um modo de vida menos consumista e baseado em novas fontes de energia é urgente e demanda um pacto global. Os maconheiros também precisam colaborar.

Maconha não serve apenas para fazer baseados ou remédios. O cânhamo, feito a partir das fibras da cannabis, não possui efeito psicoativo, mas é uma excelente matéria-prima para fabricação de tecidos, papel e pode substituir até concreto na construção civil.

Na indústria têxtil, o cânhamo pode ser uma boa alternativa para domínio do algodão neste setor. Do ponto de vista ambiental, esta pode ser uma das mudanças mais importantes, já que a transformação do algodão em roupa ocorre com um impacto bem pesado para a natureza. 

Trata-se do cultivo que mais demanda uso de agrotóxicos. Cerca de 24% de todos os inseticidas e 11% de todo os pesticidas são utilizados no cultivo do algodão. Na fabricação de uma simples camiseta são consumidos mais de 2.700 litros de água.

O cultivo de maconha para utilização industrial pode ser feito de forma mais sustentável, sem toda esta carga de agrotóxicos e com menor consumo de água. Além disso, o cânhamo é até 5 vezes mais resistente que o algodão. Com ele, ganhamos roupas mais resistentes e duráveis. Menos lixo para castigar o meio ambiente.

Um novo papel

Não se engane com verde de uma grande plantação de eucalipto na margem de uma rodovia. É o “deserto verde” de uma planta que não é nativa do Brasil, que castiga a biodiversidade e a fauna local.

Mais uma vez a maconha surge como alternativa sustentável. O cultivo de cânhamo pode render quatro vezes mais papel que o eucalipto, utilizado o mesmo espaço e sem causar tanto prejuízo à vida silvestre.

Por tudo isso, não causa surpresa o envolvimento da indústria do papel e do algodão (em parceria com o setor farmacêutico) no apoio às propostas de criminalização da cannabis que ganharam força no início do século 20. A maconha era um concorrente que ameaçava o domínio destes grupos empresariais, o que justifica o investimento pesado para colocar esta poderosa planta na ilegalidade.

Maconheiro com consciência ecológica

A proibição levou o cultivo de maconha para dentro de estufas e ambientes fechados. Para imitar a luz do sol é comum a utilização de lâmpadas HPS. Para aliviar o calor do ambiente fechado e com lâmpadas poderosas acesas na maior parte do dia, principalmente no verão brasileiro, é recomendado a utilização de ar-condicionado ligado 24 horas.

*** publicado originalmente na Carta Capital

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Até tu, Dudu? Filho de Bolsonaro apoia liberação do Canabidiol

Candidato a embaixada brasileira em Washington, Eduardo Bolsonaro defende importação livre de medicamentos produzidos nos EUA por Cadu Oliveira / Ilustração Felipe Navarro* Agora que a...

O Assunto #16: Maconha medicinal – quem é beneficiado e quem pode cultivar no Brasil?

Renata Lo Prete conversa com André Resende, do G1 Paraíba, que visitou a única associação do Brasil que tem autorização para cultivar a planta....

Realidade Canábica

Na verdade, são algumas realidades. E, conforme o tempo passa, o uso da popular maconha vem sendo desmistificado, mesmo que lentamente. Mas ainda assim,...

Doença ligada a cigarros eletrônicos já matou seis pessoas nos EUA

O primeiro relato da doença misteriosa surgiu em abril, no Estado de Illinois; logo, médicos de todo o país começaram a descrever pacientes com...

I Seminário de Fortaleza sobre uso terapêutico da cannabis ocorre na próxima terça-feira, 17

Desde 2015 o número de pacientes cadastrados para a importação do canabidiol triplicou no Brasil. O I Seminário de Fortaleza sobre uso terapêutico e legislação...