Home Cultura Literatura Lançamento da biografia “Eu sou assim Eu sou Speed” no Rio e...

Lançamento da biografia “Eu sou assim Eu sou Speed” no Rio e Niterói

Ex-integrante do Planet Hemp e parceiro de Black Alien no rap, Speed é homenageado em livro. O lançamento oficial acontecerá nos dias 8 (Tijuca), 10 (Niterói) e 15 de agosto (São Paulo).

“Rapper, produtor e videomaker”. Era assim que Speed se autodenominava. Durante toda a sua carreira, Claudio Marcio de Souza Santos foi autodidata e um verdadeiro artista independente, produzindo as suas próprias músicas, álbuns e videoclipes. Quase 10 anos após a sua morte, o músico ganha uma biografia: “Eu sou assim Eu sou Speed” (Ilustre Editora, 160 páginas, FR$ 40), de Pedro de Luna e Rafael Porto.

Nascido em 1972 na cidade de Niterói (RJ), onde tocou com as suas primeiras bandas, Claudio começou a fazer da música sua profissão, a partir da banda Speed Freaks – ao lado dos parceiros DJ Rodrigues e Black Alien, considerados precursores da “nova escola” do rap nacional. Com o fim do grupo, tomou para si o pseudônimo “Speed” ou “Speedfreaks” tudo junto.

Nos anos 1990, Speed fez parte da crew do Planet Hemp e estava na gig das melhores bandas da sua geração. Participou de shows, jam sessions e gravações com os amigos do Rumbora, Chico Science & Nação Zumbi, Charlie Brown Jr., Raimundos e tantos outros. Também gravou e/ou cantou com Marcelo D2, BNegão, Max. B.O., Rodrigo Brandão, Rappin’ Hood, Lurdez da Luz, Tigrão, Paulo Napoli, Marechal, Otto, Jacksom, De Leve, Gilber T, Daniel Bozzio e Alexandre Basa, só para citar alguns nomes nesta extensa lista de amigos que a música lhe apresentou. No primeiro disco do Planet Hemp, “Usuário”, há inclusive uma música em sua homenagem, a instrumental “Speed Funk”.

Em 1999, Speed mudou-se para São Paulo, onde morou por muitos anos e consolidou a sua carreira de MC e produtor. Neste período, lançou o CD “Expresso”, considerado pela crítica especializada como “o melhor álbum de rap dos últimos os tempos”. O MC também fez grande sucesso no exterior com a versão do FatBoy Slim para a música “Quem que Caguetou?”, parceria sua com Tejo e Black Alien. Speed morou quase 10 anos na capital paulistana, retornando para Niterói apenas em 2008.

Como marca registrada, seus raps abordam temas diversos da natureza humana, sem perder o teor crítico e o senso de humor. Speed dizia que não tinha “patrão nem capataz”, vivia o chamado “estilo livre”. Em 2010 o músico foi assassinado a tiros numa comunidade em Niterói, e deixou como legado seis álbuns, dois EPs, três demos e dezenas de videoclipes, além de parcerias, coletâneas e projetos inacabados.

Após uma extensa pesquisa, o livro ficou pronto e agradou bastante aos autores pela riqueza de detalhes e a imensa quantidade de imagens, quase todas inéditas. A publicação foi viabilizada através de uma campanha de financiamento coletivo na plataforma Catarse e, além do livro, incluiu também uma camiseta. Quase 10 anos após a sua morte, a biografia “Eu sou assim Eu sou Speed” imortaliza a importante produção desse grande artista que, entre tantos talentos, tocava “baixo pra caralho!”.

SOBRE OS AUTORES – Este é o primeiro livro de Rafael Porto, que guarda todo o acervo do Speed, inclusive o seu último HD de trabalho, e preserva o legado do artista no site speedvive.com e nas redes sociais. Mais experiente, Pedro de Luna escreveu a biografia “Planet Hemp: mantenha o respeito” e outros oito livros. Os dois autores se conheceram quando Luna preparava o livro “Brodagens – Gilber T e as histórias do rap e do rock carioca”, lançado em 2016 pela Ilustre Editora.

LANÇAMENTOS – A biografia “Eu sou assim Eu sou Speed” será lançada dia 8 na Smoke Lounge (Tijuca), dia 10 em Niterói e dia 15 em São Paulo. Mais adiante estão previstos eventos em Belo Horizonte e São Gonçalo.

> No evento carioca, além da presença dos autores e venda do livro, haverá show com as bandas Gas Dance e Os Vulcânicos. A primeira ataca de batidas sessentistas e guitarras envoltas em fuzz e delay com cinco integrantes nas apresentações ao vivo. Na ativa desde 2010, o quarteto Os Vulcânicos já lançou dois EPs e misturam tambores selvagens com guitarras iradas. A entrada para o evento custa R$ 15 e o livro estará à venda por R$ 40, em dinheiro ou no cartão.

> No evento de Niterói, além da presença dos autores e venda do livro, haverá apresentação de DJs e MCs. A abertura ficará a cargo de Victor Bhing seguida pelo show da Hostil Gang, liderada por Tigrão “Big Tiger”. Os dois rappers eram muito amigos de Speed e produziram juntos quando ele voltou de São Paulo em 2008. A entrada para o evento custa R$ 10 ou R$ 40 já com o livro incluso, em dinheiro ou no cartão.

Serviço:

Lançamento da biografia “Eu sou assim Eu sou Speed” (Ilustre Editora, 160 páginas, R$ 40) de Pedro de Luna e Rafael Porto no RIO DE JANEIRO.

Show com as bandas Gas Dance e Os Vulcânicos.

Data: Quinta, 8 de agosto, às 20h.

Local: Smoke Lounge – Rua Ibituruna 8, Maracanã. Telefone: (21) 3197-1975.

Entrada: R$ 15.

Censura: 18 anos.

Lançamento da biografia “Eu sou assim Eu sou Speed” (Ilustre Editora, 160 páginas, R$ 40) de Pedro de Luna e Rafael Porto em NITERÓI.

Show de abertura com Victor Bhing e, na sequência, apresentação da Hostil Gang (Tigrão Big Tiger, Ami$h, Lil Ric, Cauê MC, Shess, Pedro Viola, Gustavo Hache).

Nos intervalos discotecagem com os DJs Vini Porto, Biduzen e Luan Leal.

Data: Sábado 10 de agosto, às 20h.

Local: Espaço Moinho – Travessa Ari Pinto Lima, 49 – Fonseca Niterói (Alameda São Boaventura – ponto de ônibus Estação N. S. Mercês). Telefone: (21) 99537-7197. www.facebook.com/pg/espacomoinhorj

Ingressos: R$ 10 (sem livro) R$ 40 (com livro).

Censura: 18 anos.

https://www.facebook.com/events/2371284166447662/

1 COMMENT

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...