Home Clipadao Justificando: O STF descriminalizar apenas 6 pés de maconha só ajuda a...

Justificando: O STF descriminalizar apenas 6 pés de maconha só ajuda a playboyzada

Fonte: Justificando

Muito tem se discutido sobre o Recurso Extraordinário (RE), que voltará ao Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 5 de junho deste ano, que versa sobre a descriminalização do uso de drogas. Apesar de muita discussão bem-intencionada sobre a importância da descriminalização para o sistema penitenciário, para a vida dos policiais que são colocados como bucha de canhão à frente de uma guerra inútil e para um tratamento adequado das pessoas que fazem uso crônico de drogas, pouca ou quase nenhuma discussão eu tenho visto sobre a necessidade de colocar na mesa a maturidade dos que serão beneficiados com essa possível (e desejável) descriminalização.

Não falo aqui da maturidade para saber os benefícios ou prejuízos da droga e, diante de dados objetivos e claros, tomar as decisões com responsabilidade sobre que droga usar, quanto usar, quando usar e como usar. Essa responsabilidade é importante, mas não é disso que eu quero falar. O que me interessa é saber se os usuários que serão beneficiados têm maturidade suficiente para assumir em suas casas o uso da droga ou se, imaturos, permanecerão “pagando” de bons moços e boas moças em casa e continuarão fazendo uso da miséria negra comprando o baseado nas quebradas dos adolescentes, pela própria postura nada contramajoritária do STF, parece que não serão protegidos pela tão esperada decisão colegiada.

Não sei se vocês entenderam o problema. Mas vou explicar de outra forma.

O Gilmar Mendes foi o único ministro a votar pela descriminalização do “uso” de qualquer droga. Ocorre que no curso dos votos, passando pelo Barroso e pelo Facchin, o objeto tomou um novo rumo na medida em que os ministros passaram a falar da descriminalização do uso apenas da maconha e com quantidades determinadas (sugestões de 20 gramas ou 6 pés da planta fêmea).

O primeiro problema é que foi deixado de lado um controle de constitucionalidade de lei (artigo 28 da Lei de Drogas) para que um controle de constitucionalidade de ato normativo assumisse a cena. Os ministros nem se deram conta que a discussão deixou o artigo 28 (norma penal em branco) para iniciar uma nova discussão sobre o ato normativo do Ministério da Saúde que regulamenta essa norma penal em branco, ou seja, a Portaria SVS/MS nº 344/1998. A criminalização do uso da maconha não decorre do artigo 28 da Lei de Drogas, mas de uma portaria da ANVISA que diz ser o THC uma substância proibida.

No entanto, o ponto central para a reflexão que quero fazer aqui é que ao caminhar no sentido de fixar limites para o uso (20 gramas ou 6 pés), os ministros do STF parecem não se dar conta de que esse tipo de limitação quantitativa joga no ralo todos os belíssimos argumentos sobre o sistema penitenciário, o racismo, a pobreza etc. etc. etc. Isso pelo fato de que a descriminalização do uso da maconha e em quantidades determinadas não vai reduzir em nada o encarceramento de quem sempre foi encarcerado por causa da política nacional de drogas, ou seja, negros e negras empobrecidos.

A descriminalização do uso da maconha e em quantidades determinadas sem um trabalho sério, não de conscientização, mas de assunção de responsabilidades e amadurecimento dos usuários ricos e brancos vai servir apenas para limpar a barra de quem sempre teve a barra limpa ou de quem sempre teve condições de pagar a propina solicitada para o não encaminhamento à Delegacia de Polícia ou para a não lavratura do Boletim de Ocorrência.

Descriminalizar o uso de maconha e limitar a 20 gramas ou 6 pés não vai resolver de nada se for feito de qualquer jeito, pois a playboyzada branca e rica vai continuar fumando maconha na Universidade, na rua do bairro onde a polícia só revista jovens pardos e negros e fazendo aventura em biqueira, comprando o baseado do moleque negro e pobre que, nessa política elitista do STF, vai seguir pagando a conta das festas mais que divertidas daqueles que não têm e dificilmente terão coragem de “legalizar o baseado em casa”, com o papai e com a mamãe.

A descriminalização do uso só vai surtir algum efeito social realmente democrático e republicano se 1- os usuários brancos e ricos tiverem maturidade para assumir a responsabilidade do uso e plantar em casa e não tiver nenhum limite quantitativo ou 2- se vier acompanhada da regulamentação da venda. O STF precisa colocar isso na mesa. Os críticos da atual política fracassada de drogas precisamos colocar isso na mesa. Se não fizermos isso, estaremos sendo cúmplices do sangue negro e empobrecido derramado com essa guerra inútil.

Pedro Pulzatto Peruzzo é professor pesquisador da Faculdade de Direito da PUC-Campinas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos Posts

Nate Diaz fuma maconha em treino aberto do UFC nos EUA

Atração no UFC 241, californiano ainda ofereceu cigarro a fãs O longo tempo de ausência no Ultimate Fighting Championship não mudou a velha ousadia de Nate Diaz. Um...

Governo não pode deturpar o que estamos fazendo, diz presidente da Anvisa sobre maconha medicinal

A proposta da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de regulamentar o cultivo da cannabis para pesquisa e produção de medicamentos colocou o órgão...

Com drogas e perrengues, festivais brasileiros tentaram recriar Woodstock

A expectativa era de 50 mil pessoas, mas só um décimo desse público chegou. O que ficou de lembrança foram os pulos de Tony...

Osmar Terra cita informações falsas ao discutir legalização da maconha

O ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB), tem usado informações e dados falsos ao falar sobre a possível legalização do plantio de maconha para...

Consultas públicas sobre cannabis medicinal terminam no dia 19

Terminam na próxima segunda-feira, 19 de agosto, as consultas públicas 655 e  654, da Anvisa, sobre a regulamentação do cultivo da maconha para fins medicinais e científicos no...