Home Medicinal Justiça determina e Minas terá que fornecer remédio baseado em maconha para...

Justiça determina e Minas terá que fornecer remédio baseado em maconha para paciente

Juiz da Comarca de Caratinga determina o fornecimento de 10g de canabidiol a adolescente para sanar esclerose tuberosa. Medicamento custa R$ 3 mil

O governo de Minas Gerais e a prefeitura de Caratinga devem, fornecer, mensalmente, a um adolescente diagnosticado com esclerose tuberosa, três tubos de 10 gramas do medicamento de uso contínuo canabidiol, o princípio ativo da maconha.

Fonte: EM

A decisão é do juiz da 2ª Vara Criminal e da Infância e da Juventude da Comarca de Caratinga, Marco Antônio de Oliveira Roberto. A esclerose tuberosa é uma doença genética caracterizada pelo crescimento anormal de tumores benignos em diversos órgãos do corpo.

Ao acolher o pedido, o juiz considerou que não há outros medicamentos alternativos para tratamento do menor, uma vez que já foram testados os fármacos indicados para tratamento da doença. Considerou ainda a vulnerabilidade social do núcleo familiar e a prioridade conferida pela Constituição Federal à criança e ao adolescente no atendimento às demandas de saúde.

Intimada, a prefeitura de Caratinga não apresentou contestação. Já o governo de Minas de requereu a improcedência da ação. O Executivo estadual sustentou que o medicamento não compõe a lista daqueles fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), existindo alternativas terapêuticas para o tratamento da enfermidade.

A mãe do adolescente, por sua vez, apresentou comprovação de insuficiência financeira para arcar com a compra do medicamento. Ela tem vencimentos de R$ 2,6 mil e o remédio custa cerca de R$ 3 mil.

Ela também afirmou que não há medicamento alternativo para o tratamento eficaz da doença. Pediu, ainda, restituição dos valores gastos com medicamentos adquiridos após o ajuizamento da ação.

Segundo a Justiça, o adolescente já usou quatro medicamentos diferentes, mas nenhum apresentou resultado satisfatório. O canabidiol, conforme o judiciário, reduz as convulsões semanais do paciente de três para apenas uma.

O adolescente também teve melhora do seu quadro neurológico, que antes apontava para uma idade mental de três anos e meio e hoje aponta para cinco anos. O magistrado também ressaltou que mais de 20 crianças e outros três adolescentes, diagnosticados com a mesma doença, obtiveram resultados satisfatórios com o medicamento.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...