Home Lugares Portugal Juíza autoriza o cânhamo como alternativa à maconha

Juíza autoriza o cânhamo como alternativa à maconha

Conseguir autorização para plantar maconha com fins medicinais é uma batalha difícil para se travar na Justiça brasileira –mesmo que o paciente tenha prescrição médica. A juíza federal Maria Izabel do Prado, da 5ª Vara Criminal de São Paulo, apontou um novo caminho: o cânhamo industrial como alternativa ao plantio da maconha.

por Valéria França
na Folha

Ela se refere a Cannabis ruderalis, popularmente chamada de cânhamo, uma espécie da Ásia Central, rica em CBD e com concentração tão baixa de THC, que não tem efeito psicotrópico – em outras palavras, não dá “barato”. A planta é usada pela indústria têxtil para desenvolver tecidos resistentes. As marcas All Star, Adidas e Nike, por exemplo, já produziram tênis de cânhamo. Em Portugal, esse ano, a startup DopeKicks, também usou o mesmo material para produzir um tênis vegano e sustentável.

 

No salvo-conduto, a juíza escreveu que o plantio da Cannabis sativa é uma espécie rica em THC (tetrahidrocanabidiol), substância psicoativa para fins “entorpecentes”. Ela entende haver “indícios de que a defesa do cultivo da maconha com fins terapêuticos revela-se artifício para promover o uso indiscriminado da planta para fins de entorpecimento, eis que não haveria como fiscalizar…”

O óleo de CBD é indicado pelos médicos para tratar inúmeras doenças como epilepsia, fibromialgia– que provoca dores fortes pelo corpo– e até cólicas. De 2015 a 2018, foram importados 78.000 produtos, segundo a Anvisa.

A compra é realizada pelo paciente, depois de apresentar a prescrição médica e conseguir aprovação da agência reguladora. No fim de toda a burocracia, ele ainda precisa esperar o tempo da importação. O primeiro remédio aprovado no Brasil, o Mevatyl chega a custar nas farmácias R$ 2.000, em média. “O custo elevado faz as famílias entrarem com pedido de cultivo na Justiça”, explica Cidinha Carvalho, da Cultive, associação paulista de pacientes. “Se óleo fosse produzido aqui sairia por R$ 200.”

Cidinha está entre os 17 brasileiros que conseguiram autorização de plantio. Presidente da Cultive, associação de pacientes, a filha sofre de Síndrome de Dravet, uma espécie de epilepsia refratária, acompanhada de deficit cognitivo e motor, além de hipotonia muscular. “Eu tenho um eterno bebê, que vai precisar de medicamento a vida toda. Eu não teria condições financeiras de dar uma vida melhor para ela.”

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...