Home Notícias Policial ‘Guerra às drogas’ de Witzel tem ‘altos níveis de violência’ e ‘violações...

‘Guerra às drogas’ de Witzel tem ‘altos níveis de violência’ e ‘violações de direitos humanos’, diz Anistia

O relatório da Anistia Internacional divulgado nesta quinta-feira (27) critica a política de segurança de Wilson Witzel.

Fonte: G1

O levantamento, realizado todos os anos, mapeia como estão os direitos humanos em 24 países das Américas.

No caso do Brasil, a Anistia afirma que o presidente Jair Bolsonaro e outras autoridades mantiveram um discurso abertamente contrário aos direitos humanos e que isso foi traduzido em medidas administrativas e legislativas.

Crítica a Witzel

No capítulo específico do Brasil, o documento critica o que chama de “guerra às drogas” no RJ.

“Wilson Witzel fez declarações e realizou ações relacionadas à chamada ‘guerra às drogas’, que continuaram sendo usadas como pretexto para realizar intervenções policiais militarizadas caracterizadas por altos níveis de violência policial, crimes de direito internacional e violações de direitos humanos”, descreve.

“Nesse contexto, aumentaram os homicídios de suspeitos de crimes, principalmente aqueles que, segundo as autoridades de segurança, estavam envolvidos no tráfico de drogas”, destaca.

A entidade traz as estatísticas de “autos de resistência” e aponta, “segundo dados oficiais”, que a polícia matou 16% mais gente na comparação do primeiro semestre de 2018 com o de 2019.

Marielle

O documento cita ainda a investigação da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

“A ONU e a Comissão Interamericana de Direitos Humanos reconheceram, em nota, o trabalho realizado por investigadores policiais e pela Promotoria para descobrir a verdade e o progresso alcançado no caso”, diz a Anistia.

“No entanto, eles enfatizaram que era necessário fazer mais para estabelecer o motivo do ataque e descobrir as pessoas por trás dele — e instaram as autoridades a concluir a investigação o mais rápido possível”, pontua.

O que diz o governo

Em nota, o governo do RJ rebateu o relatório da Anistia.

“Há no Rio de Janeiro décadas de descaso com a segurança pública”, afirmou o governo.

“Hoje, grupos milicianos e quadrilhas de narcotraficantes ainda dominam várias comunidades, impondo suas próprias regras sem nenhuma base legal. É preciso levar o Estado a essas comunidades, retirar esses grupos de criminosos do poder. E foi esse o diagnóstico desse o início do governo”, emendou.

“Só no primeiro ano de gestão, o número de vítimas fatais da violência caiu em quase mil pessoas. Isso é preservar os direitos humanos”, destacou.

“Todos outros indicadores também foram reduzidos. Ficar passivo frente aos massacres de anos anteriores seria o caminho da omissão. A alternativa proposta pela Anistia Internacional agravou historicamente o problema e criou mais vítimas”, rebateu.

A nota afirma ainda que, no Caso Marielle, “os executores foram presos no governo Wilson Witzel, e as investigações sobre a motivação e os possíveis mandantes continuam”.

Wilson Witzel — Foto: Carlos Brito/G1 Rio
Wilson Witzel — Foto: Carlos Brito/G1 Rio

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...