Home Colunas Chapa2 Felicidade é mato!

Felicidade é mato!

A complexidade que a atual situação mundial aparenta, de guerras, injustiças, controles políticos e religiosos, etc., se dá em função dos milhares de anos em que a humanidade tem preferido o imperialismo, o fascismo, o controle absoluto ao invés de uma convivência de fato pacífica, harmônica e atualmente utópica.

Às vezes, mas só as vezes, as coisas parecem funcionar de forma surreal. Quando digo as coisas, leia-se a exótica, frenética e inigualável sociedade da qual somos habitantes. Imaginem só, a maconha é um dos grandes inimigos do Estado brasileiro ainda hoje, em pleno 2019. Em que mundo perfeito isso seria aceitável? Eu diria nenhum.

por S. M. Hermes

Nessa mesma época (século XXI) porém, nos contos de Isaac Asimov escritos no começo do século passado, a humanidade parecia muito mais perto do seu alvorecer do que agora. O problema dessa utopia não ter se tornado realidade são os interesses do sistema na exploração da mão de obra humana, assim postergando seu funcionamento. Enfim, nenhuma novidade (chorrisos).

Da mesma forma funciona a manutenção da proibição da Cannabis no Brasil, que carrega o esteriótipo de ser a droga de entrada para substâncias mais pesadas — comassim?! Bom, tendo seis milhões de anos de idade, conforme estudo na Vegetation History and Archaeobotany, creio que nossa gloriosa planta esteja acostumada até com os mais caóticos cenários como, por exemplo, o atual.

Devaneio aletatório

Ter nascido e sido criado na selva de pedra, para futuramente romper com a sociedade saindo em busca da natureza selvagem? Ou ter passado os primeros anos de vida em contato direto com fauna e flora quase intocadas pela humanidade, para depois tentar a sorte adentrando o bioma de uma cidade? Ambos grandes desafios no quesito adaptação.

Em Um Pouco de Ar, Por Favor! (1939), do George Orwell, o narrador da história viveu sua infância em uma zona rural no arredores de Londres, durante a Segunda Revolução Industrial. Quase trinta anos depois, ao retornar a sua cidade natal, ele é pego de surpresa pelos os impactos do “progresso”, que simplesmente acabou engolindo tudo: cidade e arredores.

Fonte: AQUI

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias

Fitofármaco derivado da maconha pode ter diversas aplicações terapêuticas. Produto foi criado em parceria com uma indústria farmacêutica do Paraná O primeiro extrato de canabidiol...

Quarentena canábica

Todas as fragilidades da nossa sociedade vem à tona em momentos como o atual, em que vivemos em meio a uma pandemia de coronavírus....

Maconha em tempos de pandemia é o tema da live da Folha nesta quarta

Nesta quarta-feira (29), o Ao Vivo em Casa, série de lives da Folha, fala sobre a indústria da maconha em tempos de Covid-19 e...

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...