Home Colunas Portas da Percepção Diferenças entre NBOMe e LSD!

Diferenças entre NBOMe e LSD! [Portas da Percepção Ed. #277]

por Jean Lefebvre

Ultimamente as discussões sobre as diferenças do LSD e do NBOMe tem sido um tema frequente por aí, muitas das pessoas ainda não tem em mente que "doces" são adulterados, grande parte toma acreditando que seja LSD, quando na verdade se trata de uma lista de substâncias muito mais perigosas, então nada melhor do que falar logo sobre e conscientizar mais pessoas, quem sabe salvar uma vida?

 

De 2012 pra cá, houve uma explosão na comercialização do NBOMe ao redor do mundo, o NBOMe ficou conhecido e logo ganhou lugar no mercado das drogas pela fácil sintetização (comparada ao LSD), custo de produção e facilidade em manusear e transportar a molécula. Os NBOMes substituíram os DOx e o LSD e seus análogos no mercado. Deve-se lembrar também, que nem todo blotter sem gosto é LSD! LSZ e AL-LAD também são 2 substâncias que não amargam e até 2012 eram bem mais comuns do que LSD de se encontrar, e também, que nem todo blotter amargo é NBOMe..

Pode se tratar também de DOB, DOM , DOC (Anfetaminas psicodélicas) ou até Bromo-DragonFLY (este ultimo é raríssimo), sendo os DOx bem comuns de se encontrar até 2012, também! (os DOx são uma discussão interessante pra mais tarde, agora, de volta ao assunto principal)!

O LSD e os NBOMes tem efeitos bastante parecidos, e agem praticamente nas mesmas áreas do cérebro, tornando assim impossível para usuários não frequentes e sem informação de saberem o que estão tomando.

Para os usuários experientes, uma das primeiras e mais evidentes diferenças é facilmente perceptível, desde o momento em que se põe o papel na língua. O LSD não tem gosto, ou um leve gosto de tinta que passa rapidamente apos o contato com a saliva, como se fosse simples pedaço de papel, logo, os NBOMe (3, que listarei logo abaixo), tem um gosto extremamente amargo, que dura vários minutos, causa uma dormência nos lábios, dentes e língua, uma sensação parecida ao formigamento. A diferença é facilmente notada também quando os efeitos aparecem. A duração dos NBOMes é bem maior, geralmente é impossível para o usuário dormir, mesmo após a trip. O Bodyload também é muito mais intenso. (Bodyload são aquelas dores no corpo, aquele desconforto nos músculos que torna impossível que você fique parado e rezando por uma massagem).

Em termos de saúde, o LSD é praticamente inofensivo, não existindo nem uma morte na história relacionado diretamente ao seu uso. (não existe relato de overdose, ou de um ataque do coração devido ao consumo de LSD, por exemplo). Por outro lado, existem diversos relatos de indivíduos que surtaram ou que se suicidaram, porém, isto só acontece em pessoas que tem predisposição à esquizofrenia, síndrome do pânico, depressão e etc. Logo, os NBOMes tem uma longa lista de mortes, se for levado em conta o tempo em que a substância é comercializada ao redor do mundo. Não se tem quantidade segura para o uso de NBOMes e o uso a longo prazo é altamente perigoso, os efeitos a longo prazo dos NBOMes não são conhecidos pois são químicos de pesquisa, nem mesmo todos seus efeitos colaterais são conhecidos.

Os NBOMes que encontramos nos blotters hoje em dia são o 25c-NBOMe, 25i-NBOMe e o 25b-NBOMe, todos derivados respectivamente do 2c-c, 2c-i e 2c-b. Na verdade é como se fosse doses desses 2c-x comprimidas, para que possam caber em blotters. Cada um deles tem duração e efeitos distintos, porém, se parecem como um todo. A dose ativa dos NBOMes em geral é em média de 1000µg, mas a quantidade encontrada nos blotters varia de 800 à 2000 microgramas. Jó o LSD, tem doses que variam de 50 à 250 µg.

Então concluindo … os NBOMes são nocivos à saúde, porém se usados moderadamente, sem abuso, podem render experiências interessantes também, como muito dos usuários relatam. O segredo está em conhecer o seu corpo e saber exatamente qual substância contém no seu blotter para que tudo possa ocorrer da melhor maneira! A mesma coisa acontece com o LSD, não é só porque é uma substância inofensiva que deve ser abusada, pois é claro, também tem os seus efeitos colaterais malignos. Então o segredo mesmo, não é se abster de todas as substâncias, mas sim fazer um uso consciente de todas!

1 COMMENT

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

De saúde ao mundo dos negócios, a maconha é uma fábrica de notícias

Falamos da cannabis abordando diferentes aspectos: saúde, economia, segurança pública, cultura, história, esportes… por João Henriques / Ilustração: Felipe Navarro Antes de começar a leitura deste...

Nelson Motta revela que fuma maconha todos os dias há 55 anos

Jornalista, que está com 74 anos, falou com naturalidade sobre seu hábito diário de consumir cannabis e ainda atestou: "Tenho uma memória incrível" Sem tabus...

Governo age para brecar liberação da maconha medicinal

Projeto de Lei que regulamenta venda de remédios e uso está parado na Câmara, enquanto Anvisa adiou votação de regulamentação do plantio revista para esta...

Pesquisadora defende regulamentação da Cannabis Medicinal: ‘Temos de saber o que o paciente está tomando’

Akemi alerta para o risco do uso do medicamento sem orientação Na próxima terça-feira, quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) julgar se regulamenta...

Pedidos para maconha medicinal triplicam nos tribunais mineiros

O uso da maconha medicinal no tratamento de epilepsias, esclerose múltipla, dor neuropática e paralisia cerebral tem ganhado cada vez  mais força em Minas....