Home Colunas Clipadão Defensores da maconha medicinal fazem panfletagem na Pampulha

Defensores da maconha medicinal fazem panfletagem na Pampulha

Fonte: O Tempo

O Grupo Repense fez panfletagem na Pampulha, na manhã deste domingo (28). O objetivo é chamar a atenção da sociedade e poder público para a necessidade de regulamentação do uso da maconha, para fins medicinais, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

A concentração acontece próximo da Igreja de São Francisco de Assis, na orla da lagoa. Os folhetos trazem informações sobre as aplicações da Cannabis sativa.

Fazem parte do manifesto familiares e pessoas que precisam com urgência da substância. Em alguns casos, o tratamento convencional já foi abandonado, frente a eficácia do extrato da maconha.  Outros têm até autorização para importar o remédio, porém o processo custa caro, além de ser demorado.

Propriedades e aplicações

A Cannabis sativa, planta usada para produzir a maconha, tem propriedades medicinais reconhecidas em farmacopeias há mais de 2 mil anos. Centenas de novos estudos produzidos a partir dos anos 60 ajudaram a entender o mecanismo de ação dessa terapia e a comprovar sua eficácia no caso de algumas enfermidades.

A planta possui cerca de 70 compostos chamados de canabinoides, sendo que o THC (tetrahidrocanabinol) e o CBD (canabidiol) são os mais estudados, responsáveis pela maioria de suas propriedades terapêuticas.

Atualmente, países como Canadá, Israel e Holanda possuem programas federais para fornecer maconha medicinal para os pacientes. Em dezenas de outros países, também se comercializam extratos naturais de Cannabis, ricos em THC e/ou CBD, com finalidades terapêuticas.

Estes programas e produtos atendem, principalmente, pacientes de esclerose múltipla, dores crônicas e de câncer que fazem quimioterapia – o THC é um dos tratamentos para náusea e vômito recomendados pelo National Comprehensive Cancer Network, principal rede de centros de pesquisa em oncologia dos Estados Unidos.

Em 2013, o canabidiol passou a ser usado em diversos países para o controle de convulsões em pessoas com epilepsia refratária, depois do relato de diversos casos de sucesso nos EUA. No Brasil, esta aplicação tornou-se popular em março de 2014, com a divulgação do caso de Anny Fischer, criança portadora da síndrome CDKL5 que tornou-se a primeira brasileira com autorização judicial para usar um produto de maconha no país.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias

Fitofármaco derivado da maconha pode ter diversas aplicações terapêuticas. Produto foi criado em parceria com uma indústria farmacêutica do Paraná O primeiro extrato de canabidiol...

Quarentena canábica

Todas as fragilidades da nossa sociedade vem à tona em momentos como o atual, em que vivemos em meio a uma pandemia de coronavírus....

Maconha em tempos de pandemia é o tema da live da Folha nesta quarta

Nesta quarta-feira (29), o Ao Vivo em Casa, série de lives da Folha, fala sobre a indústria da maconha em tempos de Covid-19 e...

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...