Home Ativismo Consultas públicas sobre cannabis medicinal terminam no dia 19

Consultas públicas sobre cannabis medicinal terminam no dia 19

Terminam na próxima segunda-feira, 19 de agosto, as consultas públicas 655 e  654, da Anvisa, sobre a regulamentação do cultivo da maconha para fins medicinais e científicos no Brasil. Trata-se de um mercado com potencial para alcançar quase US$ 5 bilhões no país, o equivalente a 6,3% do total do faturamento da indústria farmacêutica brasileira, de acordo com levantamento da New Frontier Data em parceria com a startup brasileira The Green Hub.

A estimativa mundial é movimentar US$ 32 bilhões até 2022. Segundo a Anvisa, desde a abertura das consultas, cerca de 20 empresas, a maioria proveniente do Canadá, Estados Unidos, Israel, Austrália e Uruguai, manifestaram interesse no cultivo da erva no país, seja instalando plantas fabris ou por meio de parceiros locais. Por questões de sigilo, o nome das empresas não pode ser divulgado. Em junho, a companhia canadense Canopy Growth  anunciou o investimento de R$ 60 milhões no Brasil, por meio da  Spectrum Therapeutics, sua marca global para pesquisa, operações na área médica e distribuição de produtos medicinais derivados da cannabis.

O presidente da Anvisa, William Dibb, estima que até 13 milhões de brasileiros, com diferentes doenças, podem se beneficiar da maconha medicinal, apesar das posições contrárias do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da cidadania Osmar Terra, que prometeu fechar a agência caso o plantio da cannabis seja aprovado. Terra defende o uso do canabidiol sintético e reuniu-se em julho com o presidente da Prati-Donaduzzi, Eder Fernando Maffissoni.

Nos últimos quatro anos, a demanda pelos remédios feitos com canabidiol cresceu em 700%, acumulando centenas de pedidos de importação na fila de requerimentos à agência. De acordo com a Anvisa, o total de pacientes cadastrados pulou de 826 em 2015 para 1.730 até o momento. Em 2018, o primeiro medicamento à base de canabinoides passou a ser comercializado no Brasil pela francesa Ipsen, com o nome de Mevatyl. A fabricação é da inglesa GW Pharmaceuticals. Desde então, mais de 78 mil unidades foram importadas pelo país.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

LegaLive #01 – Dudu Ribeiro: Racismo e Proibição das Drogas

Demorou! Mas o Hempa enfim mergulhou no mundo das Lives! E inauguramos o quadro em grande estilo, com o historiador e ativista Dudu Ribeiro,...

“Maconha.doc – Salvando Brisas e Vidas”, documentário feito por Lucas Maciel

O youtuber e comunicador Lucas Maciel preparou um documentário sobre maconha gravado lá no Uruguai. Desde 31 de maio está sendo upado na conta...

52% dos jovens usam psicoativos para lidar com a pandemia no Brasil

A pandemia causada pelo novo coronavírus impactou os hábitos dos brasileiros de maneira profunda — inclusive na relação com as substâncias psicoativas. Estudo inédito aponta que...

Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias

Fitofármaco derivado da maconha pode ter diversas aplicações terapêuticas. Produto foi criado em parceria com uma indústria farmacêutica do Paraná O primeiro extrato de canabidiol...

Quarentena canábica

Todas as fragilidades da nossa sociedade vem à tona em momentos como o atual, em que vivemos em meio a uma pandemia de coronavírus....