Home Medicinal Como a direita se aproxima da descriminalização da maconha

Como a direita se aproxima da descriminalização da maconha

Regulamentação do uso medicinal da Cannabis está em discussão em consultas públicas da Anvisa. A ideia tem recebido aval de apoiadores do governo de Jair Bolsonaro, que é contrário à medida

Apoiador de Jair Bolsonaro e considerado um amigo pelo presidente da República, o general e ex-comandante do Exército Eduardo Villas Bôas divergiu do capitão-reformado ao defender a liberação do uso maconha para fins medicinais e científicos no país.

Fonte: Nexo Jornal

A regulamentação está em discussão até o dia 19 de agosto em duas consultas públicas abertas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O órgão informa que o objetivo é receber avaliações críticas e fundamentadas, de diversos segmentos da sociedade, sobre a proposta de mudança que está em discussão.

Uma das consultas se relaciona aos procedimentos para registro e monitoramento de medicamentos feitos à base de maconha. Outra trata do cultivo controlado e feito exclusivamente por empresas da Cannabis sativa, nome científico da planta, apenas para essas finalidades.

Um exemplo de uso medicinal é o canabidiol, uma substância presente na maconha que é usada para tratar epilepsia. Segundo a Anvisa, a demanda pela importação do medicamento no Brasil cresceu 700% desde 2015.

Villas Bôas defendeu o uso dessa substância em entrevista ao SBT no dia 3 de agosto. Assessor do Gabinete de Segurança Institucional do Palácio do Planalto, o general sofre de Esclerose Lateral Amiotrófica, uma doença degenerativa do neurônio motor. Desde 2017, quando foi diagnosticado, Villas Bôas perdeu os movimentos, usa cadeira de rodas e respirador, e corre o risco de perder a fala.

“Eu não entendo por que ao mesmo tempo que tem gente lutando aí, defendendo a legalização da maconha, por outro lado está tão difícil se obter esses medicamentos para efeito medicinal. Eu acho, de certa forma, até uma hipocrisia social e vejo a luta de algumas pessoas que dependem disso para minimizar sintomas de efeitos de algumas doenças que têm dificuldade”

General Eduardo Villas Bôas

O que pensa o governo

Em 31 de julho de 2019, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, acusou o diretor-presidente da Anvisa, William Dib, de tentar “legalizar a maconha no Brasil”. A entidade diz que o objetivo é “favorecer a produção nacional de terapias feitas à base de cannabis com garantia de qualidade e segurança, além de permitir a ampliação do acesso da população a medicamentos”.

Bolsonaro disse que a decisão sobre a regulamentação da Cannabis cabe à Anvisa, mas afirmou que segue a mesma linha de pensamento de Osmar Terra. Na terça-feira (6), o presidente voltou a declarar que é contra a legalização de drogas e criticou o poder das agências reguladoras no país.

“Quando se fala em patente, eu lembro do Inpi. Quando se fala em registro eu lembro da Anvisa, agências outras com poderes enormes, para o bem ou para o mal. Quanto tempo leva um registro da Anvisa? Será que é um excesso de zelo ou só está procurando criar dificuldade para vender facilidade?”, disse.

Mudança de posicionamento

A declaração de Bolsonaro foi dada durante uma inauguração em Itapira (SP), onde estava acompanhado por aliados, entre eles a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). A parlamentar afirmou à Folha de S.Paulo que mudou de posição em relação ao uso da cannabis para fins medicinais após conhecer famílias que precisavam de medicamentos à base de canabidiol. Ela disse, no entanto, que continua contrária ao uso recreativo da planta.

“Acho que é uma questão de saúde. Tem que estar acima de tudo: religião, política, tudo mais”, afirmou Zambelli. Ao estudar legislações, ela diz ter visto exemplos interessantes, como o de Israel, que descriminalizou parcialmente o consumo da maconha em 2017.

Zambelli procurou o deputado do PSOL Marcelo Freixo para ambos trabalharem em prol de um projeto de lei que autorize o cultivo de cannabis para fins científicos e medicinais. Os dois atuam juntos em uma comissão na Câmara.

A maconha no STF e a enquete de Hasselmann

A discussão sobre a descriminalização de drogas para consumo pessoal estava prevista para voltar à pauta do Supremo Tribunal Federal no dia 5 de junho de 2019. No dia 30 de maio, no entanto, o ministro e presidente da corte, Dias Toffoli, adiou indefinidamente o término da votação. O debate havia sido interrompido em 2015, com o placar de 3 a 0 favorável à mudança.

Antes da manifestação de Toffoli, a líder do governo no Congresso Nacional, Joice Hasselmann, abriu enquetes nas redes sociais para questionar se as pessoas concordavam com a descriminalização da erva. A parlamentar, que é contra, foi derrotada pelo resultado. No Twitter, 72% disseram que são a favor da medida e no Facebook 62% também declararam apoio.

Hasselmann rebateu alguns comentários, reafirmando que é conservadora nos costumes e que é seguida por diferentes segmentos. “O importante é levantar o debate. Quem está decidindo mesmo é o STF”, escreveu.

Polêmicas e debates sobre a cannabis

Joice Hasselmann não foi a única representante da direita a usar as redes sociais para falar sobre a maconha. Antes de ser eleita a deputada mais votada da história da Assembleia Legislativa de São Paulo, a advogada Janaina Paschoal fez uma série de tuítes sobre o tema, em junho de 2018.

A advogada sugeriu à comunidade científica que fizesse um estudo com usuários de maconha com idades entre 60 e 70 anos para avaliar o efeito da erva em seus cérebros. “O objetivo seria, a princípio, verificar se o uso prolongado da maconha tem alguma relação com as muitas formas de demências e eventuais alterações cerebrais”, escreveu.

Depois dos posts, ela disse ter recebido estudos de uma médica sobre uso leve e pesado da maconha e prometeu repassar as informações para seus seguidores. Janaina voltou a falar sobre o assunto em setembro de 2018, um dia após o incêndio no Museu Nacional, para criticar formadores de opinião que lutavam para legalizar a maconha.

A deputada do PSL em Santa Catarina Caroline Campagnolo também foi colocada no debate sobre a descriminalização da erva por conta de comentários feitos em 2012 no Twitter e que foram resgatados em abril de 2019. Em uma das mensagens, dizia que precisava de “alguma (c)ois(a) para co(n)seguir estud(ar) (b)em rap(i)dinho esses artigo(s)”, formando a palavra “canabis” nas letras destacadas.

Diante da polêmica, a deputada deletou a conta na rede social. Em entrevista à rádio Jovem Pan, ela negou ser usuária de maconha e disse que os posts foram uma brincadeira feita quando era universitária.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Comissão deve debater amanhã uso de medicamentos de maconha

Uso medicinal dos princípios da maconha estão sendo analisados em comissão especial O acesso a medicamentos que contenham canabinoides é o tema de audiência pública...

Cacife Clandestino – Rap Game | Pt. Xamã e BK

"Enrola essa blunt, boa espécie no recheio", clipe novo do Cacife Clandestino Mais uma canção do álbum "Conteúdo Explícito", do Cacife Clandestino, ganhou clipe. Dessa...

Legalização da maconha pode levar ao aumento do uso por jovens, diz estudo

Números mostram que, nos EUA, dependência entre adolescentes aumentou de 2,18% para 2,72% após a liberação da droga A legalização da maconha pode levar ao...

Fundador do Cirque du Soleil detido por cultivar maconha

Justiça da Polinésia, onde ele tem um atol particular, procura determinar se a droga está destinada ou não ao tráfico O fundador do Cirque du Soleil,...

“Cannabis é feminina”, diz empresária Viviane Sedola

"Se você tem uma cólica que derruba por dois dias, provavelmente já testou tudo que está na farmácia. O que existe no mercado tradicional...