Com drogas e perrengues, festivais brasileiros tentaram recriar Woodstock

Música

hempadao 17 agosto, 2019

A expectativa era de 50 mil pessoas, mas só um décimo desse público chegou. O que ficou de lembrança foram os pulos de Tony Tornado na plateia.

Em 1973, Pena Schmidt foi à área rural de Cambé, no Paraná, para o “Woodstock pé-vermelho”, ou Festival Colher de Chá. “Era palco de tábua e tronco improvisado no morrinho, um lugar cheio de eucaliptos e o camarim de lona.”

Fonte: Folha

“Foi um mico total. Cem pessoas? Duzentas? Não era muita gente”, diz Schmidt, que era técnico de som dos Mutantes, atração principal do Colher de Chá. “Era uma tribo de pessoas chamadas de mochileiros. Eles andavam por aí de carona e frequentavam esses lugares.”

Quase todas as tentativas brasileiras de reproduzir Woodstock tinham o mesmo clima —banho de rio, mar ou cachoeira, nudez, maconha e entraves com a polícia.

“Eram coisas marginais, contravenção mesmo. Polícia não tolerava”, comenta Schmidt. “Vários ‘dançaram’ porque estavam fumando [maconha].”

Uma das empreitadas mais bem-sucedidas foi o Festival de Águas Claras, em Iacanga, em São Paulo. Leivinha, com 22 anos em 1975, idealizou o encontro e o promoveu no boca a boca. Retratado no documentário “O Barato de Iacanga”, o festival reuniu 10 mil pessoas na primeira edição.

Lá, a polícia foi leve na repressão, mas acabou fazendo um relatório sobre o que   acontecia na fazenda. Isso levou ao cancelamento do festival, que só voltou em 1981, já com alguma fama entre o público.

O Festival de Águas Claras retornou mais organizado  e teve edições até 1984, com shows de Raul Seixas, Alceu Valença, Jards Macalé, Jorge Mautner e Luiz Gonzaga. Até João Gilberto cantou para os cabeludos.

Tuca Borges tinha 16 anos em 1976, quando ficou sabendo do Woodstock paulista. “Não existia internet, mas os fanzines circulavam nos grupos e festas”, diz ele. Naquele ano, o jornalista Nelson Motta se esforçava para criar um Woodstock fluminense. O Som, Sol & Surf, que rendeu documentário homônimo, levou a Saquarema, no Rio de Janeiro, um campeonato de surfe —tendência na época— e shows.



6 respostas para “Com drogas e perrengues, festivais brasileiros tentaram recriar Woodstock”

  1. Avatar black mass disse:

    It is not my first time to pay a visit this web site, i am visiting this website dailly and get
    good data from here every day.

  2. What i don’t realize is if truth be told how you are no longer really much more
    well-appreciated than you might be now. You’re so
    intelligent. You already know therefore considerably when it comes to this subject, produced me in my opinion believe it from a lot of various angles.
    Its like men and women aren’t fascinated except it’s one thing to
    do with Woman gaga! Your individual stuffs outstanding.
    All the time handle it up!

  3. Avatar cheap flights disse:

    I am really pleased to read this web site posts which carries plenty of valuable data,
    thanks for providing these kinds of data. cheap flights 3gqLYTc

  4. I could not refrain from commenting. Perfectly written!

  5. I’m really enjoying the design and layout of your website.
    It’s a very easy on the eyes which makes it much more enjoyable for me to come here
    and visit more often. Did you hire out a designer to create your theme?
    Great work!

  6. Hey there just wanted to give you a quick heads up and let you know a few of
    the images aren’t loading correctly. I’m not sure why but I think its a linking issue.
    I’ve tried it in two different web browsers and both show the same outcome.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




[pro_ad_display_adzone id=17608]
[pro_ad_display_adzone id=17609]