Home Notícias Política CDH deve decidir sobre maconha medicinal na próxima quinta

CDH deve decidir sobre maconha medicinal na próxima quinta

Com grande comparecimento de senadores, a expectativa era de análise do relatório sobre a sugestão, mas a elaboração de um novo relatório e um pedido do relator levaram ao adiamento

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) retirou da pauta de votações desta quinta-feira (19) a sugestão da Rede Brasileira de Redução de Danos e Direitos Humanos (Reduc) de regulamentar o uso da cannabis medicinal e do cânhamo — fibra da planta com menor concentração de tetrahidrocanabinol e, por isso, sem ação psicoativa relevante (SUG 6/2016). A votação deve ocorrer na próxima quinta-feira (26) e já tem voto favorável do relator e um voto em separado pela rejeição da matéria.

Fonte: Agência Senado

De acordo com o senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da CDH, o relator, senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), apresentou um novo relatório depois de ouvir senadores durante a discussão do projeto na semana anterior — na qual os senadores da CDH pediram vista coletiva. O novo texto mantém o voto de Alessandro favorável ao uso medicinal da maconha. Ele concorda com normas que a Reduc chamou de “marco regulatório”. O documento enviado pela entidade ao Senado tem 133 artigos com  normas procedimentais e regulamentares sobre métodos de pesquisa, produção, registro, rotulagem, padronização, certificação, licenciamento, comercialização, circulação, tributação, publicidade, inspeção, controle e fiscalização da maconha medicinal e do cânhamo industrial.

Apesar do voto favorável, Alessandro sugeriu uma nova redação, bem mais sucinta, para evitar problemas de inconstitucionalidade no texto original, principalmente sobre competências e atribuições de órgãos do Poder Executivo — que não podem ser definidos por iniciativa do Congresso.

No substitutivo, o relator submete a produção, a distribuição, o transporte e a comercialização da cannabis medicinal ao regime de vigilância sanitária, sendo previsto monitoramento da cadeia produtiva e do mercado. O texto prevê, ainda, que as normas com relação ao plantio, à cultura e à colheita do cânhamo industrial sejam de responsabilidade de uma autoridade agrícola dos estados.

Retirada de pauta

O pedido de retirada de pauta do projeto partiu do próprio relator. Porém, um acordo entre os senadores da comissão, na reunião anterior, havia definido que a matéria seria votada nesta quinta (18), após dois anos de debates. O anúncio de que Alessandro havia apresentado um novo relatório foi feito por Paim quando a discussão sobre a retirada da pauta já estava em andamento e a maioria dos senadores ainda se manifestava favoravelmente à votação imediata da matéria.

O senador Acir Gurgacz (PDT-RO) que, depois da vista coletiva e do retorno da matéria à pauta, ela deveria ser votada. O senador Marcos Rogério (DEM-RO) disse que o pedido de retirada de pauta pelo relator deveria ser seguido, desde que houvesse a concordância do Plenário.

— O Plenário é soberano e se tem o desejo de votar a matéria, isso deveria acontecer hoje — defendeu.

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) pediu que os senadores decidissem no voto se a SUG 6/2016 seria votada ou retirada de pauta. Girão é o autor do voto em separado recomendando a rejeição.

Porém, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) interpretou que, se o pedido do relator — que estava ausente — não fosse acatado, poderia haver um problema ético na decisão da CDH.

— O relator tem, a todo momento, o poder discricionário de rever seu próprio voto. Essa matéria é tão urgente que não pode esperar um colega relator rever o seu voto? Para que o afogadilho e a pressa? Por deferência ao relator e por bom-senso, é preciso esperar. Telmário Mota (PROS-RR) foi na mesma linha, já que, na sua opinião, diante de um novo relatório, não seria possível votar sem conhecê-lo.

Mesmo com a polêmica, o pedido do relator prevaleceu e a votação foi adiada por uma semana.

Fonte: Agência Senado

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...