Home Notícias Ciência Aumenta o consumo de Maconha entre adultos mais velhos

Aumenta o consumo de Maconha entre adultos mais velhos

No fim do mês passado, pesquisadores da Universidade do Colorado divulgaram estudo que mostra que o uso da maconha vem crescendo principalmente entre os adultos mais velhos. No entanto, esse grupo também relata dificuldades para obter a droga para fins medicinais, reclama da falta de comunicação com os médicos e se ressente do estigma que ainda envolve a marijuana.

por Mariza Tavares
no G1

“Os americanos mais velhos estão utilizando a cannabis por diferentes motivos”, afirmou a médica e professora Hillary Lum, coautora do estudo. “Alguns se valem dela para aliviar a dor, enquanto outros a usam para combater ansiedade e depressão”, completou. Em 2016, pesquisa nacional apontou que, acima dos 65 anos, o consumo da droga havia se multiplicado por dez. Enquanto isso, no Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) pretende iniciar debate para dar aval para o cultivo de maconha no país para pesquisa e produção de medicamentos.

A médica e professora Hillary Lum: maconha sendo utilizada para aliviar a dor e combater ansiedade e depressão — Foto: Divulgação
A médica e professora Hillary Lum: maconha sendo utilizada para aliviar a dor e combater ansiedade e depressão — Foto: Divulgação

Os pesquisadores entrevistaram idosos em centros comunitários, clínicas de saúde e em dispensários que comercializam legalmente a droga. De acordo com a professora Lum, muitos pacientes não se sentem à vontade para discutir a questão com seus médicos e acabam comprando a maconha para uso recreacional, o que é permitido no estado do Colorado, onde foi realizado o levantamento: “esses idosos desejam que os serviços de saúde se envolvam com a questão e cumpram seu papel de educar e avaliar opções e riscos do tratamento. Os médicos também deveriam aprender mais sobre o assunto para conversar com seus pacientes”.

Ashley Glode, professora da faculdade de farmácia: resistência dos profissionais atrelada à falta de dados e regulação — Foto: Divulgação
Ashley Glode, professora da faculdade de farmácia: resistência dos profissionais atrelada à falta de dados e regulação — Foto: Divulgação

“Estamos desperdiçando uma ferramenta útil”, disse Ashley Glode, professora da faculdade de farmácia. “Temos que rever e adaptar nossa formação”, acrescentou. Na sua opinião, a resistência dos profissionais está atrelada à falta de regulação e porque os dados disponíveis ainda são limitados: “do ponto de vista do consumo, as piores alternativas são inalar e fumar, por causa dos danos aos pulmões. Já há médicos que recomendam óleos, tinturas e até produtos comestíveis, mas não temos dados comparando a eficácia das doses nessas diversas formas”.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...