Home Notícias Ciência Aumenta o consumo de Maconha entre adultos mais velhos

Aumenta o consumo de Maconha entre adultos mais velhos

No fim do mês passado, pesquisadores da Universidade do Colorado divulgaram estudo que mostra que o uso da maconha vem crescendo principalmente entre os adultos mais velhos. No entanto, esse grupo também relata dificuldades para obter a droga para fins medicinais, reclama da falta de comunicação com os médicos e se ressente do estigma que ainda envolve a marijuana.

por Mariza Tavares
no G1

“Os americanos mais velhos estão utilizando a cannabis por diferentes motivos”, afirmou a médica e professora Hillary Lum, coautora do estudo. “Alguns se valem dela para aliviar a dor, enquanto outros a usam para combater ansiedade e depressão”, completou. Em 2016, pesquisa nacional apontou que, acima dos 65 anos, o consumo da droga havia se multiplicado por dez. Enquanto isso, no Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) pretende iniciar debate para dar aval para o cultivo de maconha no país para pesquisa e produção de medicamentos.

A médica e professora Hillary Lum: maconha sendo utilizada para aliviar a dor e combater ansiedade e depressão — Foto: Divulgação
A médica e professora Hillary Lum: maconha sendo utilizada para aliviar a dor e combater ansiedade e depressão — Foto: Divulgação

Os pesquisadores entrevistaram idosos em centros comunitários, clínicas de saúde e em dispensários que comercializam legalmente a droga. De acordo com a professora Lum, muitos pacientes não se sentem à vontade para discutir a questão com seus médicos e acabam comprando a maconha para uso recreacional, o que é permitido no estado do Colorado, onde foi realizado o levantamento: “esses idosos desejam que os serviços de saúde se envolvam com a questão e cumpram seu papel de educar e avaliar opções e riscos do tratamento. Os médicos também deveriam aprender mais sobre o assunto para conversar com seus pacientes”.

Ashley Glode, professora da faculdade de farmácia: resistência dos profissionais atrelada à falta de dados e regulação — Foto: Divulgação
Ashley Glode, professora da faculdade de farmácia: resistência dos profissionais atrelada à falta de dados e regulação — Foto: Divulgação

“Estamos desperdiçando uma ferramenta útil”, disse Ashley Glode, professora da faculdade de farmácia. “Temos que rever e adaptar nossa formação”, acrescentou. Na sua opinião, a resistência dos profissionais está atrelada à falta de regulação e porque os dados disponíveis ainda são limitados: “do ponto de vista do consumo, as piores alternativas são inalar e fumar, por causa dos danos aos pulmões. Já há médicos que recomendam óleos, tinturas e até produtos comestíveis, mas não temos dados comparando a eficácia das doses nessas diversas formas”.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Anvisa rejeita cultivo de maconha para fins medicinais no Brasil

Por 3 votos a 1, proposta foi arquivada pela agência reguladora. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) rejeitou nesta terça-feira (3) o cultivo de...

Verdinha de Ludmilla faz sucesso na Web!

Mais de 3 milhões de plays em quatro dias de publicação: Verdinha de Mc Ludmilla faz sucesso no YouTube A Mc do funk Ludmilla lançou...

Mercedes Ponce fala sobre ExpoCannabis 2019 ao Hempa

Está chegando mais uma edição da ExpoCannabis 2019! Confira a entrevista com a organizadora do evento Este é o terceiro ano seguido do Hempadão na...

Maconha vira queridinha no mundo dos negócios

Com a legalização ganhando terreno, o cenário mudou: negócios canábicos já servem de lastro para fundos de investimentos negociados em bolsa por João Henriques /...

Comissão deve debater amanhã uso de medicamentos de maconha

Uso medicinal dos princípios da maconha estão sendo analisados em comissão especial O acesso a medicamentos que contenham canabinoides é o tema de audiência pública...