Home Mais Carta Capital Até tu, Dudu? Filho de Bolsonaro apoia liberação do Canabidiol

Até tu, Dudu? Filho de Bolsonaro apoia liberação do Canabidiol

Candidato a embaixada brasileira em Washington, Eduardo Bolsonaro defende importação livre de medicamentos produzidos nos EUA

por Cadu Oliveira / Ilustração Felipe Navarro*

Agora que a ANVISA está prestes a dar um passo importante na legalização da maconha medicinal, setores conservadores defendem a liberação do canabidiol importado. Quem diria que a campanha pelo comando da embaixada brasileira nos EUA, capitaneada pela família Bolsonaro, iria atravessar o rumo da legalização da cannabis no Brasil?

Eduardo, o “zero três”, deputado federal pelo PSL-SP, se posicionou a favor de um projeto de lei que torna automática a autorização para importação de medicamentos aqui no país que já forem aprovados por autoridades sanitárias como a americana. Com isso, a Agência reguladora nacional tem sua função ferida. E, caso o projeto seja aprovado, apesar do canabidiol gringo poder estar mais disponível, os brasileiros estarão mais afastados da possibilidade de legalização completa da erva.

A verdade é que nenhum dos dois caminhos abarca o uso recreativo ou automedicamentoso da cannabis. A ANVISA prevê uma regulamentação que favorece empresas produtoras do remédio em território nacional, deixando aberta a possibilidade de importação, tanto do insumo para produção quanto do medicamento em si. Desta maneira, seria possível gerar emprego e renda, pois avalia-se que 13 milhões de brasileiros poderiam se beneficiar da maconha medicinal, segundo William Dib, presidente da ANVISA.

Já o que defende Eduardo Bolsonaro, endossado por outros deputados do PSL, como o General Peternelli e Carla Zambelli, aprova a venda de remédios à base de cannabis que já são liberados nos EUA. A medida vai na direção do que defendem os ministros da Cidadania, Osmar Terra, e da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que sonham com a importação da “cannabis sintética”, produzida em laboratório, evitando assim o plantio por aqui.

Parece que o governo Bolsonaro não quer, de forma alguma, entrar para a história como aquele que legalizou o uso médico da maconha no Brasil. Para isso, está disposto a aceitar o lobby da indústria farmacêutica internacional, que está de olho aberto quanto ao mercado milionário que representa a nação brasileira. Como é impossível negar os avanços da medicina canábica, a saída à direita seria abrir a importação do que já foi regulado e está sendo vendido pelos gringos. Afinal, para que estudar e produzir ciência, além disso gerar oportunidades de trabalho e incremento da economia local, não é mesmo?

Legalização da Maconha Comercial

Por ambas as vias, o que se vê orquestrado, na verdade, é a legalização da maconha comercial. Estima-se que cerca de 20 empresas já estejam preparadas para pedir a autorização da ANVISA caso o projeto de legalização da cannabis medicinal seja aprovado pela Agência de Vigilância nacional.

A HempMeds Brasil, a primeira empresa autorizada pela Anvisa a importar os produtos à base de cannabidiol para cá, já anunciou uma parceria com a plataforma Dr. Cannabis. Trata-se de um sistema de marketplace funcionando no ambiente online que serve para facilitar o acesso de pacientes à médicos e remédios feitos à base de cannabis.

A demanda de pedidos de autorização para importação dos medicamentos com CBD não para de crescer, o que impulsiona a urgência por uma regulamentação do setor. Se depender da Anvisa, o Brasil deve, em breve, começar a importar e produzir, em território nacional, sob forte controle de produção, os medicamentos, óleos e outros derivados medicinais oriundos da cannabis. Mas pelas mãos do atual governo e seus representantes, não haverá nada de jardins por aqui. O remédio deve ser importado diretamente pelo paciente ou através de alguma empresa já licenciada para importação. Seja como for, as portas para a maconha medicinal comercial estão em contagem regressiva para serem abertas, custe o que custar.

**** texto publicado originalmente no blog do Hempadão na Carta Capital

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Osmar Terra defende realização de plebiscito sobre legalização da maconha

Ministro da Cidadania diz que sociedade "tem de ser ouvida" O ministro da Cidadania, Osmar Terra, defendeu neste sábado (7), em Porto Alegre, a realização de um...

Anvisa rejeita cultivo de maconha para fins medicinais no Brasil

Por 3 votos a 1, proposta foi arquivada pela agência reguladora. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) rejeitou nesta terça-feira (3) o cultivo de...

Verdinha de Ludmilla faz sucesso na Web!

Mais de 3 milhões de plays em quatro dias de publicação: Verdinha de Mc Ludmilla faz sucesso no YouTube A Mc do funk Ludmilla lançou...

Mercedes Ponce fala sobre ExpoCannabis 2019 ao Hempa

Está chegando mais uma edição da ExpoCannabis 2019! Confira a entrevista com a organizadora do evento Este é o terceiro ano seguido do Hempadão na...

Maconha vira queridinha no mundo dos negócios

Com a legalização ganhando terreno, o cenário mudou: negócios canábicos já servem de lastro para fundos de investimentos negociados em bolsa por João Henriques /...