Home Mais Entrevista Apresentando: Negra Jaque

Apresentando: Negra Jaque

É com muita alegria e satisfação, que entrevistamos Negra Jaque, ativista e rapper de Porto Alegre. A MC que teve seu trampo, “Diário de Obá”, recém lançado, nos concedeu a honra dessa troca de ideias mais que necessária

por S. M. Hermes

Jaque, antes de tudo, muito obrigado por essa oportunidade e aprendizado. Agora, começando pelo começo, poderia nos fazer uma breve, ou não (rs), apresentação da tua história até o presente momento?

“Sou moradora do Morro da Cruz (periferia de Porto Alegre), ativista do movimento negro e movimento feminista. Também sou produtora da Feira de Hip Hop de Porto Alegre.

Comecei minha história no Hip Hop 2007, com o extinto grupo Pesadelo do Sistema. O qual recebeu premiações de dois festivais importantes da capital gaúcha. Em 2015, venci a Batalha do Mercado. Após esse prêmio dei início na minha carreira solo, gravando meu primeiro EP, o “Sou“.

Em 2018 foi lançado meu segundo EP, intitulado “Deus Que Dança”. Um álbum com composições próprias, várias parcerias e produção independente. Já meu mais recente trabalho é o “Diário de Obá”, lançado agora no início de outubro. A produção foi dos alunos do curso de Produção Fonográfica da Unisinos em parceria com a Sigmund Records.”

***

Agora partindo daqui pra um viés mais político e em relação a questão do proibicionismo, principalmente da Cannabis, seguimos à próxima pergunta:

Como tu observa os impactos das atuais políticas de drogas nas comunidades negras brasileiras, mais especificamente nas de Porto Alegre?

“Não existe política, existe repressão. As ações são direcionadas e planejadas pra áreas periféricas e onde estão localizadas a população negra. Porto Alegre vive essa realidade. Ainda hoje isso reflete o racismo estrutural diariamente. Perdi meu pai para o crack, sem um sistema com o mínimo de assistência.”

***

Quando chegarmos, e a Cannabis for legalizada, quais tu acredita que sejam os benefícios em relação a violência imposta pelo Estado no combate a mesma?

“Proibir nunca funcionou em nada. A legalização possibilita uma discussão real e tira a ilusão de que o governo está fazendo algo eficiente. Além da diminuição do tráfico e do crime organizado. E um fator primordial, é a informação correta e a conscientização positiva nos espaços educacionais.”

***

Desde sempre a humanidade usa a arte como válvula de escape. Como tu vê a importância da música enquanto ferramenta capaz de aproximar os lados separados pela desigualdade social e a desinformação fomentada pela grande mídia e pelo Estado?

“A música aproxima, ela permite a consciência do nosso lugar no mundo. A arte como um todo é uma ferramenta de diversidade, socialização e empatia. Ela revela através de seus atores a situação atual e as reflexões sobre nossos posicionamentos.”

***

Então Jaque, pra finalizar, fica aqui nosso espaço à tua disposição pra mandar um free, umas real, um salve, ou como tu entender que seja melhor, mais adequado, ou ambos (rs).

“Ah, gente! Trabalhar com arte nesse século é refletir a sociedade, é posicionamento, é esperança, compromisso com a reflexão e com amor ao mundo. Assim eu levo a cultura Hip Hop, buscando ser ética e expressar sentimentos. Plantando coisas boas e reflexões no mundo.”

***

Negra Jaque se apresenta na noite do dia 25 (sexta-feira), no Espaço Cultural Escola Sesc, em Jacarepaguá, RJ. Durante a terceira do evento Mostra Nacional de Música, “que tem o objetivo de fortalecer e valorizar a diversidade musical brasileira, incentivar trocas artísticas e fomentar a circulação de músicos de todo o país”.

Fontes:

https://diariodovale.com.br/lazer/sesc-apresenta-a-terceira-mostra-nacional-de-musica/

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...

Alerj aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação,...

10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A maconha medicinal vem ganhando espaço em diversos lugares do mundo. De olho nisso, algumas universidades estão buscando capacitar seus estudantes para trabalhar no...

Se eu quiser fumar, eu fumo

Dizem por aí que coisa alguma acontece por acaso. Aliás, que o próprio acaso é algo irreal — mesmo que nós ainda não sejamos...