99% das apreensões de maconha em SP são de pequenas quantidades

Clipadão

hempadao 4 setembro, 2018

Fonte: R7

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Sou da Paz revelou que 99% das ocorrências policiais do estado de São Paulo apreenderam apenas 24% de toda a massa de maconha apreendida entre os anos de 2015 e 2017. Isso significa dizer que a grande maioria das ações da polícia só consegue apreender volumes ínfimos de drogas.

“Essas apreensões sequer arranham o tráfico no estado”, afirma Cristiano Maronna, presidente do Ibccrim (Instituto Brasileiro de Ciências Criminais). As grandes apreensões estão restritas a 1% das operações da polícia em São Paulo.

Leia mais: Polícia encontra plantação de maconha em uma casa na Aclimação (SP)

O cenário não é muito diferente em relação as outras substâncias. Nas apreensões de cocaína, 99% das ocorrências apreendem apenas 44% da massa da droga que circulou no período analisado. A massa de cocaína apreendida no tráfico foi de 36,1 toneladas. Já em relação ao crack, somente 34% do total da massa de droga que circulou no tráfico foi apreendida.

“Essas pequenas quantidades têm de passar por perícias, processos judicias, mobilizam servidores públicos e geram um alto custo”, diz Bruno Langeani. “Movem toda uma estrutura, mas, às vezes, no mesmo dia a pessoa presa é substituída e o esquema que sustenta o tráfico é reposto e volta a operar normalmente”, afirma Langeani.

A pesquisa revela também as regiões do estado que reúnem maior quantidade de droga apreendida. Cerca de 60% da massa da maconha foi apreendida no interior do estado. Segundo a pesquisa, as regiões de Presidente Prudente, Bauru e Sorocaba são regiões de destaque para a rota do tráfico. As rodovias e fronteiras da região de Presidente Prudente com os estados do Mato Grosso do Sul e Paraná fazem fronteira com a Bolívia e o Paraguai, países conhecidos como produtores. Um dos motivos que explicaria a chegada das drogas no interior do estado.

Mais: Homem abandona carro de luxo com uma tonelada de maconha

“Se a polícia quiser fazer um trabalho mais assertivo, precisa reforçar as rotas. As regiões próximas as fronteiras têm apreensões muito significativas”, diz Lageani. Já as massas de cocaína, segundo a pesquisa, estão distribuídas regionalmente. Mas, o interior também concentra o maior volume da droga, 31%. Ao somar os percentuais da capital e da região metropolitana, a massa de cocaína representa 34% nessas regiões.

No caso do crack, o volume da droga é bastante inferior aos de maconha e cocaína. Ainda assim, no interior, depois da maconha, o crack é a droga com maior percentual de massa apreendida. No litoral, essa droga é a substância com maior participação no volume apreendido: 17% de crack, 8% de maconha e 11% de cocaína.

Apreensões de posse

O estudo também mapeou as ocorrências envolvendo posse. Os números mostram as variações referentes às ocorrências relativas ao uso pessoal de drogas. Entre 2005 e 2009, essas ocorrências correspondiam a 50% das apreensões. A partir de 2010, essa participação ficou em 40% e em 2017 chegou a 34%.

“As apreensões acontecem sem o trabalho de investigação e inteligência. A polícia faz apreensões de rotina e, sobretudo, movidas pelas atitudes suspeitas”, afirma Maronna, do Ibccrim. “É um sistema que enxuga gelo e encarcera pequenos traficantes como responsáveis pelo tráfico.” Os casos de posse, segundo Langeani, deveriam se encaminhados à Secretaria de Saúde.

Segundo especialistas, uma das razões que alimenta o ciclo de numerosas ocorrências com pequeno volume de quantidade de substâncias apreendidas é a lei de drogas de 2006, que tenta estabelecer critérios para diferenciar usuários e traficantes. A legislação, porém, não estipula quantidades específicas para cada um dos casos. Como a lei recorre a fatores subjetivos, na prática, deixa nas mãos dos juízes decidir quem é enquadrado em cada categoria.

Para Maronna, a aplicação da lei de drogas é disfuncional. “A palavra do policial é considerada prova pelo juiz, e é o único critério utilizado para determinar se a pessoa é usuário ou traficante.” O especialista afirma ainda que não é recomendável que a quantidade de droga apreendida seja o único critério para a determinação. Segundo ele, devem ser exigidas provas de tráfico. “Para que isso ocorra, é necessária uma investigação mais qualificada.”

“A guerra às drogas impacta, inclusive, no trabalho dos policiais, porque eles são vítimas da alta taxa de letalidade e porque atuam no combate do varejo das drogas, que é o último elo da cadeia”, afirma Cristiano. “Não se investiga o financiamento do tráfico e se compromete o trabalho da polícia nas questões mais importantes. O  que se gasta com essas apreensões poderia ser utilizado para uma série de serviços sociais.”

Outro lado

Em nota, a SSP (Secretaria de Segurança Pública) diz que não comenta pesquisas cuja metodologia desconhece. A pasta ainda informa que o trabalho em conjunto das policias em todo o Estado resultou na apreensão de 209 toneladas de entorpecentes em 2017, um aumento de 26,6% em relação ao ano anterior e de 76,6% em comparação a 2015.

Segundo a secretaria, o Denarc (Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico), da Polícia Civil, atua em todo o território estadual investigando e mapeando ocorrências de tráfico de drogas. Somente em 2017, 282 pessoas foram presas em flagrante pelo departamento, que instaurou 381 inquéritos para apurar este tipo delito.

“As grandes apreensões geralmente ocorrem em operações, denúncias e por abordagens nas rodovias do estado. Nos últimos anos, os traficantes mudaram algumas estratégias, mantendo consigo pequenas quantidades de entorpecentes a fim de dissimular a venda. No entanto, tanto a quantidade como a circunstância da ocorrência podem ser caracterizadas como tráfico”, completa a nota.



6 respostas para “99% das apreensões de maconha em SP são de pequenas quantidades”

  1. Avatar black mass disse:

    Right here is the perfect webpage for anyone who hopes to find out about this topic.
    You understand so much its almost hard to argue with you (not that I really will need
    to…HaHa). You certainly put a brand new spin on a subject which has
    been written about for a long time. Wonderful stuff, just excellent!

  2. Hello, Neat post. There is a problem with your site in web explorer,
    would test this? IE still is the marketplace leader and a large component to folks will
    leave out your fantastic writing because of this problem.

  3. Avatar tinyurl.com disse:

    It’s amazing to pay a visit this website and reading
    the views of all colleagues concerning this paragraph, while I am also keen of getting knowledge.

  4. I’m really enjoying the theme/design of your web site.
    Do you ever run into any internet browser compatibility issues?
    A couple of my blog visitors have complained about my
    website not operating correctly in Explorer but looks great in Chrome.
    Do you have any ideas to help fix this problem?

  5. Write more, thats all I have to say. Literally, it seems as though you relied on the video to make your point.
    You clearly know what youre talking about, why waste your intelligence on just
    posting videos to your blog when you could be giving us
    something informative to read?

  6. Avatar find g disse:

    whoah this blog is excellent i love studying your posts.
    Stay up the great work! You recognize, a lot of persons are hunting
    round for this info, you could help them greatly.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




[pro_ad_display_adzone id=17608]
[pro_ad_display_adzone id=17609]