Home Notícias Economia Fundos de Ações de maconha podem ganhar terreno, dizem analistas

Fundos de Ações de maconha podem ganhar terreno, dizem analistas

A BlackRock, a maior gestora de recursos do mundo, “provavelmente” irá lançar um fundo negociado em bolsa com foco em cannabis

O setor de fundos está cada vez mais flexível em relação aos investimentos em cannabis.
Fonte: InfoMoney
A BlackRock, a maior gestora de recursos do mundo, “provavelmente” irá lançar um fundo negociado em bolsa com foco em cannabis, incentivada pelo menor receio sobre problemas legais relacionados a essas estratégias, de acordo com a Bloomberg Intelligence.

Outros grandes emissores poderiam seguir o exemplo, elevando os ativos em ETFs com foco em maconha para US$ 5 bilhões nos próximos anos, disseram analistas liderados por Eric Balchunas em relatório na sexta-feira.

“Como um grande estúdio de cinema, a BlackRock está apta a copiar os ETFs de sucesso dos outros”, escreveu Balchunas. “A entrada da BlackRock traria certa legitimidade juntamente com alguma pressão sobre as comissões.”

Um porta-voz da gestora disse que a empresa não tem planos de oferecer um ETF de maconha.

Tudo soa pouco provável, mas a BlackRock tem investido em estratégias temáticas. Esses tipos de fundos rapidamente se tornaram grandes negócios, atraindo mais de US$ 49 bilhões nos Estados Unidos. No mês passado, a gestora disse que planejava criar e negociar ETFs com base em cinco “megatendências”, que vão além de setores tradicionais e focos geográficos, embora nenhum deles explicitamente se encaixe em ações no segmento de cannabis.

Enquanto isso, o ambiente regulatório para fundos de maconha parece cada vez mais favorável. A legislação conflitante nos EUA sobre o setor de cannabis fez com que grandes bancos evitassem oferecer serviços de custódia a potenciais emissores de ETFs de maconha.

Mas, agora, o órgão regulador dos EUA pediu que ETFs de cannabis ofereçam pareceres legais de terceiros, para garantir que esses fundos não violam leis estaduais ou federais, o que abriria caminho para qualquer investidor interessado em um setor em expansão.

O ETFMG Alternative Harvest ETF, o maior do mundo com foco em maconha, com US$ 1,1 bilhão em ativos, apresentou documentação legal em maio afirmando que o ETF e seus investimentos não violam nenhuma lei.

As empresas de cannabis nas quais o fundo investe possuem as licenças necessárias para operar, segundo o documento. O ETF AdvisorShares Pure Cannabis, com US$ 59 milhões em ativos, apresentou documento semelhante em abril.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Ultimos posts

Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias

Fitofármaco derivado da maconha pode ter diversas aplicações terapêuticas. Produto foi criado em parceria com uma indústria farmacêutica do Paraná O primeiro extrato de canabidiol...

Quarentena canábica

Todas as fragilidades da nossa sociedade vem à tona em momentos como o atual, em que vivemos em meio a uma pandemia de coronavírus....

Maconha em tempos de pandemia é o tema da live da Folha nesta quarta

Nesta quarta-feira (29), o Ao Vivo em Casa, série de lives da Folha, fala sobre a indústria da maconha em tempos de Covid-19 e...

Fabricação e venda de derivados da cannabis entram em vigor no país

Entra em vigor hoje a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da...

“Maconha é coisa de velho”, diz Fernando Henrique Cardoso

No Brasil só não enxerga o que acontece quem não quer. A maconha ou as drogas mais pesadas não estão apenas na favela, mas...