Vitória da Tolerância!

Caos in Casa

hempadao 3 junho, 2014

Meu nome é A., fumo maconha desde os 14 e tenho uma mãe polícia, que é o grande problema de toda essa minha luta. Comecei a fumar com amigos só para experimentar, mas hoje tenho como rotina fumar nem que seja um baseado por dia.

Minha mãe sempre foi careta e no ano de 2010 entrou para a Polícia Civil do Rio Grande do Sul, fazendo com que meu medo de que ela descobrisse aumentasse 100 vezes mais. Bom, quando eu tinha 15 anos, depois de meses fumando sem que minha casa caísse, minha mãe me caçou e fez da minha vida um inferno, pois ela sentiu o cheiro da paranga que estava moqueada entre minhas roupas.

Isso não foi nada, logo após ela descobriu de novo e de novo e de novo, até que no ano de 2012 ela surtou e disse que a próxima vez iria me internar, que se a maconha era tão importante para mim, significaria que eu era um viciado. Vish, isso foi a coisa mais sinistra que eu ouvi da minha coroa, pois nunca pensei que ela seria capaz disso. O tempo passou e eu continuei fumando, e ela sempre me descobrindo.

Depois disso minha casa caiu mais uma 5 vezes, sendo elas com brigas e outras com frases do tipo ” Olha, quer saber, eu já cansei; Faz o que tu quiser. ” O que ela nunca compreendeu é que nunca me deixou ao menos falar o porquê eu fazia aquilo, o motivo pelo qual mesmo me trazendo problemas não deixava de fumar. Hoje, exatamente hoje, dia 26/05 ao 12:30 da manhã minha mãe achou uma semente dentro da minha mochila. Nem preciso falar o que aconteceu. A coroa ficou pirada, começou a me perguntar de onde eu tinha tirado, perguntando se eu ainda andava fumando. E eu, com medo do que poderia ocorrer, falei que não andava fumando, que aquilo era de muito tempo atrás.

Obviamente ela não acreditou e isso fez com que ela chorasse, fazendo com que meu coração se partisse em pedaços. Como disse, ela trabalha na delegacia de minha cidade e hoje ao visitar ela flagrei que a Dona Careta estava chorando. Bom, sentei e comecei a falar todos os motivos pelos quais eu fazia e deixava de fazer. Abri meu peito para ela que fumava, que era maconheiro e que não iria parar, apesar dela já saber que eu fumava. Falei todos os prós e contras da maconha, expus meus conceitos, ideologias e pensamentos, como o fato de eu não precisar tomar esporro de porco fardado na rua, de não precisar andar em biqueira, de não precisar me misturar com marginais para conseguir meu fumo, de prometer ficar mais sossegado em casa.

Foram tantas coisas que ela parou, olhou e disse ” Olha A., isso pode acontecer, só melhora nas tuas notas que a gente vê isso. ” Cara, foi a coisa mais emocionante e feliz que eu já senti. Isso pode não parecer nada pra quem faz a leitura deste relato, mas só quem sofreu o que eu sofri durante todos esses anos sabe qual é o prazer de se sentir aliviado, tirando um grande peso das costas.

Espero que tudo fique como sempre sonhei; Fumando meu base com a coroa civil sem embaçar a banda !!!!!!!!!!! EVOLUÇÃO SEM REVOLUÇÃO ; Obrigado a todos e boa sorte para quem esta desentocando do armário dos maconheiros.

Relato de um leitor enviado para redacao@hempadao.com



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina