STF define que tráfico de drogas por réu primário não é crime hediondo

Clipadão

hempadao 24 junho, 2016

Três ministros mudaram seus votos no julgamento, que determinou que suspeitos sem antecedentes criminais poderão pagar fiança em caso de prisão por tráfico de drogas.

Fonte: Ultimo Segundo

Após a mudança de entendimento de três ministros, o Supremo Tribunal Federal (STF) definiu nesta quinta-feira (23) que tráfico de drogas praticado por réu primário, sem antecedentes criminais, não é crime hediondo. O ministro Edson Fachin, que havia pedido vista para analisar o assunto, foi o primeiro a mudar seu voto. No julgamento anterior, realizado no início do mês, ele havia defendido que a prática era de máxima gravidade. Também voltaram atrás e mudaram de entendimento os ministros Teori Zavascki e Rosa Weber. Mantiveram o voto e ficaram vencidos os ministros Luiz Fux, Dias Toffoli e Marco Aurélio Mello.

O julgamento sobre o tema começou em junho de 2015. A ação tratava de um caso com repercussão geral, ou seja, com validade para outras ações semelhantes, em que duas pessoas sem antecedentes foram presas em Mato Grosso do Sul transportando 55 embalagens com 772 quilos de maconha.

A lei brasileira considera o tráfico de drogas um crime hediondo ou seja, sem direito a pagamento de fiança e com progressão de pena mais lenta que o tempo estabelecido para os crimes comuns. A Lei de Drogas, no entanto, abrandou as normas para o que chama de tráfico privilegiado, definindo que réu primário, de bons antecedentes e que não se dedique a atividades criminosas nem integre organização criminosa, tenha pena reduzida.

Além de serem inafiançáveis, os crimes hediondos devem ter penas cumpridas inicialmente em regime fechado, e a progressão de regime só pode acontecer após o cumprimento de dois quintos da pena, se o réu for primário, e de três quintos, se for reincidente.

Nas sessões anteriores que trataram do tema, a relatora do processo, ministra Cármen Lúcia, votou para não se aplicar aos casos do chamado tráfico privilegiado as consequências penais dos crimes hediondos. Fachin, no entanto, havia se manifestado contra esse entendimento e a Corte já havia formado maioria nesse sentido.

No início do mês, quando o julgamento voltou à pauta, uma intervenção do presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, fez Fachin abrir mão do próprio voto divergente e pedir vista. Na ocasião, Lewandowski trouxe ao debate dados estatísticos sobre o aumento da população carcerária do País.

O presidente do STF voltou a destacar esse assunto durante o seu voto nesta quinta-feira. Ele ressaltou que, hoje, a grande maioria das mulheres presas está nessa situação por conta de envolvimento em tráfico de drogas e que, muitas vezes, elas são usadas apenas como “mulas” no processo.



2 respostas para “STF define que tráfico de drogas por réu primário não é crime hediondo”

  1. \vict disse:

    Quando será a proxima reunião do stf para a descriminalização da cannabis no Brasil ?

  2. Claudio disse:

    Pra quem anulou pedido de prisão pra Sarney e companhia…
    Tem gente que diz que o STF é a luz no fim do buraco onde a gente tá…mas lembrem se,a Justiça é cega…
    Por mais longe que enxerguem os injustiçados.
    Então,em vez de ficar tentando achar a luz no final do túnel,seja sua própria luz e vá iluminando seus passos até que então um dia,por mais que demore chegaremos onde queremos chegar.
    Ou seja,pra brilharmos temos que sair da caixa que nos colocaram.
    Tirar a venda dos nossos olhos,enxergar o horizonte e seguir em sua direção,contra o vento ou não…
    Nós devemos exigir respeito a todas as pessoas,isso é o mínimo da dignidade humana,e algo incomum em diversas situações atuais.
    Declaração Universal dos Direitos Humanos,Constituição,pra que tem servido isso pra gente quem vive o drama do esquecimento???
    Esquecido ou ignorado,você pode até escolher um dos dois mas o fato mesmo é que está tudo errado.
    Todo mundo sente dor,mas as vezes parece que ela é classificada pela nossa cor.
    Todo mundo sente frio,mas no meio de milhões o tiozinho na rua
    morreu de hipotermia e ninguém viu.
    Não viu,ou não quis ver…as vezes é mais fácil ignorar pra depois esquecer…
    Mas talvez isso aconteça para que talvez depois um dia,poder lembrar,que quando ignoramos as pessoas,é nós mesmos que estamos a ignorar.
    E se o que fazemos de melhor é esquecer,no final quem acabará no esquecimento,seremos nós mesmos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina