O Chamado de Timothy Leary!

Hempovão

hempadao 22 setembro, 2013

por F.

Timothy Leary foi um homem extraordinário. Psicólogo, escritor e outras coisas mais, Dr. Leary foi uma figura icônica durante o movimento da contracultura. Defensor do uso de drogas psicodélicas, principalmente pelos seus benefícios terapêuticos e espirituais, era por muitos considerado um fanático.

Mas se irmos mais a fundo em sua vida, encontraremos um homem espirituoso que dedicou sua vida no ativismo da paz, da liberdade de pensamento, da individualidade na sua visão mais autêntica, na busca da paixão e do crescimento intelectual. Ele era para muitos um guia e inspiração.

O que acontece é que, talvez, a maioria de nós não o conheçamos por tudo que ele foi e representa, e sim por uma famosa citação do mesmo:

“Admit it. You aren’t like them. You’re not even close. You may occasionally dress yourself up as one of them, watch the same mindless television shows as they do, maybe even eat the same fast food sometimes. But it seems that the more you try to fit in, the more you feel like an outsider, watching the ‘normal people’ as they go about their automatic existences. For every time you say club passwords like ‘Have a nice day’ and ‘Weather’s awful today, eh?’ you yearn inside to say forbidden things like ‘Tell me something that makes you cry’ or ‘What do you think deja vu is for?’ Face it, you even want to talk to that girl in the elevator. But what if that girl in the elevator (and the balding man who walks past your cubicle at work) are thinking the same thing? Who knows what you might learn from taking a chance on conversation with a stranger? Everybody carries a piece of the puzzle. Nobody comes into your life by mere coincidence. Trust your instincts. Do the unexpected. Find the others.” — Timothy Leary

O que eu acho mais fantástico dessa citação é que eu realmente sinto como se o Timothy estivesse falando comigo, e é provável que muitos de nós por aqui sintam o mesmo. É como se ele estivesse nos convidando para visitar lugares misteriosos, nos dizendo coisas secretas ou nos mostrando como devemos seguir um modo de vida que desafia o status quo.

A mensagem que Leary nos entrega nessa citação é algo próximo de "Acorde!", no sentido de que existe mais vida do que nos foi contato e que devemos acordar e explorar o que o mundo tem para nos dizer. E eu me identifico tanto com isso quando me lembro da entrada da cannabis da minha vida. É quase como um monomito que muitos devem ter passado : você talvez em algum momento negava pois a sociedade inseriu na sua cabeça que aquilo era ruim, mas depois que você provou, gostou, passou pelos desafios impostos no confronto da aceitação da cannabis por parte da sociedade e aprendeu sobre, você provavelmente aqui deve ter se tornado um ativista, você quer que o mundo aceite a cannabis como bem que ela é e por consequência, quer espalhar a palavra em volta dos seus círculos sociais.

A mensagem é ainda mais arrepiante porque ele está nos mostrando o que estamos sentindo, mas temamos reconhecer – que nós realmente não nos "encaixamos", que nós não poderemos ser como a maioria das pessoas, que somos diferentes. E isso em algum nível é um fato assustador. Mas o que Leary sugere é para pensarmos sobre o oposto. A sociedade que nos faz acreditar que ser atípico é motivo de preocupação, mas e se isso fosse secretamente uma porta para a libertação?

Isso me lembra um bom amigo, que depois de sua passagem pela cannabis como ferramenta de entretenimento, foi se ‘aventurar’ no desenvolvimento do seu lado espiritual e depois de muito evoluir passou por um período absurdo de depressão, pois ele achou que havia se perdido da sociedade e não se encaixava mais. Mas será mesmo que ele tem que estar em sincronia com a sociedade para ser/estar feliz?

E o que mais Leary tem para nós? "Find the others".

"Encontre os outros" é geralmente precedida por outra frase "turn on". Isso fazia parte de uma outra frase: "turn on, turn in, drop out" e aqui segue uma citação da sua autobiografia sobre o significado dessa :

"Turn on" meant go within to activate your neural and genetic equipment. Become sensitive to the many and various levels of consciousness and the specific triggers that engage them. Drugs were one way to accomplish this end. "Tune in" meant interact harmoniously with the world around you – externalize, materialize, express your new internal perspectives. "Drop out" suggested an active, selective, graceful process of detachment from involuntary or unconscious commitments. "Drop Out" meant self-reliance, a discovery of one’s singularity, a commitment to mobility, choice, and change. Unhappily my explanations of this sequence of personal development were often misinterpreted to mean "Get stoned and abandon all constructive activity" – Timothy Leary

Então, encapsulando tudo, Leary esta sugerindo que você se afaste das coisas que você faz involuntariamente. Seu comportamento deveria ser menos "automático". Você deveria olhar no fundo de si mesmo para dizer o que você realmente quer dizer e se comportar como você realmente quer se comportar ao contrário. Isso é sobre ser sincero sobre você para você mesmo. Seja sobre a cannabis, seja sobre o seu café da manhã e qualquer outra coisa na sua vida : dê significado para as coisas e faça tudo em congruência com você mesmo e a sua personalidade.

E bem, depois disso, e sê existirem outras pessoas que também querem ser menos "automáticas" e que querem descartar os rituais mundanos da vida social? Pessoas que querem dizer o que realmente querem dizer e interagir profundamente com outras pessoas?

Um dia me lembro de estar visitando um irmão que não via a muito tempo, o mesmo que tinha me apresentando a maconha, ele me contava como sua vida tinha mudado com o tempo, coisas que passaram, mudanças de realidade, e como havia praticamente largado a ganja da sua vida. Mas o que mais me tocou em tudo que ele falou, foi o porquê de não ter largado: ele usa a cannabis como uma ferramenta bastante curiosa, ele apresenta ela para as pessoas na tentativa de liberar seu eu interior em sua forma mais sincera. E isso me fez ter um flashback, sobre uma vez, na praia, fumando com um grupo de amigos, conversando, até que uma amiga, que imagináramos nunca ter fumado ou experimentado cannabis, pediu um pouco, depois da surpresa, conversamos da maneira mais sincera que poderíamos conversar, sem mascaras. E é até engraçado pensar que a maior parte das minhas rodas de fumo foram sobre conversas que eu não teria se eu não estivesse ali, torrando aquele green gostoso com pessoas maravilhosas.

E como Timothy Leary sugere: seja sincero consigo mesmo, saia do automático e ache os outros. Você com certeza quer fazer dessas pessoas parte da sua vida.

Fontes:

– Myself,
– Wikipedia
– Quora

Se você quiser que o seu texto seja publicado aqui no Hempadão, envie para redacao@hempadao.com



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina