”Menos um Maconheiro, ninguém se Importou” – Sobre Mc Daleste

Adão e Erva

hempadao 11 julho, 2013

O Hempadão, por pedido de um leitor, indicou três funks falando de maconha na data de 22 de fevereiro deste ano, quando ainda usávamos o blogspot. Dos três, dois tinham participação do MC Daleste, funkeiro de São Paulo morto por um tiro durante uma apresentação que fazia em uma festa em Campinas, como vocês já sabem e provavelmente já viram. Este post não vem fazer juízo de valores morais nem tão pouco sobre ritmos musicais. Mas é bom lembrar que ele não foi o único cantor de funk assassinado no estado de SP, onde dizem não existir mais amor.

Não vamos aqui linkar as músicas dele sobre maconha, embora existam muitas. Ninguém aqui na floresta do Adão é fã de funk, mas pera lá, tá na cara que o Joseval Peixoto deu uma debochada do MC maconheiro, olha só:

Adão é homem milenar, não vai cair em vacilo de defender morte de ninguém. Também não vai defender o tom da “Apologia”, música que diz “matar polícia é nossa meta”, mas calma aê, quantos jovens não tão tendo essa meta depois de apanhar e sofrer gás de pimenta?! Adão nunca defendeu a violência, mas como fazer manifesto, como fazer funk, sem violência? É a pitada natural.

Quem defende a morte do cantor que falou sobre matar policiais não deve compreender a diferença entre falar e fazer. O dito, palavra que se pronuncia e simboliza na mente da interpretação, antes de atingir, protege – posto que se abriga no imaginário e só lá. Já o fato, tá feito. Talvez bem feito, pra alguns:

Mas a verdade é que até o Joseval percebeu a evolução do verso do rapaz. Ultimamente inclusive versou sobre a onda de protestos. Enquanto a mídia faz sensacionalismo sobre a morte, a verdade é que ele foi morto enquanto cantava que “gosta mais do que lasanha”, do que será que ele falava?

O Hempadão não é um site de música, é um site sobre cannabis. Não há como não lamentar a morte desse maconheiro convicto que alertava sobre o perigo de outras drogas e até do envolvimento com tráfico – ver música Mãe de Traficante. Por isso tínhamos já postado música dele – se tem maconha, tá valendo. E se tem menos um maconheiro, na vida ou na pista, a gente sempre se importa.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina