Maconha e Cárcere – Estreia de um Espaço de Luto e Luta!

Maconha e Cárcere

hempadao 13 abril, 2013

droga_no_fogaoQuem vive de olho no noticiário sobre maconha sabe bem que cerca de 90% das informações veiculadas no Brasil são relacionadas à prisões. Homens, mulheres, jovens e idosos, todos os dias dezenas de pessoas são capturas e enjauladas pelo fato de consumirem ou possuírem pequena ou enorme quantidade de maconha. Não podemos ignorar essa realidade, então todo sábado vamos aqui fazer um resumo da quantidade de gente presa por causa da erva. O Maconha e Cárcere é um retrato constante da realidade proibicionista, veja só:

No Mato Grosso do Sul uma jovem 18 anos tentava atravessar por ônibus um fogão com 19 quilos de maconha. A polícia sentiu o cheiro característico e prendeu a jovem. Já na região de Curitiba, no Paraná, a apreensão foi de 250 quilos, tendo acabo na prisão de um homem e dois menores. A polícia Rodoviária Federal encontrou 300 quilos de maconha na caçamba de uma saveiro em Minas Gerais, o motorista foi preso.

 

Este espaço não tem o intuito direto de criticar a ação da polícia em seu combate ao crime. Infelizmente muitas vezes o dinheiro do tráfico acaba sim sendo investido em armas, para própria segurança do ato ilícito, que não pode contar com os métodos convencionais para se manter seguro. Muitas vezes a ação do tráfico está atrelada a crimes contra terceiros e para isso é necessária a ação da polícia, é claro. Mas começa a parecer que vivemos uma inquisição contra as drogas quando, além de 50 quilos de maconha, a polícia ressalta que: “Na busca pela casa constatamos que ele parece ser uma pessoa articulada e um grande ativista da legalização da maconha. Ele tem uma gama de conhecimento sobre a droga porque havia vários livros”, disse o tenente. Além de bons conhecimentos, o dono da casa demonstrou bom preparo físico, conseguindo escapar da prisão.

A polícia invade a casa e encontra um pé de maconha e alguns tijolinhos embalados. “A suspeita é que os tijolos sejam de uma produção própria dos traficantes”, mas pera aí, se é suspeita, porque eles já estão sendo tratados como traficantes? Não importa, eles estão presos e endossam essas estatísticas, mais dois atrás das grades. Mais uma vez nas estradas mineiras, uma mulher de 31 anos foi pega pilotando um Crossfox lotado de 250 quilos de maconha em tabletes.

Em Recife mais um ativista parece ser suspeito de tráfico de drogas. Assim como no caso acima, os responsáveis pela maconha na casa não foram encontrados ainda, mas veja: “De acordo com a polícia, o traficante Rômulo é ativista de grupos ligados à legalização da maconha”, apesar de ter 130 quilos de maconha em casa. Já em Santa Catarina dois homens de 26 anos foram presos por plantar maconha. Triste ser obrigado a ler coisas desse tipo: “também foi apreendido uma planta de “cannabis sativa”, cujas folhas são usadas no processamento da droga”, han?!

A gente vai fazer as contas conforme diz as fontes jornalísticas, mas os profissionais do jornalismo ouvem as fontes oficiais, no caso, a polícia. E a polícia as vezes se engana, quer ver… em Brasília um homem foi preso num Gol que portava cerca de 500 quilos de maconha, disse a Polícia Militar, mas acontece que a Polícia Civil, no entanto, só aferiu 194 quilos na pesagem. Cadê o resto? Em Minas 112 quilos foram achados na estrada e mais um homem foi preso. Na mesma blitz a polícia encontrou um carro que transportava uma quantia em dinheiro que deixou as fontes confusas: “Nota da Redação: A princípio, a informação era de que R$ 300 mil em dinheiro haviam sido apreendidos. No entanto, a polícia informou depois que o real valor apreendido foi de R$ 442 mil.”, e aí, vai saber?!

Em Assis aconteceu um fato que ilustra bem o que normalmente a justiça brasileira faz em casos de tráfico – morde somente o peixe pequeno. O cara foi preso na estrada com 98 quilos de maconha. Confessou que fazia o transporte mas dedurou os chefes do esquema que estavam vindo em outro carro que chegou até a ser parado, mas não detido. Só o motorista amargou a prisão.

Enquanto isso na penitenciária de Campina Grande se repetiu o que sempre acontece, uma mulher foi tentar entrar com maconha no presídio e foi descoberta. O esconderijo dessa vez nem foi muito elaborado, ela lançou dentro do pacote de biscoitos e foi na fé – agora está presa por tráfico de drogas.

Pois então, salvo engano todos os casos aqui citados são dessa semana. É claro que muita gente é presa e não sai no noticiário, mas para se ter ideia, aqui contamos a triste história de 3 mulheres e 9 homens presos enquanto a polícia capturou uma tonelada e quatrocentos quilos da erva. Será que esta política está decente? Esse grande número de prisões não parece perseguição  a um hábito? Custa caro fumar maconha no Brasil porque o risco é cada vez maior. Será fugir, a solução!?



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina