LSD pode ser o anti-depressivo do futuro

Clipadão

hempadao 18 abril, 2016

Pela primeira vez, uma grande equipe de especialistas médicos de universidades de ponta de vários países do mundo, utilizando todas as técnicas mais avançadas de monitoramento cerebral, conseguiu observar em detalhes o cérebro humano funcionando sob o efeito do LSD. A pesquisa, publicada hoje pela prestigiosa revista da Academia Nacional de Ciências dos EUA, está sendo vista como o “mamma paper” (pesquisa-mãe) de uma nova e promissora área de investigação, que pretende transformar o LSD e outras drogas psicodélicas, antes vistas como substâncias perigosíssimas e sem nenhum interesse médico, em remédios psiquiátricos que podem inclusive substituir os anti-depressivos e ansiolíticos de hoje em dia, cada vez mais vistos como obsoletos cientificamente.

Fonte: Super Interessante

A chave para o potencial medicinal do LSD apareceu com clareza na pesquisa que acabou de ser publicada. Conforme esperado, os cientistas observaram que a droga tem o poder de enfraquecer a chamada “rede de modo padrão”, uma série de conexões do cérebro que alguns cientistas comparam a um “gerente-geral”. “A rede de modo padrão é quem estrutura aquilo que consideramos o nosso estado ‘ordinário’ de consciência. É ela que nos diz o que é adequado, o que é normal”, explica Eduardo Schenberg, da Unifesp, o único brasileiro entre os 26 autores do estudo.

Pois então: a rede de modo-padrão é pouco ativa em crianças, mas funciona cada vez mais intensamente enquanto envelhecemos – e ela é fortíssima em indivíduos que tiveram grandes traumas ou que sofrem de depressão. Os cientistas envolvidos na pesquisa, liderados pelo britânico Robin Carhart-Harris, do Imperial College, de Londres, acreditam que a tal rede tem tudo a ver com a chamada “plasticidade do cérebro” – a capacidade de refazer conexões e mudar funcionalmente. Quanto mais forte a rede, mais rígido é nosso sistema nervoso – menos plástico, portanto. Na infância, temos uma capacidade quase infinita de aprender coisas novas e de mudar. A ideia básica da terapia com LSD, portanto, seria a de desligar a rede de modo-padrão, de maneira a aumentar temporariamente a plasticidade do cérebro, tornando possível moldar a mente para resolver definitivamente problemas psiquiátricos sérios. “Parece ser um pouco como uma regressão: o paciente volta a ter uma mente de criança para curar distúrbios psiquiátricos”, diz Schenberg.

Essa abordagem é completamente diferente daquela utilizada nos anti-depressivos e ansiolíticos atualmente disponíveis nas farmácias. Esses remédios buscam regular o ambiente químico do cérebro. Por exemplo, a estratégia dos anti-depressivos é aumentar a quantidade de serotonina no cérebro – o que até faz sentido, já que a depressão está associada a níveis baixos de serotonina.

“O problema é que essa abordagem parte do princípio de que o cérebro é uma coisa fixa. E hoje sabemos que ele é muito plástico”, diz Schenberg. Isso pode ajudar a entender os problemas que têm surgido envolvendo remédios psiquiátricos, após anos de uso. Aparentemente, o cérebro vai se modificando por causa dos remédios e, com o tempo, eles vão deixando de funcionar. Por exemplo, os anti-depressivos, se por um lado aumentam a quantidade de serotonina, por outro parecem causar uma redução gradual da sensibilidade à serotonina. Por isso, eles causam dependência: fica cada vez mais difícil viver bem sem doses artificialmente altas da substância. E, o pior: eles podem até piorar o problema, em vez de ajudar. Alguns médicos acreditam que tomar anti-depressivo durante um surto de tristeza pode acabar levando à depressão: aquilo que passaria naturalmente acaba virando um problema crônico.

A esperança de Carhart-Harris e do resto da equipe é que a terapia com LSD funcione de maneira bem diversa. Primeiro: o medicamento seria tomado apenas uma vez, ou algumas poucas, com acompanhamento cuidadoso de terapeutas durante todo o tempo de ação da droga. Os remédios tradicionais precisam ser tomados por anos, muitas vezes pelo resto da vida. Claro que as grandes empresas farmacêuticas não ficam muito felizes com a ideia, já que remédios psiquiátricos atuais custam caríssimo e as cartelinhas terminam logo. Já o LSD e drogas psicodélicas como a psilocibina (cogumelo), oMDMA (ecstasy), a ibogaína e a ayahuasca não apenas requereriam bem menos doses, mas não podem ser patenteadas pela indústria, pois são substâncias naturais.

Mas o argumento mais surpreendente para defender o uso dessas drogas em substituição aos remédios de tarja preta atualmente nas farmácias é o seguinte: elas parecem ser muito mais seguras. Drogas psicodélicas são perigosas sim, principalmente quando tomadas por pessoas suscetíveis a psicoses, sem acompanhamento médico. Mas os cientistas estão percebendo que, quando elas são administradas por terapeutas bem treinados, num ambiente controlado, o risco que elas oferecem é próximo de zero. Pesquisas como essa que acaba de ser publicada mostram que é possível monitorar em detalhes o efeito da droga no cérebro, evitando imprevistos. Já os remédios psiquiátricos tradicionais agem lentamente, ao longo de anos – é impossível monitorar seus efeitos com precisão, porque as mudanças são graduais demais e não dá para observar o funcionamento do cérebro por décadas.

Agora espera-se que, nos próximos meses, dezenas de outras pesquisas sobre o tema sejam publicadas, trilhando o caminho aberto pelo mamma-paper. Será hora de verificar se o potencial dos tratamentos psicodélicos é tão grande quanto parece ser. Por muitos anos foi praticamente impossível pesquisar o uso medicinal dessas substâncias, porque os órgãos científicos governamentais normalmente não autorizavam, por questões éticas ligadas aos riscos das drogas. Recentemente, alguns cientistas conseguiram aprovar estudos com LSD e psilocibina acompanhados de terapia, mas apenas para casos extremos: pacientes à espera da morte, que sofriam de angústia e depressão. Como já eram casos terminais, os riscos das drogas foram considerados irrelevantes. Os resultados desses testes têm sido muito promissores. Tudo indica que eles abrirão as portas em breve para pesquisas com casos menos extremos – afinal não são só pacientes terminais que sofrem com angústia e depressão.



2 respostas para “LSD pode ser o anti-depressivo do futuro”

  1. olá pessoal quem já conheceu o curso de saulo fong,que ensina acabar com a depressão e ansiedade em 40 dias.para sabem mais dé um click no nome “carlosferreira”

  2. Jorge Mateus disse:

    Adorei esse artigo, cada vez fico mais apaixonado por nosso cérebro, rs

    Obrigado por compartilhar esse conhecimento abertamente.

    Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina