Jovens passam 3 meses na cadeia por vender brigadeiro de maconha no Rio

Clipadão

hempadao 22 fevereiro, 2016

Uma lata de leite, achocolatado em pó, manteiga e um ingrediente não encontrado na confecção tradicional de brigadeiro: maconha. Foi por causa dessa receita que três jovens cariocas passaram três meses na cadeia por tráfico de drogas no Rio.

Emily de Souza Lopes da Silva, 23, Dennis da Costa Correa, 24, e Amilton Sérgio de Lima Costa, 28, foram presos em flagrante na Lapa, bairro boêmio do centro, em junho do ano passado.

 

Fonte: Folha

Com eles foram encontradas, segundo o boletim de ocorrência, 64 unidades de “brigadeiros mágicos”, como indicava a placa que eles traziam consigo, além de 3,2 gramas de maconha prensada dentro de um saquinho transparente e R$ 829. Também foram achados três “cigarros artesanais confeccionados com papel branco fino” -um deles com “marcas de combustão”.

O trio de fato vendia brigadeiros de maconha há seis meses, contando com a legislação menos restritiva aos usuários. Apesar de ser crime, o porte de drogas para consumo pessoal não é punido com prisão.

“Fomos vender de onda porque queríamos fazer um dinheiro extra. Não era a nossa profissão. A gente levava para os locais onde gostava de sair. Vendíamos bem”, disse Emily à Folha. “Eu não sou ingênua, sabia que era errado, mas não imaginava que iria para a cadeia por isso.”

O comércio de doces com maconha é comum no Rio. Brigadeiros, cookies, bombons, palhas italianas e até alfajores são vendidos em praças e festas ao ar livre. Os vendedores são geralmente estudantes como Emily. Devido à temporada na prisão, ela perdeu a matrícula na faculdade de filosofia da UniRio, por exceder o limite de faltas sem apresentar justificativa em tempo hábil.

PRISÃO

Detidos na madrugada de um sábado, às 3h, Emily, Dennis e Amilton foram inicialmente autuados por “venda de produto impróprio para o consumo”. Contudo, foram mantidos na delegacia por nove horas, período no qual, segundo Emily, não puderam fazer telefonemas. Depois que a perícia confirmou a presença de maconha nos brigadeiros, os jovens passaram, então, a ser indiciados sob acusação de tráfico de drogas.

“Se tivéssemos um advogado, nunca teríamos sido levados para a cadeia. Minha mãe ficou sem notícias minhas e, depois de ir a hospitais e ao IML, foi à delegacia dar parte do meu desaparecimento. Foi quando ela soube que eu tinha sido presa.”

O Ministério Público ofereceu denúncia por tráfico de drogas e associação para o tráfico. Calculou um total de 2,12 quilos de brigadeiro “contendo substâncias entorpecentes cannabis sativa [nome científico da maconha]”.

“A quantidade de brigadeiros confeccionados com maconha apreendida, assim como forma de acondicionamento da erva, […] evidenciam a finalidade de entrega do material entorpecente aos frequentadores da Lapa”, diz a denúncia, assinada pelo promotor Rodrigo Hermanson.

CONDENAÇÃO

Depois de três meses e duas audiências, o juiz entendeu que poderiam responder em liberdade. Em janeiro, a Justiça os condenou por tráfico de drogas, com pena prevista de cinco anos em regime fechado.

Por serem réus primários, a punição foi substituída por um ano e oito meses em regime aberto, multa de R$ 1.000 para cada e seis horas semanais de trabalho comunitário. Não recorreram. “Fiquei em uma cela com 50 camas e 70 detentas. Chorava todo dia”, diz Emily



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina