Hempadão na Argentina – Copa CABA e a Revista Haze

Hemportagem

hempadao 30 junho, 2013

A equipe do Hempadão embarcou meio que numa missão surpresa. O rumo vocês já viram, não?! Brasil – Argentina, Rio de Janeiro – Buenos Aires! Missão?! Acompanhar o germinar a revista Haze Brasil e também cobrir a Copa Canábica da Ciudad Autonoma de Buenos Aires. Vôo das 6 da matina, mas recebo na redação do Hempa na madruga nada menos que Zerovinte Hum e Mandaca, uma dupla da pesada quando o assunto é fumaça. A viagem começou ali, literalmente ou não. Enchemos os cinzeiros e a cabeça e partimos pro avião. Do Rio pra lá são três horas,  rumo ao Aeroparque!

Recepção calorosa no aeroporto de um amigo que não é o Maradona do futebol, mas é um astro do mundo canábico! Afinal, colhe flores que lhe dão a honra de receber a homenagem nossa de La mano de Dios. Acendeu uma tora assim que botamos o nariz pra fora dos arredores da polícia. Nos levou a uma casa de Bed & Breakfast simplesmente fantástica. Deixou uns cogollos  da melhor qualidade. Alguém apertava um enquanto o dono do estabelecimento ia mostrando os aposentos e o resultado de seus cultivos. Na frente de um dos quartos tinha dois pequenos pés de maconha, na “única parte boa de sol”, segundo ele.

“Essa erva de resina tá foda maluco”, diz Mandaca quase explodindo de alegria com um bud que, em determinado ponto, não se via a folha, só tricoma. Fomos em busca dele! Levamos uma macro especial para dar uma olhada nas tão especiais plantinhas, veja só:

DSC_4375Depois de devidamente acomodados, fomos fazer uma visita à redação da revista HAZE. Entre goles de pomelo tragos de várias flores incríveis, fomos conhecendo o espaço, equipe e o alto nível de organização da Copa. O diretor da revista, Alberto Huego, mostrou pra gente uma salinha destinada às suas conquistas em Copas Canábicas mundo afora, inclusive no Brasil. Cansados da viagem, morgados pelo sono não dormido, os argentinos até comentaram: “foi picado pela viúva branca”, achando que o olho caído era a força da White Widow. Era também, claro.

Então foi hora de degustar uma especiaria da memória humana, segundo Camarón. “Sério! Fumo essa flashback e começo a lembrar de coisas do passado. Você se pega do nada pensando na infância”, brinca um dos membros da Revista Haze, um brasileiro que vive por lá desde dos 11 anos de idade e hoje realizou o sonho de trabalhar com maconha de forma legal. A redação tem um clima incrível e certamente todos ali estão juntos pela realização de um sonho: dar vida à cultura canábica.

Ingressos sendo vendidos na última hora, amostras sendo montadas e devidamente fotografadas. Achamos por bem ganhar a cidade e marcar com eles no dia seguinte, cedinho, para partirmos pra Copa. A CABA é uma sigla de Ciudad Autonoma de Buenos Aires, e a competição acontece há 6 anos. O Hempadão teve a honra de chegar cedo e ajudar no que foi possível na organização. Mão na massa, literalmente e não. Carregamos dezenas de sofazinhos para montar nada mais que 8 espaços para que os jurados pudessem degustar e votar em paz. Galho fraco perto de toda estrutura que os caras arrumaram. Depois foi só aproveitar a festa, fazer contatos e respirar o ar de uma Copa Canábica internacional muito mais orgânica e coletivista  do que uma Cannabis Cup. Veja aqui galeria de imagens da CABA.

Aproximadamente 20 stands davam a festa o ar de confraternização cultural e comercial do universo da ganja. Dichavadores, hashmakers, catálogos de sementes, doces canábicos, aparelhagem para cultivo, personalidades do circuito da cannabis e muito mais! Ouvi dizer que na Argentina acontecem mais de 15 copas por ano. Talvez você esteja torcendo para que o Brasil vença a Copa das Confederações hoje, mais tarde. Mas a nossa redação está é torcendo para que um dia a gente chegue perto desse padrão hermano de cultuar e cultivar marijuana.

Enquanto não chegamos perto deles no padrão Copas, estamos nos aproximando no quesito Revistas. Lá tem duas, THC e Haze. Aqui – ao que parece – também teremos duas ainda este ano: a semSemente e a Haze Brasil. Planejada para Setembro, a equipe já fez sua primeira viagem e cobertura internacional e nós, do Hempa, tivemos a honra de conferir de perto. Que germine forte essa semente.

Os prêmios foram devidamente concedidos às seguintes posições:

Exterior
1º Destroyer (Manuel de Andres) muestra nº42
2º Moby Dick (Casa de Piedra) muestra nº 47
3º Critical + (Flipper) muestra nº1
4º Nebula (Moisha) muestra nº8
5º Moby Dick (El Apostol) nº7
6º Super Lemon Haze (Rolo) nº35

Interior
1º Amnesia Lemon (Ivan) muestra nº83
2º Green Poison (Lucas) muestra nº74
3º Lemon Skunk (Fede wii) muestra nº76
4º Super Lemon Haze (Puro Humo) muestra nº79
5º Super Silver Haze (Pablo de Ram) muestra nº80
6º Moby Dick (Jose Kannopia) muestra nº71

Grow
1º Skywalker Kush (Billy Grow) muestra nº92
2º Big Bud x Flashback (Pulpot^) muestra nº97
3º No Name (Zion Reggae Shop) muestra nº98

Hash
1º Nk9 (El Gato)
2º Hdp (Ale)
3º Amnesia Haze (Lechuga)

 

Vídeo da CABA tá no forno – aguardem…

No dia seguinte o Hempadão ainda visitou o Pulpot, growshop mais antigo de Buenos Aires. Veja as fotos AQUI.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina