Gestação de boa – Riscos e experiências de uma Mãe Maconheira!

Chá das Minas

hempadao 9 maio, 2016

por Nessa Bruxinha .:.

Meninos, vocês que me perdoem, mas ser mãe é fabuloso. A gravidez parece mágica dentro de nós. Vocês meninos só vão mesmo saber o que é criar lombriga na barriga. Nós não! Nós vamos gerar uma vida. Essa é nossa função no mundo: gerar vidas, e tudo que envolver seu crescimento saudável. Claro, com a ajuda dos garotos, eu sei, vocês são muito importantes nesse processo, mas o que quero dizer é que nós mulheres somos as responsáveis pela vida que se forma dentro de nós. É maravilhoso sentir a criança mexer, ouvir seu coração… pense que louco, por meses temos 2 corações batendo dentro de nós. É magnifico.

El-uso-de-marihuana-durante-el-embarazo-686x457

Se tornar mãe é uma responsabilidade muito grande, desde a gravidez. O que comemos, o que bebemos, os sentimentos, tudo vai para o bebê. E o que fumamos também. Apesar dos benefícios que já sabemos possuir, durante a gravidez a Cannabis não é tão boa assim. Na verdade é um pouco pior; seu uso na gravidez é tido como arriscado. Em algumas pesquisas os riscos são: crescimento intrauterino restrito, hipertensão única da gravidez, diminuição do líquido amniótico e redução de oxigênio no organismo. Isso sem contar a potência da droga na atualidade, visto que as pesquisas geralmente são feitas com erva de qualidade, uma maconha limpa. Assim, as sujas podem apresentar complicações ainda desconhecidas para os pesquisadores. Porém, esses riscos são suspeitas, nada comprovado. Conforme as pesquisas, a maconha não deve ser o único causador desses prováveis danos. É preciso estudos mais abrangentes que englobem outros fatores como alimentação, modo de vida, dosagem da droga e cuidados antes, durante e depois da gravidez.

Não mencionei os benefícios não é mesmo?! Pois bem, não há menção deles nas pesquisas, apenas relatos. Experiência própria? Lá vai: fumei na minha segunda gestação, não muito, na verdade bem pouco comparado ao uso de antes e depois, mas com a graça de Deus, tenho um filho adorável, saudável, amoroso, cuidadoso, inteligente… uma verdadeira dádiva. Mas como a vida de um não é receita de outro, ouça, pesquise, e sobretudo se baseia em você e perceba os sinais de seu corpo.

Portanto, evitar o uso da maconha durante a gravidez é o mais aconselhável a se fazer. E como não poderia deixar de ser, segue uma homenagem a todas as mamães muito loucas que amam a maconha, mas não mais do que ama seus filhos:

Ser mãe é agradecer a Deus todos os dias por essa dádiva divina, e orar para que nunca se desviem do caminho do bem.

Ser mãe é entender que sua vida agora tem plateia, e que está ávida por aprender com você, como se deve viver. O exemplo é o melhor ensinamento e o amor sempre será o melhor exemplo.

Ser mãe é cuidar, orientar, alimentar, tratar, chegar junto, puxar a orelha, dizer não, abraçar, beijar, acarinhar, sentir falta, amar.

E finalmente, ser mãe é tudo isso que o amor envolve. É ser filha, ser irmã, tia e sobrinha. É ser família. É transmitir tudo de bom que aprendeu com os seus. É descobrir que ainda tem muito o que aprender com os novos seus. É amar sem medida. É um sacrifício por um beneficio. É curar com um beijo, sarar com um abraço. É um dedicar-se constante. É aprendizado eterno.



4 respostas para “Gestação de boa – Riscos e experiências de uma Mãe Maconheira!”

  1. Nessa Bruxinha disse:

    Olá Heloísa!!

    Que bom que gostou!!
    Na verdade, apesar de não mencionar a amamentação, o texto é extensivo ao pós parto, pois enquanto o bebê continua dependendo de nós para se alimentar, e crescer saudável, é como uma gravidez fora da barriga. Os riscos continuam, e os benefícios, aparentemente são apenas na mamãe. Mas obrigada pela dica, vamos pesquisar para falar diretamente para as mamães leiteiras (rs)

    Forte abraço!

  2. BabaBaby disse:

    Na boa, tenham o mínimo de responsabilidade e NÃO fumem durante a gravidez nem amamentação.

    Se não sabem quais consequencias podem trazer, não façam.
    A formação de uma vida é algo muito sensível. Imagine só, todas as ligações neurais se formando no bebê e, de repente, uma carga de CDB, THC, mais Alcatrão e outros tóxicos (sim, são tóxicos) desses prensados vagabundos que 95% fumam vão parar na corrente sanguínea e, consequentemente, afetar a formação de uma vida que nada tem a ver com o mundo. E tudo isso só pq a “mamãe” inconsequente não aguentou dar um tempo com a erva. Que belo compromisso e exemplo de postura.
    Acordem pra vida.
    E esse recado não é de um careta.

    • Nessa disse:

      Concordo com vc BabaBaby!!

      É uma responsabilidade muito grande mesmo, e não é justo, nem sensato colocar uma vida em risco por um prazer momentâneo.

      Mas não sejamos tão rigorosas. Na teoria, os riscos existem; mas em 100% dos relatos que vi e ouvi, não houve consequências negativas significativas, pelo contrário.

      Na gravidez, para o bebê, até um refrigerante é tóxico. Uma quantidade abusiva de sal e açúcar também é, vai fazer mal, e não é teoria. A analise deve ser crítica, mas não fechada. Vamos conversar antes de determinar como nocivo. A maconha em alguns casos é utilizada como medicamento, como relaxante, então, talvez o bem estar físico e mental da mãe, possa trazer benefícios maiores ao bebê, do que os riscos não comprovados que teimamos em revelar.

      Assim como alguns médicos proíbem, outros liberam o uso. Pelo visto ainda não é um consenso na medicina se a maconha fará mais mal do que bem.

  3. Heloísa. disse:

    Aew galera , adorei o assunto abordado!
    Uma sugestão tbm seria falar sobre a amamentação e o uso da canabis, pois tem várias mamães maconheiras loucas pra voltar a fumar depois de bebês RN, e a culpa não deixa, pq gente unzinho pra aliviar a pressão e o cansaço das mamães dos pequenos cai lombrosamente bem!
    Fica a dica .
    Abraços ❤

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina