Entrevista com o autor do romance Jardim em Chamas

ConverSativa

hempadao 23 março, 2016

Hoje no conversativa vamos trocar ideia com o camarada Gustavo Grossi! Ele foi preso por cultivar maconha e sua história acabou virando um romance, a ser lançado mês que vem no RJ. Para saber mais detalhes sobre a história e produção do livro, basta ler a entrevista abaixo, se liga:

1) O que é o livro, como nasceu a ideia e o que você espera da obra?

Jardim em Chamas é um Romance. Uma obra de ficção inspirada por fatos reais. Eu sempre quis ser escritor e juntar duas das minhas paixões, cannabis e literatura é a realização de um sonho. Espero que a obra possa contribuir um pouco pra esse debate da legalização e que convenhamos, já deveria ter sido encerrado e com a erva legalizada, estaríamos debatendo as questões científicas dessa planta.

 

2) Como começou a sua relação com a cannabis?

Começou quando eu fiz 18 anos, a música do Bob Marley e o Reggae mudaram a minha maneira de ver o mundo. Além do mais morei nos Estados Unidos por 5 anos, onde tive contato com a cannabis medicinal. Nunca usei drogas. Sempre gostei de esportes e cedo entendi que essa planta não é uma droga , mas sim um remédio e terapia. 

3) Você pensa na história do livro virar um filme um dia? Como seria ver sua história nas telonas?

Às vezes, eu  e minha esposa, brincamos com esse assunto, do livro virar filme , quais seriam os atores e o diretor. Mas por enquanto isso está só no imaginário. Por o livro ser um romance, poderia ser sim adaptado para um roteiro de um filme . Seria muito surreal ver essa história nas telonas. Quem sabe um dia?

4) Qual foi a parte mais difícil de se escrever este romance?

Foi natural escrever essa obra. Foi escrito como se fosse uma conversa livre com o leitor. Não parei para pensar muito o que eu ia escrever. Nos dias que eu estava inspirado eu só deixava fluir. Curti muito o processo de criação. Escrevi pra mim em primeiro lugar, como uma forma de terapia mesmo.

5) Você se sente a vontade em descrever um pouco do que passou por ter sido preso com pés de maconha? Como foi e o que isso te afeta ainda hoje?

Eu me sinto à vontade pra falar sobre isso.  Fui preso por plantar. Que piada de mal gosto. Fazíamos uma vez por ano apenas para fins pessoais e medicinais. Com tanto crime violento na sociedade me parece insano gastar recursos para combater uma atividade pacífica que é plantar cannabis.

Eu me sinto à vontade pra falar, o governo e a mídia que fazem disso um grande tabu que tem altos custos para toda sociedade. A proibição me causou danos pessoalmente, mas causa muito mais na sociedade como um todo com milhares de mortes por ano decorrentes dessa guerra. Eu sigo em frente,mas e o Brasil? Pra onde vai ?

6) Qual sua esperança sobre a legalização da maconha no Brasil? Quanto tempo você acha que falta para isso acontecer por aqui?

Sou uma pessoa otimista, mas essa questão da legalização no Brasil parece estar distante. O congresso está parado. Há muitos setores conservadores em nossa sociedade. Não há investimentos em Saúde e Educação. Muitos setores lucram demais com a proibição. Vivemos em um estado falido e corrupto. Mas com mais países legalizando , o Brasil não vai ter outra alternativa , vai ter que legalizar. Então , há luz no fim do túnel . Não sei quanto tempo, vamos depender mais da situação internacional. Quando os Estados Unidos legalizarem a nível federal. Os políticos daqui não terão outra alternativa. Terão que legalizar por bem ou por mal. Foi assim com a escravidão por exemplo.

7) Manda um recado pra galera que acompanha o Hempa que leu a entrevista até o final.

Galera, convido todos para o lançamento do livro Jardim Em Chamas, dia 16 de Abril. No Ganjah Coffeeshop Tabacaria na Lapa, Rio de Janeiro. A Luta Continua. Muitas flores para todos em 2016. One Love!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina