Dia do Trabalhador: Dia do Povo de Jah!

PotPoets

hempadao 1 maio, 2015

quem de fato faz acontecer
mão na massa, dia útil
a troca entre tempo e a cifra
carga horária, produção
um salário, a carteira
de trabalho…
parabéns! trabalhador brasileiro
um super heroi da marvel
em cada crachá
super poderes de aguentar
o mês com o mínimo

um feriado em teu nome
trabalho,
a dor de sua rotina
entre bancos de horas
e horas no banco
pra só no final do dia
ascender,
acendendo o alívio
que não por acaso
ou destino
ainda nos é proibido

brisa, onda, marola
por cada profissional da escola
e professor agredido
respeito infinito, máximo
baseado em lições, ações
equações,
sabotagem ao sistema
que nos quer ignorantes
como antes, e agora,
ditam duras penas
tudo subentendido

blindados e bombas
contra garis
ternos, termos, mandatos
vigoram inviolados
trabalhando feito imbecis
regem balas de borracha
contra lápis e borracha
ou alinham seus fardados
contra residências ou barracos
sem mandados
como se fosse lícito

e isso ainda é um trabalho
então, quando, numa equação,
vamos resolver o lógico?
perceber que quem bate e apanha
são o mesmo lado do beck
a ponta, que pega fogo
o pobre, que pega em armas
do outro lado, a piteira
o rico na rodrigo de freitas
acende um careta e comemora
seu lucro líquido

enquanto o bruto labuta
a sorte né gol que se chuta
meritocracia é meu ovo
dia do trabalho, dia do povo
que segura um país
mas mal faz parte do PIB
pobre, o país que não valoriza
sua população
sem tréguas ainda encarcera
e gera corrupção, em vão
contra um mero arbusto

injusto, e contra essa proibição
propomos um trabalho a menos
deixem a polícia trabalhar mais sério
e não contra delitos pequenos
a começar pela autolesão
se queimam mato o dia inteiro
chamem o bombeiro, nada de prisão
ideal, o dia que até o policial
perceberá irracional a luta contra
um vegetal tão útil

dia do trabalhador, 
não podia deixar de lembrar,
avisem pro seu mais próximo parlamentar,
a planta tem mais de 30 mil utilidades industriais,
imagina o quanto não pode empregar.
maconha,
mesmo marginalizada, sobrevive
com a força e fúria da mais resistente
fibra existente e da proeminente
cultura.

por fim,
ai de mim,
um salve a quem trabalha
e vive, e morre, todo dia,
pela evolução e manutenção
dessa milenar cultura
cultivada a cada tapa
e livre solta igual fumaça.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina