Cientistas comparam onda da Maconha às sensações de quem pratica exercícios físicos

WAW

hempadao 16 outubro, 2015

ShaureaWorldWide#4: Aquela felicidade, sensação de invencibilidade quando você está flutuando no ar no pico de um treino?

Você provavelmente já ouviu que são as “endorfinas” que o seu corpo produz durante exercícios longos. Essa ideia, que desde os anos 80 esta por ai é baseada na teoria de que essas substâncias interagem com os receptores do cérebro para reduzir a percepção de dor e alguns pensavam que também dava um impulso eufórico.

Um novo estudo publicado na PNAS (publicação oficial da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos) desafia a noção e coloca em frente uma nova teoria: De que essa sensação após um treino poderia ser causado por diferentes substancias chamadas endocanabinóides

Endocanabinóides podem basicamente serem imaginados como a maconha produzida pelo próprio corpo, e assim como a cannabis, pode mexer com uma grande variedade de processos fisiológicos, incluindo apetite, dor, memória e humor.

Por agora as pesquisas foram feitas apenas em ratos, então não é claro como isso se aplica nos humanos, mas o que os pesquisadores encontraram certamente é intrigante o suficiente para inspirar mais estudos sobre essa ideia.

Pesquisadores do Instituto Central de Saúde Mental da Universidade de Heidelberg na Alemanha colocaram ratos para correr na roda, eles descobriram que após as corridas os ratos eram menos ansiosos e toleravam melhor a dor.

Então usaram drogas para bloquear o sistema endocanabinóide dos animais. Os resultados foram surpreendentes. Os animais estavam tão ansiosos depois da corrida como antes de correr e mais sensíveis a dor

“Mostramos então pela primeira vez com nosso conhecimento de que os receptores de canabinóides são cruciais para os principais aspectos da sensação de invencibilidade de um atleta depois de um exercício,” adaptado do texto original escrito pelos pesquisadores.

Recentemente houve muitas pesquisas interessantes sobre o assunto da sensação que o corredor sente depois de um treino. Em agosto, cientistas da Universidade de Montreal (Quebec, Canada) publicaram seu trabalho sobre um estudo de um animal diferente que envolve o hormônio leptina, que é apelidado de “hormônio da saciedade”.

A leptina, que regula as reservas de energia, manda sinais para o corpo quando tem energia suficiente. Os pesquisadores disseram que é possível que quando você está no meio de um treino, seu nível de leptina pode cair, e isso “enviaria um sinal de fome para o centro de prazer do cérebro para gerar os efeitos de recompensa da corrida.”

Em um estudo publicado no jornal Cell Metabolism, eles compararam ratos normais com ratos geneticamente modificados que tinham falta da proteína sensível à leptina, STAT3, que comunica o sinal da leptina para liberar a dopamina de recompensa. 

Os ratos normais correram uma média de 6 quilômetros por dia na rodinha. Mas os ratos modificados geneticamente correram quase o dobro dos normais, 11 quilômetros por dia.

Se esses estudos forem confirmados, a grande pergunta é se esses efeitos benéficos um dia serão engarrafados para ajudar as pessoas a exercitar mais para melhorar sua saúde. Cada vez mais isso parece uma possibilidade.

Texto original por Ariana Eunjung Cha, http://www.stuff.co.nz/life-style/well-good/teach-me/72931311/scientists-say-runners-high-is-like-a-marijuana-high

Texto traduzido e adaptado por Bruno Parisotto (bruno@shaurea.com)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina