Aconteceu com um brother meu…

Caos in Casa

hempadao 9 outubro, 2014

texto enviado por leitor

Da turma eu fui o primeiro a consumir maconha, e pode parecer só papo mas antes de usar na época, eu tentava me informar como podia em fóruns tipo do growroom e mais tarde através do hempadão. Eu não sou usuário constante, fumo de forma recreativa mas sei a importância da legalização como pauta primaria na saúde e para uma quebra no trafico de drogas e corrupção etc…

Tento sempre passar a informação pra galera e os cuidados caso ser pego em uma dura.

Hoje meu amigo que trabalha com cinema, sequelou e esqueceu um tablete de prensado na mochila que uma amiga deixou com  ele para outra ocasião. No dia seguinte depois de pegar o transporte particular para o trabalho a Pm que vinha olhando ele da entrada da favela ( onde ele mora) parou o carro e veio dar um esculacho nele.

Revistaram o cara, o deixaram quase pelado e antes de encontrar algo fizeram a cabeça dele, jogando pressão que ele tinha entorpecente   escondido e que era melhor ele falar… O de sempre.
Meu amigo estava gelado na sua primeira dura e acabou entregando que portava o prensado, e o Pm vendo ele todo arrumado jogou a “historia do traficante”, que aquilo não era dele e ele arrumadinho assim não podia morar ali, então era melhor ele falar logo que não era, pra aliviar pro lado dele.

Na pressão ele disse que não era dele e que só foi comprar, mas ai já é trafico e os pigs pediram 5 mil pra liberar o cara (isso todos da van olhando a situação). Ai foi aquela situação que ele não vai esquecer mais…O pessoal da van ligando pra produção e pedindo o dinheiro, ele ao chegar no trabalho levando esporro do produtor, que foi super gente fina com ele depois entendendo o caso, e claro os olhares dos maconheiros hipócritas do recinto que apesar de consumir prensado de favela, não tem contato direto com o trafico de morro e nem a policia ao redor.

A dura na zona sul é diferente do subúrbio e meu amigo deu foi sorte.

O pai dele não fez muito alarde por que caiu na ideia que aquilo era pra outra pessoa, e que ele só foi comprar. A menina que deu a maconha pra ele  queria assumir o rolo todo, e pagar o preju pra produção e tal, mas eles conversaram e ficou meio a meio, apesar da culpa ser dele.

Ela já tinha passado por outras duras e sabia como era a pressão que os caras colocam.

De fato podia ter sido muito pior, mas o que fazer em uma ocasião como essa? Declarar que é usuário e assumir a quantidade? O policial ainda tentou empurrar pra ele o tablete de volta depois, mas ele não pegou.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Papelito
Banner Sedina